“Enquanto o carnaval durar”: ÚLTIMO CAPÍTULO NO AR!

É chegado o fim do nosso especial de carnaval! O último capítulo de “Enquanto o carnaval durar” já está no ar, lá no Wattpad. Corre lá para conferir o desfecho da história de Aline e Diego! No capítulo de ontem, Aline e Yara foram à festa oferecida pelos meninos. As coisas ficaram quentes entre Aline e Diego. Quer saber o que rolou? Como Aline vai lidar com tudo? Então corre lá no Wattpad, tá esperando o quê?!

Não sabe do que eu estou falando?

Começou no sábado de carnaval o conto “Enquanto o carnaval durar”. Uma história especial de Carnaval contada em 5 capítulos, até hoje, a quarta-feira de cinzas. Mas CALMA(!) ainda dá tempo de correr atrás do prejuízo e ler tudinho lá no Wattpad.

“Enquanto o carnaval durar” é narrado por Aline, uma estudante de moda que, depois de muito se decepcionar com as experiências amorosas da vida, está vivendo uma fase de desapego. Ela não tem um histórico amoroso divertido e prefere não se envolver com ninguém para evitar novas desilusões. Aline decide curtir o carnaval junto com Yara, sua melhor amiga. As duas vestem suas fantasias e, com muito glitter, aproveitam a festa pelas ruas do Rio de Janeiro. O que Aline não imagina é que talvez o amor de que ela tanto se esquiva peça uma chance justamente no carnaval. Ela fica num dilema entre o medo de acabar se decepcionando e sofrendo mais uma vez e a vontade de se entregar e ficar com Diego.

Não esqueçam de recomendar aos amigos e deixar seus comentários por lá!

Beijos

Bruna Paiva

Gostou do post? Então, comente, compartilhe e não se esqueça de me seguir nas redes sociais!

Siga @ADemaisblog e @BrunaPaivaC no Twitter

Curta a fanpage do Adolescente Demais no Facebook

Siga @ademaisblog e @BrunaPaivaC no Instagram

Anúncios

“Enquanto o carnaval durar”: QUARTO CAPÍTULO NO AR!

O penúltimo capítulo de “Enquanto o carnaval durar” acabou de entrar no Wattpad. No capítulo de ontem, Aline, Yara, Diego, Bruno e Cauã curtiram o bloco em Ipanema até as coisas ficarem tensas. Teve pegação, curtição, mas também teve assédio e insegurança. O capítulo terminou com Diego e Bruno levando as meninas em casa. Hoje tem festa. O que vai acontecer lá, você só vai saber se correr agora para ler o novo capítulo!

E você? Não começou a ler ainda? Corre lá que ainda dá tempo de conferir e não perder nenhum capítulo. Adicionem às suas listas de leituras no Wattpad!

Não sabe do que eu estou falando?

Começou no sábado de carnaval o conto “Enquanto o carnaval durar”. Uma história especial de Carnaval que vai ser contada em 5 capítulos, até a quarta-feira de cinzas (AMANHÃ!).

“Enquanto o carnaval durar” é narrado por Aline, uma estudante de moda que, depois de muito se decepcionar com as experiências amorosas da vida, está vivendo uma fase de desapego. Ela não tem um histórico amoroso divertido e prefere não se envolver com ninguém para evitar novas desilusões. Aline decide curtir o carnaval junto com Yara, sua melhor amiga. As duas vestem suas fantasias e, com muito glitter, aproveitam a festa pelas ruas do Rio de Janeiro. O que Aline não imagina é que talvez o amor de que ela tanto se esquiva peça uma chance justamente no carnaval. Ela fica num dilema entre o medo de acabar se decepcionando e sofrendo mais uma vez e a vontade de se entregar e ficar com Diego.

Não esqueçam de indicar o conto para os amigos e deixar seus comentários por lá! Espero vocês no Wattpad!

Beijos

Bruna Paiva

Gostou do post? Então, comente, compartilhe e não se esqueça de me seguir nas redes sociais!

