Um adeus que eu não quero dar

formandos-3

Odeio dilemas. Não saber o que fazer, o que falar, o que sentir. Entretanto, estou num ano em que um dilema é parte integrante da minha vida. Seis meses. Em seis meses tudo muda. Em seis meses darei adeus a um lugar de que muita gente reclama de ter que frequentar. Você já reclamou, e eu? Prefiro nem comentar… Estou falando da escola.

Aliás, no início deste ano, reclamação era meu nome do meio. Chega uma hora em que escola satura. Ainda mais quando você já sabe o que quer fazer da sua vida. Juro que, em março, a cada aula de química, física e matemática eu tinha vontade de me jogar do prédio.

Mas a ficha caiu. Para falar a verdade, ela despencou. Olhei de um lado para o outro daquele lugar em que passei toda a minha adolescência e percebi que daqui a seis meses vai ser a hora de dar adeus. Pela primeira vez na vida não vi isso com bons olhos. Qual é, quem nunca quis se livrar da escola de uma vez por todas? Eu sempre!

Mas de repente o desejo era o contrário. Apesar de eu ainda querer me jogar pela janela quando os números aparecem no quadro negro, queria que os próximos seis meses, passassem menos rápido do que os seis que já foram. Venho tentando preparar meu psicológico para o último dia de aula. Mas a cada vez que penso que vai acabar, as lembranças vêm e trazem as lágrimas. Sim, sofro por antecipação.

Pode parecer besteira para quem não vê a hora de sair de lá. Mas quem já passou por isso provavelmente me entende. Nunca mais vou ver todas aquelas pessoas reunidas novamente. Vou acordar de manhã e não precisarei do uniforme azul. Não vai mais ter o Seu Zé me dando bom dia, enquanto eu entro com cara de sono pelo portão. O pátio, onde várias das lembranças de minha adolescência vivem, será apenas mais uma recordação.

A fila sufocante da cantina, provavelmente vai ser substituída por vários outros sufocos. Os amigos vão ser vistos com menos frequência e não vai mais ter miniolimpíada. Aquele medo de ir para o SOE se fizesse besteira e as bagunças no intervalo entre as aulas. Nem vou mais ter que reclamar de tantos números e fórmulas.  Ah vai, no fundo era legal quando eu conseguia entender matemática.

A escola é um dos poucos lugares que você frequenta por um tempo e nunca mais pode voltar; não na mesma situação, não no mesmo clima. Sempre debochei das pessoas que diziam “não reclame dela, um dia você vai sentir saudades”, hoje me vejo bem do outro lado da situação. Estou com saudades pelo que nem aconteceu ainda. Esperado que os dois últimos trimestres passem bem devagarzinho para que eu possa me despedir.

É maravilhoso encerrar uma etapa da minha vida. Ao mesmo tempo, vai ser incrivelmente difícil dar um passo a frente e jogar o capelo para o alto sem deixar que as lágrimas de saudade estejam presentes.

Bruna Paiva

 

Siga @ADemaisblog  no Twitter

Curta a fanpage do Adolescente Demais no Facebook

Siga @ademaisblog no Instagram

Favoritos do mês – os posts mais legais de Julho

Olá, pessoal!

Faz tempo que eu não indico posts para vocês, não é? Quero voltar a fazer isso, mas agora todo mês. Isso mesmo. A partir de agora, ao fim de todo mês eu vou contar para vocês quais foram os meus posts preferidos e em quais blogs.

No mês de julho, eu estive de férias, então, deu para ler e assistir a mais coisas. Separei para vocês os 10 posts e vlogs mais legais que eu encontrei por aí. Espero que gostem!

 

Buzzfeed Brasil avalia masterchef

2masterchefbastidoresdanibargterra

Masterchef Brasil: o reality show que tem deixado todo mundo morrendo de fome às terças-feiras. Se você ainda não conhece, não sabe o que está perdendo. O programa conta com três jurados: os chefs de cozinha Henrique Fogaça, Paola Carosella e Erick Jacquin. Quem assiste sabe como os três são exigentes e, por vezes, cruéis com os concorrentes. Sabendo disso, o blog Buzzfeed Brasil resolveu ir e avaliar os restaurantes de cada um dos chefs. O resultado é incrivelmente divertido. Confiram clicando aqui!

