Confissões da quarentena 2.0

Mês passado eu precisava ter arrancado um dente. Um siso que me castiga desde os quinze anos de idade e que eu adiei tanto arrancar até chegar num estado crítico, e agora não tem mais jeito. Tomei coragem, marquei para março. O dente continua aqui. De quarentena.

Mês passado eu precisava ter feito um exame importante para acompanhar a protusão-que-pode-vir-a-ser-uma-hérnia-de-disco que os anos de dança causaram na minha coluna. Além voltar para o tratamento de reprogramação postural. Não deu tempo também. Mas as dores na coluna não entraram em quarentena. Estão aqui, firmes e fortes. Tenho feito exercícios em casa, mas já aconteceu de não conseguir levantar da cama durante essa quarentena.

Vinha pensando em cortar meu cabelo. Será que corto? Será que não? Vou marcar para março. Não! Abril! É isso, em abril eu corto. Mas será, mesmo? Faz tanto tempo que eu não vejo ele assim, grande… Mas eu também gosto tanto dele bem curtinho. A quarentena decidiu. Por enquanto, vai crescer.

Estou frustradíssima pela provável anulação de todas as festas juninas desse ano. Creio que poderíamos deixar instituído que, depois de tudo isso, paçoca, quentão, bolo de milho, pudim de tapioca, canjica, cocada, pé de moleque, milho cozido, pamonha e afins serão aceitos independente do calendário. Além é claro de quadrilhas (dançadas, por favor), botas e chapéus de caubói, camisas xadrez, Maria Chiquinha, vestido de chita, e muito olha pro céu meu amor. A decoração de Natal podia ser junina, a ceia também, é claro. Muito mais brasileiro seria.

Eu tinha marcado de ir à praia com meu namorado. Depois de quase dois anos juntos, eu finalmente o convenci a ir à praia comigo. Não é bem a praia dele, sabe? Seria um domingo gostoso à beira mar. Mas foi instaurada a quarentena, bem naquele fim de semana. Nada de praia por enquanto. Agora só no próximo verão (o que no rio de janeiro é quase todo dia a não ser nossas duas semanas de garoa e ventinho). Ou tomara que o universo conspire e que o primeiro dia pós-quarentena seja um domingo de sol.

A viagem romântica que faríamos no nosso aniversário de também não tem mais previsão de acontecer. O campeonato de pole dance para que comprei os ingressos e vinha contando os dias para assistir foi cancelado. A prorrogação do meu contrato de estágio também se enrolou toda. Não sei mais qual vai ser o rumo da minha vida acadêmica em 2020.

Muita coisa parou pela metade na minha vida por causa da quarentena. Mas qual o remédio? Deixar que 5 ou 7 mil pessoas morram como se fosse natural e inevitável não me parece razoável… sigamos em casa. E me chamem para natais juninos.

Bruna Paiva

Gostou do post? Então, comente, compartilhe e não se esqueça de me seguir nas redes sociais!

Siga @ADemaisblog e @BruPaivac no Twitter

Curta a fanpage do Adolescente Demais no Facebook

Siga @ademaisblog e @BrunaPaivaC no Instagram

Comente!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s