Quem, no fundo, é Bruna Paiva?

1901990_712270282128293_756692284_nAcabo de terminar o quarto capítulo de um livro que tem me feito pensar bastante. O livro é o “Não se Apega, Não” da Isabela Freitas, e provavelmente vai vir parar aqui na seção “Na Estante”. Mas não consegui esperar o fim para escrever inspirada nele. O que acontece é que, dentre os vários questionamentos que este livro tem me causado, um me intrigou muito nesta tarde: quem sou eu?

No fundo, sério, quem é a Bruna?

Sou uma garota de 16 anos que não se considera nem mulher nem menina, talvez um pouco adolescente demais. Que não anseia nem um pouco por completar 17 porque acha uma idade sem graça, sem sal. Meio insegura e durona, talvez fria ou grossa demais e ao mesmo tempo sensível e frágil.

Sou uma garota que morre de medo de ficar sozinha em casa à noite. Que dorme agarrada num ursinho chamado Charlie Brown, isso mesmo, em homenagem à banda. Que sonha acordada antes de pegar no sono e quando está no chuveiro. Sou uma menina que cada vez que está de frente com algum de seus ídolos volta a ter 11 anos de idade e chora como se não houvesse amanhã.

Uma menina que, assim como a personagem do livro, gosta de acreditar no melhor das pessoas. E que já se ferrou bastante por causa disso. Alguém que já sofreu com amores e desamores, amizades e desamizades… E que, por mais que seja avisada, só consegue aprender com os próprios erros, vendo o próprio sangue derramado.

Sou blogueira. Aprendi a amar o meu blog e ter certeza de que ele é um dos meus projetos de vida. Uma garota que ama contar histórias e que, sim, sonha em ser uma grande escritora. Sou uma bailarina que se esforçou muito para passar por alguns obstáculos e que ainda pretende passar por muitos outros. Gosto de sonhar alto e acredito nos meus ideais.

Sou uma menina que não arrisca entrar com o pé esquerdo em lugar nenhum. E que não tira um pingente de olho grego do pescoço por nada nesse mundo. Passar em baixo de escada? Nem pensar. No Ano Novo, pulo 7 ondas e me visto de branco. Superstição? Pode até ser, mas não gosto de dar chance pro azar.

Uma garota que se derrete de tanto chorar assistindo às comédias românticas. Que não assiste nem lê nada de terror de maneira alguma, caso contrário, o medo de ficar sozinha de noite só aumenta.

Sou uma garota que deveria estar estudando para a próxima prova de História à essa hora, mas que não conseguiu se concentrar em D. Pedro com toda essa questão pairando na cabeça.

Tenho sonhos e metas que traço para minha vida. Só consigo me desestressar escrevendo ou dançando. Tenho mania de deixar tudo acumulado dentro do peito e um dia explodir por alguma coisa idiota. Uma adolescente que como muitas outras queria mudar o cabelo, mas ao mesmo tempo gosta dele natural…

A Bruna é uma garota que não é cercada de milhares de amigos, mas os que têm são os melhores do mundo. Ela adora ter amigos meninos e se diverte com as besteiras que eles falam. Defende que a amizade entre sexos opostos é possível sim, e é uma das melhores.

Uma garota que prefere Twitter a Facebook, Qualy a manteiga e amendoim a castanhas. Que devora em horas um pacote de pão de forma completamente puro. Que ama usar batom vermelho, mas não arrisca nada além do nude para ir pra escola.

Uma aluna que pira com cada nota baixa mesmo que ela não signifique nada além de falta de atenção ou dificuldade em determinada matéria. Sou alguém que tem paixão pela leitura e a quem ela acabou trazendo até este texto.

Sou uma menina, uma mulher, uma blogueira, uma aluna, uma bailarina, uma sonhadora e, na real, tudo o que eu quiser ser… Não sei se essa que descrevi ainda serei eu daqui a uns cinco ou dez anos, mas acho que, por hora, consegui responder a essa questão que cismava em voar aqui dentro da minha cabeça.