Siga @ADemaisblog e @BrunaPaivaC no Twitter

Curta a fanpage do Adolescente Demais no Facebook

Siga @ademaisblog e @BrunaPaivaC no Instagram

“Enquanto o carnaval durar”: TERCEIRO CAPÍTULO NO AR!

O terceiro capítulo de “Enquanto o carnaval durar” já está postado no Wattpad. No capítulo de ontem, Aline e Yara foram para um bloco na Gávea e acabaram esbarrando mais uma vez em Diego e seus amigos. Almoçaram juntos e acabaram resolvendo ir juntos até outro bloco em Ipanema. Aline está meio contrariada e evitando Diego a todo custo. O que o novo capítulo trará para a estudante de moda?

E você? Não começou a ler ainda? Corre lá para conferir e já adiciona à sua lista de leituras no Wattpad para não perder nenhum capítulo.

Não sabe do que eu estou falando?

Começou no sábado de carnaval o conto “Enquanto o carnaval durar”. Uma história especial de Carnaval que vai ser contada em 5 capítulos, até a quarta-feira de cinzas.

“Enquanto o carnaval durar” é narrado por Aline, uma estudante de moda que, depois de muito se decepcionar com as experiências amorosas da vida, está vivendo uma fase de desapego. Ela não tem um histórico amoroso divertido e prefere não se envolver com ninguém para evitar novas desilusões. Aline decide curtir o carnaval junto com Yara, sua melhor amiga. As duas vestem suas fantasias e, com muito glitter, aproveitam a festa pelas ruas do Rio de Janeiro. O que Aline não imagina é que talvez o amor de que ela tanto se esquiva peça uma chance justamente no carnaval. Ela fica num dilema entre o medo de acabar se decepcionando e sofrendo mais uma vez e a vontade de se entregar e ficar com Diego.

Não deixe de acompanhar, indicar para os amigos e deixar seus comentários por lá! Espero vocês no Wattpad!

Beijos

Bruna Paiva

Gostou do post? Então, comente, compartilhe e não se esqueça de me seguir nas redes sociais!

Siga @ADemaisblog e @BrunaPaivaC no Twitter

Curta a fanpage do Adolescente Demais no Facebook

Siga @ademaisblog e @BrunaPaivaC no Instagram

“Enquanto o carnaval durar”: SEGUNDO CAPÍTULO NO AR!

Já entrou lá no Wattpad o segundo capítulo do conto “Enquanto o carnaval durar”. No capítulo de ontem, Aline e Yara curtiram um bloco em Ipanema. No fim da festa, Aline conheceu Diego e até curtiu ficar com ele, ainda assim, arrumou um jeito de dispensar o Magic Mike. Hoje tem mais bloco de rua e mais festa para Aline e Yara. O que será que vai acontecer?

E você? Não começou a ler ainda? Corre lá para conferir e já adiciona à sua lista de leituras no Wattpad para não perder nenhum capítulo.

Não sabe do que eu estou falando?

Começou ontem, no sábado de carnaval, o conto “Enquanto o carnaval durar”. Uma história especial de Carnaval que vai ser contada em 5 capítulos, até a quarta-feira de cinzas.

“Enquanto o carnaval durar” é narrado por Aline, uma estudante de moda que, depois de muito se decepcionar com as experiências amorosas da vida, está vivendo uma fase de desapego. Ela não tem um histórico amoroso divertido e prefere não se envolver com ninguém para evitar novas desilusões. Aline decide curtir o carnaval junto com Yara, sua melhor amiga. As duas vestem suas fantasias e, com muito glitter, aproveitam a festa pelas ruas do Rio de Janeiro. O que Aline não imagina é que talvez o amor de que ela tanto se esquiva peça uma chance justamente no carnaval. Ela fica num dilema entre o medo de acabar se decepcionando e sofrendo mais uma vez e a vontade de se entregar e ficar com Diego.

Não deixe de acompanhar, indicar para os amigos e deixar seus comentários por lá! Espero vocês no Wattpad!

Beijos

Bruna Paiva

Gostou do post? Então, comente, compartilhe e não se esqueça de me seguir nas redes sociais!