Vídeo de 5 anos de 5incominutos

11809675_154165541581099_777746127_n

O canal 5incominutos da linda Kéfera Buchmann está fazendo 5 anos! Coincidentemente, há algumas semanas, ela comemorou por ter atingido 5 milhões de inscritos no canal. O editor da Kéfera, resolveu fazer uma surpresa para a vlogueira para comemorar todos os 5 do 5incominutos. Ele preparou uma homenagem no maior estilo Arquivo Confidencial e eu juro que chorei junto com a homenageada. Se você, como eu, acompanhou a jornada da Kéfera no Youtube, com certeza vai se emocionar. Se não, também vai ser contagiado pela emoção que o vídeo passa. Assistam aqui!

 

Livros favoritos dos autores – Isabella Freitas

04-Livros-Favoritos-Isabela-Freitas-James-Patterson

O post é da Mariana Mortani, do Magia Literária, que agora também é colunista no blog Isabella Freitas. Ela contou quais são os livros preferidos de alguns autores famosos. Achei incrível, por exemplo, descobrir o favorito de John Green, que é autor do meu favorito. J.K. Rowling, Gillian Flynn, Thalita Rebouças, Jane Austen, Mathew Quick e muitos outros também estão na lista. Confiram clicando aqui!

Nossas Diferenças e Os cinco– Precisava Escrever

Minha foto com ele porque sim!

Minha foto com ele porque sim!

Não é segredo por aqui que eu amo os textos do Rafael Magalhães. Minha paixão pelo Precisava Escrever já contagiou várias amigas também. Tinha escolhido um texto qu ele postou no início do mês: Os Cinco. Mas, enquanto eu escrevia esse post, ele postou outro que me conquistou. Cortou meu coração ter que escolher entre eles. Então, eu não escolhi. Coloquei os dois aqui na seleção.

Em Os Cinco, o Rafa define as cinco opções de status de relacionamento. Com humor e leveza, ele faz a gente se questionar em que grupo está e se realmente queria estar nele… Leiam clicando aqui!

Já em Nossas diferenças, ele narra a história de um casal que tem “ tudo para dar errado”. Eles são completamente diferentes, mas se amam loucamente. O texto é lindo. Cliquem aqui para ler!

Iris Figueiredo entrevista John Green

iris-john-green-entrevista

A Iris do Literalmente Falando teve a incrível oportunidade de entrevistar o John Green. O autor de diversos sucessos literários esteve no Brasil para a estreia de Cidades de Papel. E a Iris conversou com ele em nome da Editora Intrinseca. A entrevista ficou super divertida e eu amei. Um dos momentos mais legais foi quando ela perguntou em que casa de Hogwarts John colocaria seus personagens.  Assistam clicando aqui!

Tag Divertida mente – Pam Gonçalves

hqdefault (1)

A Pam postou uma tag que eu curti demais! A tag consiste em escolher livros que remetam aos sentimentos explorados no filme Divertida mente. É um filme que eu ainda não assisti, mas tenho muita vontade pela quantidade de críticas boas que já ouvi. E a tag só me fez querer assistir mais ainda. Sempre super divertida a Pam fala de vários livros bem legais. Assista aqui.

Cobertura do festival de Joinville – Canal Cinco6Sete8

photo

Há pouco tempo descobri esse canal e amei. As meninas falam sobre ballet e dão dicas super legais. Agora, elas estão no festival de Joinville, o maior festival de dança do país, mostrando todos os detalhes para quem não pôde estar lá. A cobertura está muito legal. Confira aqui!

Segredos do Youtube – Fatos desconhecidos

1546419_625144104205956_1614387651_n

Você sabia que o Youtube disponibiliza vários clássicos do cinema em uma locadora virtual gratuita? Ou como baixar seus vídeos favoritos sem usar nenhum programa? Ou ainda como assistir aos vídeos de lá em câmera lenta? O blog Fatos Desconhecidos contou várias coisas que eu não fazia nem ideia sobre o Youtube. O post é super interessante e eu estou louca para usar o que aprendi. Leia aqui!