Talvez agora eu devesse parar de pensar nisso e voltar para as aventuras de D. Pedro. Porque, sinceramente, não acho provável que minha professora me pergunte quem, no fundo, é Bruna Paiva…

 

Bruna Paiva

 

Siga @ADemaisblog  no Twitter

Curta a fanpage do Adolescente Demais no Facebook

Garimpando na Blogosfera – Dez posts que chamaram nossa atenção

Imagem: Reprodução

Imagem: Reprodução

Oii gente! Hoje vim para indicar e comentar alguns  links bem legais que eu encontrei nas últimas semanas. Além dos blogs que eu acompanho também gosto muito de pesquisar gente nova na blogosfera. Decidi compartilhar os 10 posts que eu mais gostei em alguns desses blogs. Todos eles são bem interessantes. Espero que vocês também gostem, mandem comentários  e ajudem a divulgá-los!

1 – DIÁRIO DE UMA ADOLESCENTE – “Querido Blog…” – Nesse texto a querida blogueira Daniela Nogueira, de Portugal, escreve uma carta a seu próprio blog, uma verdadeira declaração de agradecimento por tudo que passaram juntos. E no final ela ainda lança um desafio para outra blogueiras. Dani, A-D-O-R-E-I a ideia e vou tentar entrar na brincadeira haha. http://goo.gl/Qj34Wm

2 – CANTINHO DO NUNCA – “Se ela Soubesse…” – Linda declaração de amor de um homem para sua amada, em um blog bem recente que descobri em minhas pesquisas. Marina de Lamonica, parabéns e continue com os textos! http://goo.gl/hLtcEg

3 – OBSERVATÓRIO FEMININO – “Intercâmbio no Exterior” – Excelentes dicas postadas pelo OF sobre possibilidades de intercâmbio para os mais diversos orçamentos. Um beijo para as observadoras, em especial para a amiga Talita Correa http://goo.gl/37BSiB

4 – NO MATTER WHAT – “Permita-se…” – Nesse texto a gaúcha Lerissa Kunzler usa um discurso que eu gosto muito. O de que devemos aproveitar a vida e nos preocupar menos com problemas pequenos. http://goo.gl/r7uoTj

5 – MIRAGEM REAL -“O quase não é mais suficiente” – O texto forte da minha conterrânea Maria Carolina Araújo conta a história de uma mulher cansada de aventuras superficiais, de meias histórias, meias verdades, meias felicidades…AMEI  http://goo.gl/sZ1i4q

6 – COISAS FÚTEIS – “Onde Encontrar Fotos Legais para Posts” – Apesar do nome, o blog da querida Estefanie Ribeiro tem muuuita coisa útil e bacana. Como essa bela dica para blogueiras ilustrarem seus posts. http://goo.gl/VTbGGc

7 – CHÁ DE CALMILA - “Frases que todo blogueiro escuta” – Acredito que assim como eu, muitos blogueiros vão se identificar com esse post de Camila Lacerda. Um beijo para a turma do Mato Grosso do Sul. http://goo.gl/AnUqsc

8 – O ESTRANHO MUNDO DE THAYS – “Marcas” – Aqui a mineira Thays Martins, que também pertence ao clã dos Paiva (Hahah), faz uma declaração visceral de amor aos livros.  http://goo.gl/F5P0EI

9 – QUASE DE MANHÃ – “O que eu salvaria se minha casa estivesse pegando fogo” – Achei o texto da Isa interessante porque provavelmente minha lista seria bem parecida…http://goo.gl/HlKkgd

10 – SCRIPTURIENT – “Rabiscar palavras” – S. M. Adelino em uma emocionante declaração de amor à arte de escrever.http://goo.gl/L6v9X

 

Bruna Paiva

 

Siga @ADemaisblog  no Twitter

Curta a fanpage do Adolescente Demais no Facebook

Boas novidades para a terceira temporada do The Voice Brasil!

Imagem: Reprodução

Imagem: Reprodução

Oii gentee! Como vocês estão? Bom, eu estou super ansiosa. Com o que? Nessa semana volta ao ar, em sua terceira temporada, meu Reality Show brasileiro preferido: The Voice Brasil!

No ano passado eu acompanhei todos os episódios do programa. E torci loucamente por meu candidato favorito, o Sam Alves, que inclusive foi o vencedor da segunda edição! Minha paixão por música e por descobrir novos talentos faz com que eu seja completamente viciada no Reality.

