Diário de viagem: 2 dias no parque Beto Carrero!

20160111_145335

A família toda junto aos personagens de Shrek!

A parte mais esperada por mim nessa viagem era, sem dúvidas, a visita ao Beto Carrero. Sempre morri de vontade de conhecer o maior parque da América Latina. Assim que soube que passaríamos por lá, comecei a pesquisar os melhores brinquedos e shows.

20160112_113928 (1)Cheguei ansiosa e cheia de expectativas às 9h da manhã, horário em que o parque abre. Saí (literalmente) correndo até a Fire Whip, montanha russa invertida, cheia de loopings, em que você senta e suas pernas ficam balançando. Era o brinquedo em que eu mais queria ir e um dos que têm as maiores filas. Fui com meu pai, já que o resto da família não é lá tão corajosa. Enfrentamos uma fila de 50 minutos, bem pequena para o padrão do parque na alta temporada.

20160111_095603Confesso que, quando o carrinho começou a subir, bateu um certo medinho. Tá, deu vontade de mandar parar o brinquedo para eu descer. Era MUITO alto. Tive então a brilhante ideia de fechar os olhos para a descida. Talvez tenha sido meu maior arrependimento durante toda a viagem. Como os meus olhos estavam fechados, não tinha como saber o que viria pela frente. Resultado? Dei um jeito no pescoço e arrumei uma dor horrível logo no primeiro brinquedo.

Apesar desse incidente, foram dois dias de pura diversão. Com dor, mas foi incrível. Fui em quase todos os brinquedos do parque. Só não encarei nenhum dos dois elevadores da Área Radical. As maiores filas que enfrentei foram na segunda montanha russa e no Tchibum, que é tipo uma montanha russa, só que na água.

Da roda gigante e do teleférico tive uma visão sensacional de todo o parque. Ah, consegui convencer a família medrosa a enfrentar a perigosíssima montanha russa infantil. E acabou sendo muito engraçado, com minha mãe morrendo de medo ao meu lado e minha avó atrás fingindo que estava tudo bem.

O melhor brinquedo para ir com a família toda é o Crazy River, na área Madagascar. O botezinho
20160111_105412vai descendo uma corredeira e, apesar do nome, não é tanta loucura. O trenzinho que dá a volta no parque também é uma boa pedida. Passa por parte do zoológico, pelo parque dos dinossauros e até pela reserva ambiental de Beto Carrero.

Uma das melhores atrações do Beto Carrero World são os personagens disponíveis para fotos. Vi o pessoal do Madagascar, Megamente, Kung-fu Panda e confesso que quase chorei quando abracei o Shrek. O ogrinho mais fofo do cinema me acompanhou durante toda a infância. Foi o momento mais mágico da viagem!

20160111_162729

Em frente ao palácio dos sorvetes

O parque tem várias áreas temáticas que deixam tudo mais divertido. A ilha do Pirata é cheia de portais grandiosos e até as lixeiras são caveiras. A praça de alimentação tem um carrossel lindo bem no centro, no qual eu fiz questão de andar. Há ainda uma vila germânica e até o King Kong no meio do mato. A área infantil é toda bonitinha com personagens como Lilica e Tigor, além de uma sorveteria muuuito fofa. Aliás, essa sorveteria era um dos pontos que eu queria conhecer desde o Rio. Perturbei a paciência de todo mundo para tomar um sorvete lá.

20160111_143733Próximo à entrada do parque existe uma espécie de museu em homenagem ao seu fundador: o memorial Beto Carrero. É possível ver o trailer em que ele viajava pelo país com seu show, as roupas de cowboy, participações em programas de TV e até as luxuosas selas de seu inseparável cavalo Faísca.

Ah, nesse memorial há um gigante teatro, onde acontece o show Sonho do Cowboy. O parque tem diversos shows e espetáculos, mas esse foi o que eu mais gostei. É um musical que conta a história de um cowboy chamado Beto. Os atores são ótimos e os números de dança lindos! Todos os bailarinos têm uma técnica muito boa, além de cantarem muuuito. Não é a história da vida de Beto Carrero, mas sim a do personagem que dá nome ao parque. Por lá, Beto é visto como um herói.

20160111_161002

Com minha mãe na área infantil

Além desse, vi o show Blum, que conta com contorcionismos, equilibrismos e outros números circenses. O Jantar Excalibur simula uma competição entre cavaleiros medievais, tendo como plano de fundo a lenda do Rei Artur. Esse eu confesso que não recomendo. A comida não é lá essas coisas e eu não gostei tanto do show em si. É o único pago à parte e não valeu meus R$60.

Um dos shows mais impressionantes é o Velozes e Furiosos. Já contei aqui que adoro a série. O espetáculo de Drift encena uma perseguição do filme. O que eu achei muito legal é que o protagonista da historinha de fundo é o personagem do Paul Walker. Uma homenagem singela, mas bonita. O show é feito por alguns dos melhores pilotos do Brasil e é sensacional. Tem carro voando, moto andando sozinha e até caminhão entra no jogo.

O parque disponibiliza mapas para você saber direitinho como chegar nos brinquedos que quer. Apesar de eu não ser uma pessoa muito boa para isso e me ver pegando o caminho errado, porque o mapa estava ao contrário, algumas (muitas) vezes, foi mega útil!

20160111_160450

Eu e meu irmão na carruagem da vila Germânica

O que eu não gostei muito no Beto Carrero foi o atendimento. Havia poucos funcionários e os que a gente achava não eram tão simpáticos. Zero preocupação com o público fritando no sol por horas nas filas. Teve funcionário que simplesmente aboliu a fila para o show, disse que era para entrarmos em multidão! Para que organização, não é mesmo?

À saída do parque, havia uma caixa de sugestões, mas os papeis para a avaliação não estavam disponíveis… Vou precisar deixar minhas sugestões por aqui mesmo. Queridos donos do Beto Carrero, invistam em simpatia e organização. Programas de trabalho por temporada como o ICP da Disney são uma boa pedida. Eu mesma ia adorar passar um tempo por aí.

Tirando os pequenos contratempos, eu amei os dois dias que passei no parque. E indico a quem quiser conhecer que vá em dois dias mesmo, para conseguir fazer tudo que o Beto Carrero oferece. Na bilheteria é vendido um passaporte a preço promocional (nada barato, mas dá para parcelar no cartão) que dá direito a dois dias de visita. Foi incrível, mágico e com toda certeza eu pretendo voltar!

Fiquem ligados porque no próximo post do Diário de Viagem vou contar como foi o passeio no parque Unipraias em Camboriú.

Um beijo da Bru!

Gostou do post? Então, comente, compartilhe e não se esqueça de seguir o blog nas redes sociais!

Siga @ADemaisblog  no Twitter

Curta a fanpage do Adolescente Demais no Facebook

Siga @ademaisblog no Instagram

Anúncios

4 pensamentos sobre “Diário de viagem: 2 dias no parque Beto Carrero!

  1. Pingback: Diário de viagem: curtindo Camboriú! | Adolescente Demais

  2. Pingback: Diário de viagem: Parque Unipraias! | Adolescente Demais

  3. Pingback: Diário de viagem: Chegando em Balneário Camboriú e Circo Tihany | Adolescente Demais

Comente!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s