 

 A pessoa certa na hora errada? – Aham e daí

luisguilherme

O blog Aham, e daí é do Luís Guilherme Souto. Eu adoro os textos dele e o que eu mais gostei no mês de Julho foi o “ A pessoa certa na hora errada?” em que ele diz que não tem essa de uma pessoa certa aparecer na hora errada. Se é a pessoa certa, qualquer hora é certa. Eu concordei em gênero, número e grau com ele. Adorei o post e você pode conferir clicando aqui!

 

Siga @ADemaisblog  no Twitter

Curta a fanpage do Adolescente Demais no Facebook

Siga @ademaisblog no Instagram

Em um dia tudo pode mudar

SAM_0321Já pensou em quanta coisa pode acontecer em 24 horas? Parece pouco, mas é tempo suficiente para mudar sua vida para sempre. E é exatamente isso que acontece com Allyson Healey no livro Apenas Um Dia.

Durante uma viagem de formatura com sua melhor amiga, Allyson conhece Willem. O ator, que chama a atenção da menina, é incrivelmente diferente de tudo o que ela já havia feito durante a viagem, que não estava tão boa quanto o planejado. Quando ele a convida para passar um dia em Paris em sua companhia, a menina fica desconcertada. Mas acaba aceitando e implora pela cobertura de sua amiga na mentira.

Allyson e Willem passam 24 horas em Paris. E esse único dia transforma a vida da menina para sempre.

A narrativa é inteira no presente, e a autora, Gayle Forman, consegue colocar o leitor dentro da história. Durante a leitura, pude jurar que estive em Paris. Para quem sonha com a cidade, é uma ótima maneira de chegar lá, e ainda acompanhar uma história de amor. A personagem principal tem uma vontade de mudança que contagia. A relação conturbada com os pais só alimenta a vontade do leitor de pegá-la pela mão e ajudar em seus objetivos.

Gayle Forman também é autora do best-seller Se Eu Ficar, que virou filme em 2014. Apenas  Um Dia me conquistou porque me identifiquei com Allyson Healey, e, principalmente, porque não sei se teria a mesma coragem da personagem. O livro traz romance, mistério, angústia, humor, fala sobre laços que se desmancham, amizades que mudam com o tempo, amizades que não se imaginam e tudo isso de forma harmônica.

É uma história empolgante que me fez ansiar por ler a continuação, Apenas Um Ano, publicado em 2015 pela editora Novo Conceito. O primeiro livro me levou para uma viagem e me apresentou personagens incríveis. Espero que a continuação seja tão ou mais eletrizante.

Bruna Paiva

Siga @ADemaisblog  no Twitter

Curta a fanpage do Adolescente Demais no Facebook

Siga @ademaisblog no Instagram

Um programa para Meninos e Meninas

meninosemeninas2Quem me conhece sabe que eu sou apaixonada por teatro. Sou louca por uma boa peça e amo a magia que aquele lugar tem. É muito comum escutar que o jovem não gosta dessa arte, mas tenho visto esse cenário mudar há alguns anos.

WP_20150124_010

Com o Eduardo Mello, de I Love Paraisópolis, em janeiro

Peças voltadas para o público adolescente têm crescido e, cada vez mais, levam os jovens ao teatro. Sempre que eu descubro alguma nova, corro para assistir. Contei aqui no blog sobre Confissões de Adolescentes e, claro, minha queridinha, Tudo Por Um Popstar.

Com o fofo do Gabriel Portela

Hoje vim falar sobre uma peça que eu já devia ter contado para vocês há tempos. O espetáculo, em cartaz há mais de um ano, é imperdível e já foi visto por muita gente. Estou falando de #MeninoseMeninas. Ainda não assistiu? Meu Deus, corre para o teatro A-GO-RA.