A terceira temporada estreia nesta quinta feira, dia 18/09, e eu é claro não vou perder. Pesquisei e descobri que o programa sofreu algumas alterações. Na teoria gostei das mudanças, acho que na prática pode dar muito certo…

O time de Jurados continua o mesmo: Cláudia Leitte, Lulu Santos, Daniel e Carlinhos Brown. Mas, dessa vez, alguns dos assistentes que entram na segunda fase mudaram. Di Ferrero, do Nx Zero, e Dudu nobre entraram para os times de Cláudia e Lulu, respectivamente.

O apresentador Thiago Leifert nessa terceira temporada será acompanhado pela atriz Fernanda Souza. E o The Voice terá programas exclusivos na web!

E tem mais! Agora vai existir uma “Segunda Chance”, onde ex-participantes que não passaram nas audições às cegas dos anos anteriores poderão tentar mais uma vez. Ah, esse ano os candidatos podem ser menores de idade. A idade mínima para participação é 16, e não 18 como nas temporadas anteriores.

Estou muito, muito ansiosa para a estreia do The Voice Brasil. Amo o programa e tenho certeza de que, com todas as novidades, vai ser ainda melhor que os anteriores!

Bruna Paiva

Siga @ADemaisblog  no Twitter

Curta a fanpage do Adolescente Demais no Facebook

Aquela que morre de saudades de você…

Imagem: Reprodução

Imagem: Reprodução

Ei, oi, lembra de mim? Eu sou aquela que te deu colo quando foi preciso. Que estava sempre do seu lado. E que passava horas no telefone com você. Aquela a quem você confiou seus segredos, lembra?

Sou aquela que você fazia rir em todos os momentos. Aquela que você ajudou pra caramba, a propósito. Sou aquela que te defendeu de todo mundo, até mesmo quando você tava errado. E aquela por quem, eu sei, você fez o mesmo.

É, também fui aquela que vacilou feio com você. Aquela que quebrou sua confiança uma vez… talvez duas. Acho que você se lembra. Sou aquela que desesperada te pediu desculpas com medo de te perder. Aquela a quem você perdoou, talvez com o mesmo medo de perder…

Mas também sou aquela com quem você nunca mais foi o mesmo. Ah vai, você mudou. E eu não te culpo por isso. No fundo foi só o que eu plantei… Mas seria meio hipócrita dizer que eu não sinto falta.

Antes que eu começasse a estragar tudo, você foi uma das melhores pessoas que já passou pela minha vida. E nos últimos tempos tenho acreditado que o destino te colocou nela justamente por isso.

Você chegou num dos momentos mais difíceis. Estava tudo complicado e você me ajudou a descontrair. Acho que precisava da sua ajuda para lidar com o que, sozinha, eu não conseguiria nunca.

Do jeito que você é deve estar achando tudo isso a maior bobagem. Mas tenta me levar a sério dessa vez, ok? Realmente acredito no que estou dizendo. E queria te agradecer. Obrigada de coração, por tudo.

Sei que você se lembra. E sei que também fui importante pra  você. Só queria que soubesse que ainda sinto sua falta…

E,se depois de ler isso, bater em você a mesma saudade que bateu em mim, sei lá, me liga. Dá um jeito de tudo voltar a ser como era antes entre a gente… Porque eu não queria que você fosse só alguém passageiro na minha vida.

Bruna Paiva

Siga @ADemaisblog  no Twitter

Curta a fanpage do Adolescente Demais no Facebook

O que toca na minha Playlist?

Imagem: Reprodução

Imagem: Reprodução

Algumas pessoas me perguntam se passo o dia inteiro ouvindo apenas as música dos meus ídolos. Se meu celular só toca Jonas, Fiuk ou Restart… Gente, ninguém escuta só a música dos seus ídolos.

É claro que eles estão em grande escala na minha playlist. Mas eu sempre fui meio de Lua com música. Não consigo definir minha preferida. Tenho a música de momento, mas nunca uma única favorita. Vou mudando a Playlist todo mês e AMO conhecer músicas e bandas novas.

Minha playlist deste mês de Setembro está muito legal. Então decidi compartilhar ela aqui com vocês… Dá o play e se joga porque a vibe tá muito boa!

Bruna Paiva

 

Siga @ADemaisblog  no Twitter

Curta a fanpage do Adolescente Demais no Facebook

Adeus, amor, pra mim já deu

escrevendo-cartaNa calçada em frente ao prédio, o corpo era analisado pela polícia. O jovem homem não sobrevivera ao impacto. À sua volta, uma poça de sangue contrastava com a pele clara sobre o asfalto. Em uma das mãos, o punho semicerrado ainda guardava uma foto. Uma foto de si mesmo abraçado a uma bonita jovem que, segundo curiosos que se aglomeravam no local, seria sua namorada.

