Adeus, amor, pra mim já deu

escrevendo-cartaNa calçada em frente ao prédio, o corpo era analisado pela polícia. O jovem homem não sobrevivera ao impacto. À sua volta, uma poça de sangue contrastava com a pele clara sobre o asfalto. Em uma das mãos, o punho semicerrado ainda guardava uma foto. Uma foto de si mesmo abraçado a uma bonita jovem que, segundo curiosos que se aglomeravam no local, seria sua namorada.

Chocados, os vizinhos não conseguiam entender o que acontecera. Às três horas da madrugada ouviram um barulho muito forte e logo depois os gritos do porteiro. Ao descerem, se depararam com a cena. Especulavam sobre qual seria o motivo de um possível suicídio para aquele homem que sempre pareceu tão feliz ao lado de sua companheira.

E a mulher, onde estaria àquela hora da madrugada? Se o jovem casal nunca se desgrudava, por que ela não se encontrava no meio da aglomeração? Estaria bem? No apartamento? Teria o homem de fato se jogado do oitavo andar? As dúvidas eram muitas entre as testemunhas daquela tragédia.

A perícia chegou e então subiram até o 802, apartamento do casal. Ao entrar no pequeno quarto e sala, encontraram uma espécie de ritual de despedida. Velas acesas por toda parte, alguns móveis fora do lugar e gavetas reviradas. Nas paredes, muitas fotos. Imagens de um casal de adolescentes que parecia ter crescido junto. Centenas de fotos exibindo a felicidade dos dois, ou apenas exaltando a beleza da jovem, cobriam toda a extensão das paredes da sala e corredores.

No painel principal da sala, as fotos unidas formavam uma mensagem:

Adeus para sempre.
Do seu eterno amor.

Ao lado daquela despedida, na outra parede, a janela escancarada e um banco em sua base  compunham o ambiente. Não havia mais ninguém no apartamento. Porém, os policiais continuavam
procurando pistas e verificando cada pequeno canto em cada cômodo.

Sobre a mesa da cozinha, mais velas e duas taças. Apenas uma delas parecia ter sido usada, com vinho tinto pela metade. Como se ali tivesse ocorrido um brinde solitário.

— Venham ver isso aqui — chamou o policial Eduardo.

Quando os outros chegaram ao quarto do casal, encontraram porta-retratos quebrados, porém sem fotos. Os armários estavam revirados, roupas masculinas e álbuns fotográficos haviam sido espalhados
por toda parte. As paredes brancas traziam mensagens e juras de amor eterno, escritas em tinta vermelha.

Em cima da cama desarrumada via-se um envelope. Ao lado dele, a seguinte carta:

“Oi, sei que deveria fazer isso pessoalmente, mas você sabe que eu sempre me expressei melhor escrevendo. Falar não é muito a minha praia. Você me conhece bem.

Quando estiver lendo esta carta eu pretendo já estar bem longe de casa. De preferência onde você não possa me encontrar. Creio que a nossa relação foi tão transtornada para você quanto foi para mim. Nos últimos tempos eu te temia mais do que amava.

Ok, não dá para ser tão hipócrita e alegar que foi tudo completamente ruim. Você foi meu primeiro amor. O primeiro cara que eu amei de verdade. Minhas primeiras experiências foram com você. Eu te amei tão intensamente…

Um amor que começou precocemente. Com quatorze anos eu já tinha certeza de que você era o homem da minha vida. E sabe, poderia ter dado certo. Poderia ter sido para sempre, como juramos
desde o início. Porque o nosso amor era lindo, uma relação bonita de dois jovens que se amavam incondicionalmente.

Só que o seu amor, em algum momento, se transformou num sentimento diferente. Uma necessidade doentia de me controlar, de me prender somente para si. Você dizia que era ciúme normal de qualquer namorado, mas o seu ciúme era diferente. Aquilo não podia ser normal. Mas eu acatava.