A peça é uma espécie de confissões de adolescentes mesclando os dois sexos. Fala sobre tudo: amor, insegurança, bullying, fanatismo, e muitos outros temas presentes na vida de qualquer um nessa fase. Histórias contadas com muito humor, música boa e dança. É uma hora de diversão e não tem como não se identificar com pelo menos um personagem.

Com a Maddu Magalhães!

#MeninoseMeninas passou mais de um ano em cartaz no Shopping da Gávea. Eu assisti em janeiro e amei o musical. Em julho de 2015 eles estrearam no Teatro Miguel Falabella. Quando soube que a peça estava em cartaz tão perto da minha casa, resolvi assistir de novo e arrastar uma amiga. Resultado? Adorei, mais uma vez.

Com o Bruno Ahmed, que fez Rebelde

A cada temporada o elenco sofre mudanças. Um dos motivos para eu ter ido assistir de novo foi saber que a Maddu Magalhães (Youtuber, conheça o canal dela) entrou para a equipe! Eu adoro a Maddu e não podia perder a oportunidade de vê-la de perto. Além dela, a peça conta com um elenco super talentoso com atores como Gabriel Portela, Bruno Ahmed, Eduardo Mello, Larissa Bougleoux, Eike Duarte, Vitória Vianna, Bruna Griphao, Matheus Costa  e muitos outros. Pois é, o elenco é enorme…

Eles ficam em cartaz no Miguel Falabella, no Norte Shopping, até o fim das férias de julho, de quinta a domingo. Se você está em casa sem saber como aproveitar o descanso escolar, apareça por lá. Acredite: não vai se arrepender.

Beijos da Bru

 

Siga @ADemaisblog  no Twitter

Curta a fanpage do Adolescente Demais no Facebook

Siga @ademaisblog no Instagram

Feliz por estar morta

hqdefaultEla cortava o cabelo, mas saía do salão pesquisando técnicas para fazê-lo crescer mais rápido. Queria ser estilosa e inovar no visual, mas as combinações de roupas eram sempre as mesmas. Reclamava de falta de sorte no amor, mas insistia no mesmo cara há quase dois anos.

Ela estava de saco cheio das pessoas ao seu redor, mas não tentava frequentar lugares diferentes. Nunca ousava trocar palavras com quem não conhecia. Queria ser amiga do ex-namorado, deixar toda a mágoa para trás. Mas fingia que não via toda vez que ele passava. Dizia que precisava de mudanças, mas fazia tudo sempre igual.

Ela era chata, reclamona, cansativa. Ela foi assassinada à sangue frio. A assassina não se arrepende, não teve dó de matar o passado sem graça. Depois da morte brutal, a assassina abriu o armário e combinou a calça rosa com o casaco brilhoso. Olhou-se no espelho e arriscou um penteado diferente.

Então pegou o celular e discou o número do ex-namorado de sua vítima. Mandou a real:  “Saudades de você… Posso te ver?”. Ele não esperava tal atitude, mas compartilhava do mesmo desejo. A assassina saiu de casa e se matriculou num curso de dança.

Foi para uma balada em que não conhecia ninguém e dançou com pessoas desconhecidas. Ligou para o melhor amigo e pediu para ele apresentar aquele amigo dele que ela sempre achou um gato. Descobriu uma banda nova. E, quem diria, ela ouvindo sertanejo?

A assassina fez o que quis com o corpo que roubou. Não se arrepende de nada. A morta olhou de fora, se arrependendo de não ter tido a coragem da outra. Agradeceu pelo assassinato, ficou feliz por estar morta.

Bruna Paiva

Siga @ADemaisblog  no Twitter

Curta a fanpage do Adolescente Demais no Facebook

Siga @ademaisblog no Instagram

10 filmes que mudaram a minha vida

Sabe aquele tipo de filme que mexe com você de um jeito que não dá nem para explicar? Comigo acontece sempre. Alguns filmes realmente fizeram a diferença no meu jeito de ver o mundo. Resolvi fazer uma listinha e contar para vocês 10 filmes que mudaram a minha vida. Aproveitem as férias que estão chegando e assistam, não vão se arrepender! Ah, muitos deles estão disponíveis no Netflix.