Chocados, os vizinhos não conseguiam entender o que acontecera. Às três horas da madrugada ouviram um barulho muito forte e logo depois os gritos do porteiro. Ao descerem, se depararam com a cena. Especulavam sobre qual seria o motivo de um possível suicídio para aquele homem que sempre pareceu tão feliz ao lado de sua companheira.

E a mulher, onde estaria àquela hora da madrugada? Se o jovem casal nunca se desgrudava, por que ela não se encontrava no meio da aglomeração? Estaria bem? No apartamento? Teria o homem de fato se jogado do oitavo andar? As dúvidas eram muitas entre as testemunhas daquela tragédia.

A perícia chegou e então subiram até o 802, apartamento do casal. Ao entrar no pequeno quarto e sala, encontraram uma espécie de ritual de despedida. Velas acesas por toda parte, alguns móveis fora do lugar e gavetas reviradas. Nas paredes, muitas fotos. Imagens de um casal de adolescentes que parecia ter crescido junto. Centenas de fotos exibindo a felicidade dos dois, ou apenas exaltando a beleza da jovem, cobriam toda a extensão das paredes da sala e corredores.

No painel principal da sala, as fotos unidas formavam uma mensagem:

Adeus para sempre.
Do seu eterno amor.

Ao lado daquela despedida, na outra parede, a janela escancarada e um banco em sua base  compunham o ambiente. Não havia mais ninguém no apartamento. Porém, os policiais continuavam
procurando pistas e verificando cada pequeno canto em cada cômodo.

Sobre a mesa da cozinha, mais velas e duas taças. Apenas uma delas parecia ter sido usada, com vinho tinto pela metade. Como se ali tivesse ocorrido um brinde solitário.

— Venham ver isso aqui — chamou o policial Eduardo.

Quando os outros chegaram ao quarto do casal, encontraram porta-retratos quebrados, porém sem fotos. Os armários estavam revirados, roupas masculinas e álbuns fotográficos haviam sido espalhados
por toda parte. As paredes brancas traziam mensagens e juras de amor eterno, escritas em tinta vermelha.

Em cima da cama desarrumada via-se um envelope. Ao lado dele, a seguinte carta:

“Oi, sei que deveria fazer isso pessoalmente, mas você sabe que eu sempre me expressei melhor escrevendo. Falar não é muito a minha praia. Você me conhece bem.

Quando estiver lendo esta carta eu pretendo já estar bem longe de casa. De preferência onde você não possa me encontrar. Creio que a nossa relação foi tão transtornada para você quanto foi para mim. Nos últimos tempos eu te temia mais do que amava.

Ok, não dá para ser tão hipócrita e alegar que foi tudo completamente ruim. Você foi meu primeiro amor. O primeiro cara que eu amei de verdade. Minhas primeiras experiências foram com você. Eu te amei tão intensamente…

Um amor que começou precocemente. Com quatorze anos eu já tinha certeza de que você era o homem da minha vida. E sabe, poderia ter dado certo. Poderia ter sido para sempre, como juramos
desde o início. Porque o nosso amor era lindo, uma relação bonita de dois jovens que se amavam incondicionalmente.

Só que o seu amor, em algum momento, se transformou num sentimento diferente. Uma necessidade doentia de me controlar, de me prender somente para si. Você dizia que era ciúme normal de qualquer namorado, mas o seu ciúme era diferente. Aquilo não podia ser normal. Mas eu acatava.

Eu cedia e fazia do jeito que você queria, porque sempre te amei demais. Foi então que, sem me dar conta, comecei a abrir mão da minha liberdade. Troquei tudo e todos de quem eu gostava por você. Meus amigos foram banidos de vez da minha vida…

Ainda revivo a dor que senti em seu primeiro grande escândalo. O primeiro de outros incontáveis. O fatídico dia em que você se descontrolou porque eu dançava com meu primo na festa de casamento da minha irmã. Todos os convidados pararam para assistir ao circo que você armou. E ali, comecei a romper com a minha família também. Briguei com todo mundo te defendendo. O meu primo, eu nunca mais vi. E a minha irmã não fala comigo até hoje. Diz que eu acabei com a festa do casamento dela. E quer saber? Ela não tá errada.