Siga @ADemaisblog e @BrunaPaivaC no Twitter

Curta a fanpage do Adolescente Demais no Facebook

Siga @ademaisblog e @BrunaPaivaC no Instagram

“Enquanto o carnaval durar”: PRIMEIRO CAPÍTULO NO AR!

 

Acabou de entrar no ar, lá no Wattpad, o primeiro capítulo do conto “Enquanto o carnaval durar”. Aline e Yara já começaram a curtir o carnaval pelas ruas do Rio de Janeiro. E você? Vai ficar de fora? Corre lá para conferir e já adiciona à sua lista de leituras no Wattpad para não perder nenhum capítulo.

Não sabe do que eu estou falando?

Começou hoje o conto “Enquanto o carnaval durar”. Uma história especial de Carnaval que vai ser contada em 5 capítulos, até a quarta-feira de cinzas.

“Enquanto o carnaval durar” é narrado por Aline, uma estudante de moda que, depois de muito se decepcionar com as experiências amorosas da vida, está vivendo uma fase de desapego. Ela não tem um histórico amoroso divertido e prefere não se envolver com ninguém para evitar novas desilusões. Aline decide curtir o carnaval junto com Yara, sua melhor amiga. As duas vestem suas fantasias e, com muito glitter, aproveitam a festa pelas ruas do Rio de Janeiro. O que Aline não imagina é que talvez o amor de que ela tanto se esquiva peça uma chance justamente no carnaval. Ela fica num dilema entre o medo de acabar se decepcionando e sofrendo mais uma vez e a vontade de se entregar e ficar com Diego.

Não deixe de acompanhar, indicar para os amigos e deixar seus comentários por lá! Espero vocês no Wattpad!

Beijos

Bruna Paiva

Gostou do post? Então, comente, compartilhe e não se esqueça de me seguir nas redes sociais!

Siga @ADemaisblog e @BrunaPaivaC no Twitter

Curta a fanpage do Adolescente Demais no Facebook

Siga @ademaisblog e @BrunaPaivaC no Instagram

Pequena eternidade

Coloco minhas pernas por cima das suas enquanto fazemos o caminho de volta, na poltrona falsamente aconchegante daquele ônibus abafado. Dividimos um fone de ouvido, o braço roçando no meu. Conversamos de muito perto e eu rio de tudo que ele fala. Não é possível que não perceba; mas finge que não.

Chegamos. Duas horas para matar. “Vamos à praia?”. Sol quente, vento frio e o cheiro do perfume que me invade os pulmões sem consentimento. Sentamos na areia e discutimos amenidades. Estudo cada ação e ele não parece disposto a tomar qualquer atitude. “O que você queria me dizer naquele dia?”. Xeque Matte. Agora ou nunca mais. Mas me demoro ponderando as consequências.

Bonita aquela criança, mal segurada pela mãe. Pego a areia nas mãos e deixo escorrer pelos dedos. Me arrependo no segundo seguinte por não ter onde limpar. Respiro fundo e digo. É melhor se arrepender de um ato feito do que da tortura de um “e se”.

“Eu nunca tinha percebido”, sonso. Nós dois sabemos que ele está mentindo, mas não falamos nada. “Minha vida é complicada, não quero magoar você”. O mesmo escape de sempre. Nunca boa o suficiente para mudar o discurso de ninguém.

Me sinto frustrada. Constrangida talvez seja a melhor palavra. Mas mantenho a leveza. Sorrindo, fazendo piada, apesar do estranho vazio queimando no peito. Take a sad song and make it better. Deito e encaro o céu. Não vai cair. Controlo a respiração enquanto voltamos a falar nada com nada.

Ele passa a mão no meu cabelo e brinca olhando para o mar. Nem um pouco abalado pelo que acabou de acontecer. Um casal tira fotos com balões no outro lado da praia. Fico enjoada. Apaixonados demais. Estáveis demais.

Enquanto os encaro ele me beija de surpresa. Me assusto mas não me afasto. Talvez devesse. Mas beijo de volta. Tonta, perdida. “O mundo gira devagar”. Chego mais perto e gravo cada detalhe. Sinto tudo o que posso e não devia.