  • Ponte para Terabítia

Precisei pausar o filme para recuperar o fôlego depois de tanto chorar. “Ponte para Terabithia” é um filme que passa a impressão de ser destinado a crianças, mas a filosofia por trás da história é profunda demais. O filme fala de amor, amizade e da importância de se dar asas à imaginação. Uma das frases que eu mais amo nele é “Feche os olhos e deixe a mente bem aberta”

 

  • Um Ato de Coragem

Um menino precisa de um transplante de coração urgente. Como as coisas começam a se complicar no hospital e ninguém dá muita atenção para o caso do menino, seu pai toma uma atitude extrema. Ele sequestra uma ala do hospital e diz que só liberará os reféns quando seu filho receber o transplante.

Um filme que, com um enredo original, fala de esperança, faz uma crítica às listas de espera de transplantes de órgãos e, principalmente, retrata o amor incondicional de um pai por seu filho. Ufa! “Um Ato de Coragem” mostra que qualquer um pode cometer loucuras quando não vê outra saída. O filme tira o fôlego e te deixa num dilema terrível quanto a defender ou não o protagonista quando ele começa a passar dos limites. (Tem no Netflix)

 

  • Uma Prova de Amor

Depois de descobrirem que sua filha, aos dois anos de idade, sofre de leucemia, os pais aceitam uma ousada proposta médica: gerar um feto geneticamente programado para ser compatível com a irmã. Onze anos se passam e a filha mais nova já sofreu diversas cirurgias de doação para a irmã. Até que toma uma decisão tão ousada quanto a de seus pais: ela os processa pedindo emancipação médica, para que possa fazer de seu corpo apenas o que quiser.

Prepare-se para chorar do início ao fim. Sem exagero algum, não dá para segurar as lágrimas em nenhum momento dessa história. O espectador entra no dilema dos personagens e não tem como não levantar questões como até onde a ciência deve ir? E qual o limite para salvar alguém? (Tem no Netflix)

 

  • Um Olhar do Paraíso

Uma menina de 14 anos é assassinada brutalmente e ninguém encontra um culpado. Os anos se passam e o espírito dela continua a rondar sua casa e família querendo se vingar do assassino. O impasse da menina que não consegue aceitar a própria morte faz qualquer um pensar melhor antes de reclamar da vida. Não damos valor ao que temos até perdermos. O filme me deixou tão chocada que eu não consegui sequer chorar. A última frase ecoa em minha cabeça até hoje “Meu nome é Suzie Salmon fui assassinada quando tinha 14 anos. Desejo a todos vocês uma vida longa e feliz” (Tem no Netflix)

  • A Gang está em Campo

Já imaginou um time de futebol americano formado por detentos? Bom, esses são os Mustangs. Quando um ex jogador de futebol americano resolve treinar presos para o campeonato estadual, ninguém dá muito crédito. A história é um exemplo de que superação é uma questão de correr atrás de seus objetivos. Não tem como não se emocionar ou não torcer para os Mustangs. Todos podem se recuperar e aprender a ser pessoas melhores, basta que lhes sejam mostrados caminhos diferentes. (Tem no Netflix)

 

  • Um Amor Para Recordar

O pano de fundo é clichê, eu sei. A nerd religiosa e o bad boy do colégio começam a estudar juntos e, subitamente, se apaixonam. Entretanto, tudo muda quando ele descobre que a menina tem uma doença terminal. Uma história de amor que sensibiliza e mostra que, quando se tem amor à vida, não importa quanto tempo ainda lhe resta. Tudo depende da sua vontade de viver o tempo que ainda tem. O namorado, apaixonado, resolve ajudar a menina a aproveitar cada dia como se fosse único. (Tem no Netflix)

 

  • Sete Vidas

Depois de provocar, sem querer, um acidente que levou à morte sete vítimas, um homem decide que precisa salvar sete vidas. A forma com que ele faz isso é extremamente emocionante. O filme fala sobre culpa e, mais uma vez, sobre o valor de uma vida. A coragem do personagem de Will Smith é admirável. (Tem no Netflix)

 

  • A Teoria de Tudo

Já falei desse filme aqui no blog. Um dos maiores merecedores de Oscar dos últimos tempos. Acha sua vida difícil? Conheça a de Stephen Hawken. Uma história de superação que me fez sair do cinema me achando a maior das egoístas por reclamar da minha vida.