Mas mesmo assim, mesmo com todos os escândalos e vergonhas que você me fazia passar, eu te amava. E te amava demais. A gente vivia tanta coisa boa… Eu morria de medo de perder aquilo que tínhamos. E hoje percebo que você sabia disso. Sabia e se aproveitava do meu medo, do meu amor, para me manipular. Meu Deus, como fui idiota.

Quantas vezes eu te pedi para confiar em mim? Quantas vezes eu pedi para que tratasse sua doença? Só que você nunca me ouviu. Nunca sequer tentou mudar por mim. Enquanto eu sempre mudava tudo por você. Só que chegou uma hora em que as coisas ruins se sobrepuseram às boas.

O que você fez ontem foi pior do que qualquer outra coisa que você já tenha feito antes. Ser trancada em um quarto, mantida em cárcere privado e impedida de atender a um chamado do meu próprio pai é realmente demais para mim.

Eu só queria me encontrar com o meu pai e você me tratou como uma prisioneira. Agrediu-me física, moral e verbalmente por um motivo tão estúpido. Não foi por esse cara violento e imprevisível que eu me apaixonei. E que amor é esse que você diz que sente? Que amor doentio é esse que constituiu nossa relação?

Deve ter percebido que uso o passado para falar da nossa relação. E também deve ter percebido que foi proposital. Não somos mais tão novos, e eu não quero mais me permitir entender e aturar o que aturava antes.Quero ter direito a ter os meus amigos de volta. Falar com eles e abraçá-los na hora em que eu bem entender. Quero voltar a ter uma relação saudável com a minha irmã, voltar a falar com o meu primo… Quero sair na rua sem me preocupar com o que você vai pensar. Gastar meu dinheiro com o que eu quiser.

Cansei dos seus ataques de histeria a cada oi masculino que eu recebo. Cansei de seus escândalos. Cansei de passar vergonha na rua por sua causa. Cansei de abaixar a cabeça para todas as suas babaquices. E se te interessa, já tirei meus shorts e saias curtas do fundo da gaveta. Não quero mais ter você para controlar o que visto, o que falo, o que faço e o que penso.

Já voltei a usar o batom vermelho e chamativo que você me proibia. E meus olhos estão bem marcados do jeito que você não me deixava usar. Meu piercing está de volta ao nariz. E meu cabelo? Vou fazer aquele corte lindo que você, careta, sempre achou ridículo.

Não dá mais pra mim. Eu não quero e não consigo mais abdicar de tudo do que gosto e sou por você. E acho que nem te amo mais tanto assim. De agora em diante você não vai mais fuxicar minhas mensagens e cada passo que eu dou nas redes sociais. Nem mexer na minha bolsa ou no meu armário às escondidas.

Minhas chaves de casa estão na mesa de cabeceira. Estou indo embora e levando comigo os meus pertences, minhas lembranças, meus arrependimentos e principalmente a minha vida. Se me permitir uma primeira e última exigência, não me procure mais. Não procure saber onde estou. Deixe-me viver minha vida em paz.

E quer saber? Viva a sua também. Vá se tratar, arranje outra pessoa, alguém que não se incomode com seus defeitos. Alguém que, quem sabe, até goste deles. Que não se importe com você controlando cada segundo da vida dela. Porque, como você mesmo dizia, pra mim já deu.

Adeus para sempre.
Do seu ex-amor.”

 

Bruna Paiva

*Texto originalmente publicado no livro “Amor nas Entrelinhas”, da Editora Andross, em Agosto de 2014.

 

Siga @ADemaisblog  no Twitter

Curta a fanpage do Adolescente Demais no Facebook

 

Seis Anos Depois – o livro de Harlan Coben roubou minha vida social!

Seis-Anos-Depois-Harlan-CobenU-A-U! Foi exatamente o que disse ao ler as últimas palavras de “Seis Anos Depois”. Não tem como falar da nova obra de Harlan Coben usando outra expressão. O livro, publicado no Brasil pela editora Arqueiro, é um suspense irresistivelmente viciante desde a primeira frase.

“Sentei-me no último banco da igreja e fiquei assistindo à única mulher que amaria na vida se casar com outro homem.” Essas são as 21 primeiras palavras de “Seis Anos Depois”. E foram elas que me convenceram a comprá-lo.