No final do beijo, sorrio. Ele passa os braços em volta de mim e, apesar de saber que é um erro, me permito sentir a segurança. Relaxo em seu abraço obrigando a cabeça a entender que aquilo não quer dizer nada. Para ele. Não entendo bem por que me beijou, mas sei que não foi pelo mesmo motivo que beijei de volta.

Não posso me envolver, mas aperto os braços em volta dele. Sinto que aquele momento nunca mais vai se repetir. E é por isso que eu registro. Cada segundo.

 

Bruna Paiva

Gostou do post? Então, comente, compartilhe e não se esqueça de me seguir nas redes sociais!

Siga @ADemaisblog e @BrunaPaivaC no Twitter

Curta a fanpage do Adolescente Demais no Facebook

Siga @ademaisblog e @BrunaPaivaC no Instagram

Acompanhe BrunaPaivaC no Snapchatwp-1465389060779.png

CLIQUE AQUI PARA VISITAR O ADOLESCENTE DEMAIS NO YOUTUBE

As certezas da minha vida

senhoracertezas

Quando eu tinha 12 anos, tive certeza de que não poderia viver sem meus ídolos. Aos 14, acreditei com todas as forças que jamais me apaixonaria novamente. Aos 15, achei que nunca mais fosse fazer amigos. Aos 17, não botei fé em passar no vestibular. Com 19 anos, a ideia de não achar um amor para dividir a vida me aterrorizou.

Aos 25, me sentia nova demais para casar. Aos 31, velha demais para não ter um filho. Aos 34 tive certeza de que a maternidade arruinaria minha carreira. Aos 39, que minha carreira arruinaria a infância de meus filhos.

Aos 47, não pensei que fosse sobreviver à morte de meu pai. Aos 52, tive certeza de que morria junto com minha mãe. Com 55 anos, achei que fosse enlouquecer com os preparativos do casamento de minha filha. Dois anos depois, acreditei que ser avó faria de mim uma velha à beira da morte. Aos 58, pensei que seria triste para sempre com a saída do meu caçula de casa.

Aos 60, tive a certeza de que me aposentar me aproximaria da cova. Aos 63, julguei loucura viajar para lugares insanos com meu marido. Três anos depois, não acreditei que voltaria a ser feliz numa vida onde eu não o tivesse ao meu lado. Aos 67, a depressão me fez ter certeza de que não viveria até os 75.

Mas eu sobrevivi. Passei pelo fim da minha banda preferida com poucas lágrimas, aos 13. E me apaixonei incontáveis vezes depois dos 14. Superei as amizades perdidas aos 15 e fiz outras muitas ao longo da vida. Passei no vestibular na primeira tentativa. Encontrei o amor da minha vida aos 21, e antes disso curti muito a liberdade de ser solteira. Casei aos 25 e percebi que a idade foi perfeita para mim. Minha primeira filha veio aos 32, o segundo aos 34, e me percebi finalmente madura para cuidar de duas crianças.

A maternidade não arruinou minha carreira. E mesmo em meio aos plantões e loucuras de ter uma mãe médica, meus filhos tiveram uma infância incrível. Sobrevivi à perda de meus pais, embora ainda doa lá no fundo a falta que eles me fazem.

O casamento da minha filha foi emocionante e guardo com carinho as lembranças da loucura que foram os preparativos. O brilho no olhar de minha neta acabou me fazendo sentir mais jovem. Meu caçula saiu de casa para ganhar o mundo e hoje morro de orgulho do músico bem-sucedido que ele se tornou. A aposentadoria foi um alívio. Me afastou de obrigações chatas, me deu mais tempo para curtir a vida, estar com as pessoas que amo.

As viagens excêntricas com meu marido são algumas das melhores lembranças da minha vida. Depois que ele se foi, apesar da dor, resolvi seguir em frente. Me mudei para a casa de minha filha e meus dois netos são minha maior alegria. E aqui estou agora, rodeada de pessoas felizes, celebrando meu aniversário de 80 anos.