Eu cedia e fazia do jeito que você queria, porque sempre te amei demais. Foi então que, sem me dar conta, comecei a abrir mão da minha liberdade. Troquei tudo e todos de quem eu gostava por você. Meus amigos foram banidos de vez da minha vida…

Ainda revivo a dor que senti em seu primeiro grande escândalo. O primeiro de outros incontáveis. O fatídico dia em que você se descontrolou porque eu dançava com meu primo na festa de casamento da minha irmã. Todos os convidados pararam para assistir ao circo que você armou. E ali, comecei a romper com a minha família também. Briguei com todo mundo te defendendo. O meu primo, eu nunca mais vi. E a minha irmã não fala comigo até hoje. Diz que eu acabei com a festa do casamento dela. E quer saber? Ela não tá errada.

Mas mesmo assim, mesmo com todos os escândalos e vergonhas que você me fazia passar, eu te amava. E te amava demais. A gente vivia tanta coisa boa… Eu morria de medo de perder aquilo que tínhamos. E hoje percebo que você sabia disso. Sabia e se aproveitava do meu medo, do meu amor, para me manipular. Meu Deus, como fui idiota.

Quantas vezes eu te pedi para confiar em mim? Quantas vezes eu pedi para que tratasse sua doença? Só que você nunca me ouviu. Nunca sequer tentou mudar por mim. Enquanto eu sempre mudava tudo por você. Só que chegou uma hora em que as coisas ruins se sobrepuseram às boas.

O que você fez ontem foi pior do que qualquer outra coisa que você já tenha feito antes. Ser trancada em um quarto, mantida em cárcere privado e impedida de atender a um chamado do meu próprio pai é realmente demais para mim.

Eu só queria me encontrar com o meu pai e você me tratou como uma prisioneira. Agrediu-me física, moral e verbalmente por um motivo tão estúpido. Não foi por esse cara violento e imprevisível que eu me apaixonei. E que amor é esse que você diz que sente? Que amor doentio é esse que constituiu nossa relação?

Deve ter percebido que uso o passado para falar da nossa relação. E também deve ter percebido que foi proposital. Não somos mais tão novos, e eu não quero mais me permitir entender e aturar o que aturava antes.Quero ter direito a ter os meus amigos de volta. Falar com eles e abraçá-los na hora em que eu bem entender. Quero voltar a ter uma relação saudável com a minha irmã, voltar a falar com o meu primo… Quero sair na rua sem me preocupar com o que você vai pensar. Gastar meu dinheiro com o que eu quiser.

Cansei dos seus ataques de histeria a cada oi masculino que eu recebo. Cansei de seus escândalos. Cansei de passar vergonha na rua por sua causa. Cansei de abaixar a cabeça para todas as suas babaquices. E se te interessa, já tirei meus shorts e saias curtas do fundo da gaveta. Não quero mais ter você para controlar o que visto, o que falo, o que faço e o que penso.

Já voltei a usar o batom vermelho e chamativo que você me proibia. E meus olhos estão bem marcados do jeito que você não me deixava usar. Meu piercing está de volta ao nariz. E meu cabelo? Vou fazer aquele corte lindo que você, careta, sempre achou ridículo.

Não dá mais pra mim. Eu não quero e não consigo mais abdicar de tudo do que gosto e sou por você. E acho que nem te amo mais tanto assim. De agora em diante você não vai mais fuxicar minhas mensagens e cada passo que eu dou nas redes sociais. Nem mexer na minha bolsa ou no meu armário às escondidas.

Minhas chaves de casa estão na mesa de cabeceira. Estou indo embora e levando comigo os meus pertences, minhas lembranças, meus arrependimentos e principalmente a minha vida. Se me permitir uma primeira e última exigência, não me procure mais. Não procure saber onde estou. Deixe-me viver minha vida em paz.

E quer saber? Viva a sua também. Vá se tratar, arranje outra pessoa, alguém que não se incomode com seus defeitos. Alguém que, quem sabe, até goste deles. Que não se importe com você controlando cada segundo da vida dela. Porque, como você mesmo dizia, pra mim já deu.

Adeus para sempre.
Do seu ex-amor.”

 

Bruna Paiva

*Texto originalmente publicado no livro “Amor nas Entrelinhas”, da Editora Andross, em Agosto de 2014.

 

Siga @ADemaisblog  no Twitter

Curta a fanpage do Adolescente Demais no Facebook

 

Anúncios

Comente!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s