Querido Harlan, você conseguiu acabar com minha vida social enquanto eu lia. Toda a minha interação com outros seres humanos se resumia à frase “Só deixa eu terminar mais esse capítulo, ok?”

Não é a toa que o livro está literalmente vendendo que nem água. O meu exemplar, pra vocês terem uma ideia, era o último de uma Saraiva Mega Store!

“Seis Anos Depois” é o tipo de livro que te surpreende a cada página. Nada é do jeito que você imagina. Nada é dedutível. A história é completamente imprevisível da primeira à última página e isso a torna mais interessante a cada parágrafo.

As surpresas eram tantas durante a leitura que em determinado momento eu desisti de especular. Apenas me entregava à maneira divertida e bem escrita com que os capítulos eram contados pelo protagonista. Alguns momentos de interação com o leitor dão um toque muito especial à narrativa…

Jake Fisher conhece Natalie Avery durante um verão. Eles estavam em retiros, o dele para escritores e o dela para artistas. Os dois se apaixonam e passam, juntos, os melhores meses de suas vidas.

O que acontece é que, para decepção de Jake, Natalie decide romper com ele e se casar com um ex-namorado, aparentemente do nada. No dia da cerimônia ela faz Jake prometer que vai deixá-los em paz e nunca mais vai procurá-la.

Por amor, ele cumpre a promessa… Durante seis anos. Até que um dia encontra o nome do marido de Natalie, Todd, no obituário. Jake , então, decide quebrar a promessa que fez à amada e procurá-la. Porém, chegando ao enterro de Todd, para sua surpresa, a viúva não é Natalie. E logo depois Jake descobre que o casamento a que assistira seis anos antes não passara de uma farsa.

Agora, mais do que nunca, ele está decidido a encontrar Natalie. Mas não tem nem ideia de como pode ser perigoso vasculhar o passado de alguém que não quer ser encontrado.

A história parece interessante? Não é só aparência. Sem exagero nenhum, posso afirmar que é um dos melhores livros que li nos últimos tempos. E com certeza já está entre meus favoritos.

Harlan Coben venceu diversos prêmios literários, e suas obras já foram traduzidas para mais de 40 línguas. Na frança, ele é conhecido como “mestre das noites em claro”, e não é a toa, viu? Perdi algumas horas de sono sem conseguir me desprender da história…

“Seis Anos Depois” foi o primeiro livro de Coben que eu li, mas já estou absolutamente ansiosa para ler as obras anteriores desse autor americano…

Bruna Paiva

 

Siga @ADemaisblog  no Twitter

Curta a fanpage do Adolescente Demais no Facebook

As vantagens de se estar doente

Índice

Quem lê esse título deve achar que eu sou algum tipo de hipocondríaca maluca. Mas juro que não!

Sabe essa virose que tem atacado todo mundo nos últimos meses? Pois é, ela também chegou até mim. E junto com ela vários sintomas chatos e doloridos. Além, é claro, de fazer com que eu perca minhas noites de sono e aulas de dança.

Mas sabe aquela história de olhar pelo lado bom das coisas? Isso mesmo, bem clichê e bem Pollyanna… Pois é, parei para pensar no lado bom de estar de cama e me sentindo mal. Parece loucura? Pois eu tenho certeza de que vai se identificar com algum dos itens…

  1. Ninguém liga se você falar alguma besteira ou se confundir, afinal, tadinha, ela está doente, dá um desconto vai…
  2. É liberado dormir horas e horas sem compromisso com a realidade…
  3. Todo mundo fica preocupado com você. E se seu desejo for algo que só existe na China, alguém tenta ir buscar para te fazer feliz…
  4. Sua mãe faz tudo pra você. Todas as suas vontades, as comidas que você gosta, e dependendo do seu estado, até deixa você comer na cama enquanto assiste a um filme… Isso não aconteceria se estivesse em perfeito estado.
  5. O controle remoto da TV passa a ser instantaneamente seu. Seu irmão caçula não tem nem chance de tentar assistir aqueles desenhos irritantes…
  6. Eu, pelo menos, fico mais criativa. Não sei se porque sou meio exagerada e acho que a morte está perto e preciso ter boas idéias com urgência…
  7. Nada é culpa sua, afinal, você está doente…
  8. Todo mundo entende se você estiver descabelada, sem maquiagem ou se sua roupa não estiver combinando.
  9. Não precisa fazer a cama, o quarto fica bagunçado e mesmo assim ninguém reclama com você.
  10. Quando a dor de cabeça dá um tempinho, pode passar o resto do dia mexendo no celular sem que ninguém mande você sair da internet.