  • Vem Dançar

Também já citei esse filme aqui no blog. Superação, preconceito e diferenças sociais são exploradas de forma bonita e cativante. Os excluídos da escola são obrigados a fazer aulas de dança de salão. A dedicação deles para vencer o campeonato e o preconceito das pessoas é linda.

  • Anjos da Vida

Chorei, chorei e chorei. Ashton Kutcher, como sempre, emociona. Mas esse filme não tem nada de comédia romântica. Ele é aluno de um treinador da guarda costeira. O lema da equipe do cara é “manter os outros vivos”. Não tem como não refletir com esse filme. Um completo ensinamento sobre o valor da vida dos outros.

Bruna Paiva

 

 

Cupido Intrometido

red-631349_640

Dia desses, aconteceu uma festa junina na minha escola. Lá, o pessoal do terceiro ano usa a festa para arrecadar mais dinheiro para a formatura. Minha função era vender o correio do amor. Achei super divertido. Você fica sabendo das fofocas amorosas de todo mundo e ainda é encarregada de ser cupido.

Mas uma menina em especial me deixou intrigada. Logo no início da festa, ela me procurou para comprar dois coraçõezinhos para um garoto. Um seria entregue por mim, o outro anunciado pelo DJ.

Para a minha surpresa, o menino também mandou um coração, entretanto, para outra garota. A primeira, sem saber disso, continuou comprando os corações para seu amado durante toda a festa. E pior: dizendo realmente acreditar que aquele era o dia em que ela conseguiria ficar com ele.

Já perto do fim da festa, enquanto eu me acabava na pista de dança, a menina chegou perto de mim e me pediu outro coração. Eu disse não. Perguntei se o garoto tinha respondido algum de seus recados e ela, como eu já esperava, negou. Então eu perguntei por que é que ela continuava a mandar os corações. A resposta que obtive também já era esperada: “É que eu gosto muito dele”. Eu disse que entendia, mas pedi para ela parar de mandar. Falei que não valia a pena gastar tempo e dinheiro com quem não está nem aí.

A menina foi embora triste e provavelmente me achando intrometida. As pessoas que estavam comigo me chamaram de louca, disseram que eu não devia ter falado aquilo, que desiludi a menina. Mas eu me senti bem em dizer.

Me fez bem porque eu já fui essa menina. Já corri atrás de quem não me dava a mínima com o único argumento de que “gostava muito dele”. E hoje, quando olho para trás, gostaria que alguém tivesse se intrometido e me negado um coraçãozinho, dito que não valia a pena.

Mas ninguém me disse, aprendi quebrando a cara. A menina da festa junina também vai quebrar a dela muitas vezes até acordar. Reconheço aquele brilho que vi nos olhos dela ao falar do tal garoto. Olhar de quem não liga para mais nada além do que está sentindo.

Ainda assim, espero tê-la ajudado a, pelo menos, parar para pensar. Tomara que ela tenha refletido e que eu tenha contribuído para que ela se valorize mais. Apenas fiz por aquela menina o que queria que tivessem feito por mim.

Bruna Paiva

Siga @ADemaisblog  no Twitter

Curta a fanpage do Adolescente Demais no Facebook

Siga @ademaisblog no Instagram

Meu primeiro prêmio literário!

11707514_916907215041429_9031000541517603224_n

Com o meu pai no STRIX

Ainda não tenho ideia de como descrever o que estou sentindo. No fundo, fiquei tão chocada que até as palavras, que costumam ser minhas amigas, fugiram.

Já contei aqui no blog como foi difícil fazer minha estreia no terror, na antologia King Edgar Hotel pela Editora Andross. Alguns dias depois do lançamento do livro, no evento Livros Em Pauta, tive a grande surpresa de ser indicada à premiação de melhor conto da coletânea junto a outros quatro colegas. Meu pai, participando de outra antologia, também foi indicado.