 

Bruna Paiva

 

Siga @ADemaisblog  no Twitter

Curta a fanpage do Adolescente Demais no Facebook

Reencontro

te-perdi-agora-vivo-de-SONHOSVocê. Mais uma vez você. E quando eu quase já nem me lembrava de sua existência. Apareceu no lugar mais improvável para te encontrar. Te vi ali e incrivelmente, mesmo depois de três anos, meu coração bateu mais forte.

Foi meio estranho não conseguir me controlar. Afinal, já faz tanto tempo, né? Achei que já não sentia mais nada por você. Aliás, já tinha certeza disso. Mas comigo as coisas nunca são tão fáceis assim.

Fiquei tão chocada em te ver que nem percebi quando você se aproximou.

— Fabiana! Quanto tempo! Você está bem?

Sim, era comigo que você estava falando. Com três anos a mais o seu sorriso conseguia estar ainda mais sedutor. E o brilho de seus olhos castanhos ainda me causava tontura.

—Oi… – foi apenas o que consegui dizer com uma voz que custou a sair. Será que você ainda se lembrava de tudo o que aconteceu?

—O que faz por aqui?

Cheguei a pensar numa resposta verdadeira, mas reparei que você mudou o corte de cabelo. O vento também me fez perceber que seu perfume ainda era aquele que eu adorava.

—Estou só de passagem – menti. Mas não era assim que eu queria um diálogo com você. Mesmo depois de tanto tempo, percebi que ainda havia uma esperança em meu coração. Bolei uma pergunta legal para engatar uma conversa interessante. Mas me detive quando bati os olhos em suas mãos.

No dedo anelar da mão direita, uma aliança dourada refletia o sol do meio dia. Me peguei pensando em que outra mão estaria o seu par. Não pude conter o desejo de que fosse a minha. Continuei ali com aquela cara de idiota olhando para o seu sorriso e seus olhos estonteantes.

—Tenho que ir, Tchau. Foi bom te rever, Fabi!

—Thc.. Tchau… Foi ótimo te ver também!

Você passou por mim, deixando-me ali, de olhos fechados ao sentir seu perfume novamente. E eu te deixei escapar. Sem nem um “espera!” ou qualquer coisa parecida com cenas de filmes. Mais uma vez você se foi e eu não fiz absolutamente nada para te impedir.

Bruna Paiva

 

Siga @ADemaisblog  no Twitter

Curta a fanpage do Adolescente Demais no Facebook

 

Novas Capas de “Quem é você Alasca?”

As capas novas: da esquerda para a direita, "Brochura", "Capa Leitor" e "Quadrinhos"

As capas novas: da esquerda para a direita, “Brochura”, “Capa Leitor” e “Quadrinhos”

Um dos meus livros preferidos é “Quem é você Alasca?” do John Green. Essa foi a primeira obra publicada pelo autor. E, em 2010, foi lançada no Brasil pela Editora Martins Fontes. Porém, em maio de 2014 a editora Intrínseca, que tem os direitos de todos os outros livros de Green, conseguiu o direito de “Quem é Você, Alasca?”

A edição nova, pela Intrínseca, será lançada em Setembro. E como forma de despedida, a Martins Fontes, antiga editora, lançou, neste mês de Agosto, capas e edições diferentes de “Quem é você Alasca?”. E eu amei as capas novas! Fiquei com vontade de comprar todos!

A que eu mais gostei foi a edição “Capa Leitor”, que foi escolhida em uma votação pelos próprios leitores. Além dessa, tem edição “Quadrinhos”, edição “Brochura” e uma versão em capa dura da antiga edição que era ilustrada por uma flor branca num fundo preto.

E você, de qual versão gostou mais? Já leu “Quem é Você, Alasca?”? Confira a resenha que fiz no blog clicando aqui.

Beijos

Bruna Paiva

 

Siga @ADemaisblog  no Twitter

Curta a fanpage do Adolescente Demais no Facebook