Os premiados do STRIX

Os premiados do STRIX

No último sábado(04-07), novamente botamos o carro na estrada rumo a São Paulo para assistir à premiação do STRIX. Estar no evento como uma das finalistas já foi fantástico. Me senti realmente no Oscar, com direito a tapete vermelho e tudo. Entre os anúncios de vencedor em cada antologia, era cantada uma música relacionada ao tema. A cantora do evento foi a Paola Giometti, organizadora da antologia Sede, que me surpreendeu com a linda voz.

SAM_0290

Com o Alfer Medeiros, um dos organizadores do King Edgar Hotel

O Strix teve uma estrutura incrível. Além da música ao vivo e do tapete vermelho, teve cobertura ao vivo na internet. E o telão mostrava a foto de cada candidato enquanto o organizador resumia o conto.

Mas, quando o Alfer Medeiros leu meu nome no envelope vencedor, minhas pernas bambearam. Tive certeza de que repetiria o tombo de Jennifer Lawrence ao subir as escadas. Meu pai, na antologia Sede, também teve seu conto “O Julgamento de Gregorie” como vencedor. Voltamos para o Rio com duas corujinhas douradas!

Nunca tinha ganhado nada pelo que escrevo. Estou MUITO feliz pela coruja que agora me olha da estante. Sou absurdamente grata a todos os que me apoiam no meu sonho e incentivam meu trabalho. Agradeço também a Editora Andross pelo carinho e cuidado, desde os organizadores até a finalização do livro e os dois eventos. Foi tudo lindo!

Muito obrigada.

Bruna Paiva

Siga @ADemaisblog  no Twitter

Curta a fanpage do Adolescente Demais no Facebook

Siga @ademaisblog no Instagram

Melhores maneiras de estudar na internet

Imagem: Reprodução

Imagem: Reprodução

Uma das formas mais eficientes de aprender alguma coisa é usando a internet. Para mim sempre funciona. É bem mais fácil estudar quando usamos um artifício que já faz tanta parte da nossa vida. Resolvi contar para vocês quais são os sites e canais que mais me ajudam a aprender as matérias. Espero que ajude vocês também!

1- Descomplica

O canal Descomplica é um dos melhores que existem na internet brasileira. Não tem nada que eles se proponham a ensinar que eu não consiga aprender. Eles têm aulas de todas as disciplinas, mas as que eu mais gosto são as de humanas!

2-Professor Jubilut

Melhor professor de biologia! Não tem como não aprender com o Jubilut. O jeito que ele explica faz você gostar até da matéria mais chata. Ele está sempre no programa da Fátima Bernardes explicando tudo o que tem relação com biologia.

3-Khan Academy

O Khan Academy foi descoberto pelo Bill Gates. O projeto é maravilhoso. Além das aulas em vídeo, eles disponibilizam exercícios. O site já foi traduzido para várias línguas, inclusive português. E o melhor: é tudo grátis!!

4- Me Salva

Como o nome já diz, esse canal simplesmente me salva na véspera das provas. Eles ensinam as disciplinas exatas e as minhas preferidas são as de física. É simplesmente a salvação para a prova em 5 minutos no Youtube.

5- Stoodi

O Stoodi é o canal que eu mais uso para tentar aprender química. Vamos combinar que essa é a pior matéria do universo, né? Mas com o Stoodi dá para entender o que precisamos, seja para aprova do dia seguinte ou para o vestibular.

Esses são os sites que eu mais uso para estudar. E vocês? Quais usam? Já conheciam os meus preferidos? Contem tudo nos comentários!

Bjs da Bru

Siga @ADemaisblog  no Twitter

Curta a fanpage do Adolescente Demais no Facebook

Siga @ademaisblog no Instagram

Vazio Literário no Salão de Livros para Crianças e Jovens FNLIJ 2015

WP_001061

De um lado, cerca de 10 jovens leitores acompanhavam a narração de Alice no Pais das Maravilhas, conduzida pelo jornalista Pedro Bial. Na outra extremidade do evento, o incansável Ziraldo contava as aventuras de seus personagens para pouco mais de 15 crianças. E essas foram as duas maiores concentrações de pessoas que vi no último domingo (21/06), ao visitar o 17º Salão FNLIJ do Livro para Crianças e Jovens, no Rio de Janeiro. Um cenário triste que me deixou com um vazio literário no peito pelo resto do meu dia de folga.

Vazio porque sei que a geração de jovens de hoje lê muito mais do que a minha. Vazio porque vi nos olhos de meus filhos a mesma decepção que eu não consegui disfarçar. Vazio porque, pelo desânimo que percebi nos livreiros, distribuidores e editores que participavam do evento, fiquei com receio de não haver uma 18ª edição. E vazio ainda maior porque ao meu lado estava uma adolescente, dona deste blog, que sonha em viver profissionalmente de literatura.

Lembro-me de ter levado meus dois filhos ainda bebês aos seus primeiros salões de livros. Eles não sabiam ler, mas se encantavam com as cores, com os formatos e desenhos dos livros infantis. Nós nos amontoávamos nas almofadas, nos pufes dos espaços de leituras e eu e a minha mulher  contávamos histórias. Interpretávamos, gesticulávamos e fazíamos vozes de vários personagens para eles. Deixávamos que segurassem os livros, que sentissem aquele universo. Acreditávamos e acreditamos ser importante para as crianças fantasiar, viajar por estórias e histórias.

Mas aquele ainda era o maravilhoso e exclusivo mundo dos livros impressos. Crianças não nasciam com tablets e smart phones em punho. Os tempos mudaram e as feiras literárias precisam se atualizar também. Um salão literário para crianças e adolescentes não pode ignorar novos autores, os blogueiros e os youtubers. São essas as novas referências  que têm arrebanhado cada vez mais a atenção dos nossos jovens e ajudado a formar novos leitores e formadores de opinião.

Alguém duvida que a presença de fenômenos jovens como Bruna Vieira, Felipe Neto ou Christian Figueiredo (todos tb autores de livros) arrebanharia muito mais jovens leitores do que eventos como 150 anos de Alice no Pais das Maravilhas ou 120 anos de Maba Tahan? Não defendo de forma alguma que não se cultuem ou valorizem os clássicos. Mas é preciso mesclar o tradicional com o novo para se atingir as novas gerações. Você atrai oferecendo o que eles gostam e aí aproveita a presença deles para  apresentar-lhes  um cardápio mais amplo.

Ao lado da feira de livros havia um encontro de Anime e Cosplay. Estava lotado de jovens e seus pais. E olha que a entrada custava R$ 25, enquanto a da feira literária custava apenas R$ 5. Será então que os jovens não querem mesmo mais saber de livros? Sinceramente não acredito nisso. Basta olhar para o crescimento da Amazon Brasil e de sites de leituras como Wattpad e Widbook. Basta ver a multidão que a Bienal do livro atrai ao mesclar os clássicos com as novas tendências, o analógico com o digital.

O que parece estar mais do que provado depois deste 17º Salão FNLIJ é que não há mais espaço para a velha fórmula de se expor os livros em uma estante e esperar que os leitores simplesmente apareçam. Vivemos no mundo dos mil estímulos. Os livros estáticos mantêm seu charme, mas nunca sofreram tanta concorrência. E para captarmos a atenção dos leitores é preciso interagir com esse novo mundo e sus novos estímulos.

Portanto, para o próximo salão, convidem os autores queridinhos dos adolescentes, convidem blogueiros, youtubers, viners…Coloquem uma bandinha jovem tocando e personagens andando pelos corredores…Convoquem os estudantes dentro das escolas (as pariculares tb) para concursos, antologias. Instalem uma espaçonave na entrada do salão, deixem os cosplayers entrarem… Façam alguma coisa ou tudo isso ao mesmo tempo. Mas pelo amor de Deus não me deixem sentir esse vazio literário mais uma vez.

JM Costa

Siga @ADemaisblog  no Twitter

Curta a fanpage do Adolescente Demais no Facebook

Siga @ademaisblog no Instagram