 Eu tive várias certezas ao longo da vida. E ainda bem que estava errada na maioria delas…

Bruna Paiva

Gostou do post? Então, comente, compartilhe e não se esqueça de seguir o blog nas redes sociais!

Siga @ADemaisblog e @BrunaPaivaC no Twitter

Curta a fanpage do Adolescente Demais no Facebook

Siga @ademaisblog e @BrunaPaivaC no Instagram

Acompanhe BrunaPaivaC no Snapchat

CLIQUE AQUI PARA VISITAR O ADOLESCENTE DEMAIS NO YOUTUBE

Verdade ou consequêcia

wp-1460629507842.jpg

Sabe, ainda lembro do que passou na minha cabeça quando te conheci.   “Bonitinho, mas muito bobo e, meu Deus, como é metido.” Tinha um rolo com uma menina mais velha e parecia nem perceber minha existência. Mas um dia você se aproximou. Conversamos por horas e, confesso, comecei a te olhar de um jeito diferente.

No fundo, você não era metido e eu não era a garota estranha que você pensou. Tinha histórias para contar e também gostava do meu escritor favorito. Zoou meu gosto musical e me fez gargalhar quando imitou o meu ídolo cantando.

Eu era de humanas, você de exatas. Continuei odiando os números. Mas passei a ver a física com outros olhos. Sua paixão pelo que fazia era comovente.

Fui apresentada a seus amigos e as minhas amigas amaram te conhecer. No meu aniversário, eu juro que não esperava o que armaram para mim. Um fim de semana na minha praia preferida. Foi incrível, foi perfeito. Uma das melhores lembranças daquela época.

Não lembro como aconteceu. Um dia olhei para o lado enquanto conversávamos e me percebi completamente apaixonada por aquele menino bonito, bobo, mas nem um pouco metido.  Resolvi sentir calada. Não queria estragar nossa amizade. Se o sentimento não fosse recíproco, eu não suportaria que você se afastasse.

Passei meses louca por você. Mas continuei agindo apenas como uma boa amiga. Aquilo me matava por dentro. Te tinha sempre por perto, porém nunca da forma que eu queria.

Você me conhecia. Percebeu que havia algo estranho. Quando perguntou se estava tudo bem, pedindo que eu confiasse em você, não consegui mais segurar. Te disse tudo o que sentia, com lágrimas descendo no rosto e soluços subindo no peito. Você escutou tudo com seriedade e esperou que eu terminasse de falar. E então me beijou, para depois dizer que esperava por esse momento desde nossa primeira conversa.

Como casal, conseguimos nos entender ainda melhor do que como amigos. Éramos um só. Ninguém pensava na Júlia sem o Daniel ou vice-versa. Nos amávamos tanto que mal podíamos conter nossos planos. Viagens, festas, família, negócios…

Depois de tantos anos juntos, eu (e todo mundo que nos conhecia) achava que íamos nos casar. Sei que também era a sua vontade. Mas então você ganhou aquela oportunidade. Físico reconhecido no Brasil convidado a estudar na Europa.

Você ainda era novo, não podia perder aquela chance. Quis me levar junto, mas minha profissão não permitia. Atriz em cartaz no teatro e com filmagens de cinema me prendendo no país. Confesso que não queria que você fosse, pensamento egoísta. Mas não disse nada porque sabia que era importante para sua carreira.

O dia chegou e nossa despedida foi estranha. Me lembrei de tudo o que passamos e como eu nem imaginava que me tornaria tão dependente de te ter comigo. Você entrou naquele avião prometendo que nada mudaria entre nós. Afirmei aquilo para mim mesma, mas no fundo eu sabia que seria difícil com um oceano nos separando.

No primeiro ano funcionou. Nos falávamos todos os dias, da maneira que o fuso-horário permitisse. Você voltou para o Natal e a saudade era tanta que só aquela semana não foi suficiente. Ainda assim, você precisou voltar para sua física. E eu para meu filme que, àquela altura, já estava próximo de estrear.

Nas primeiras semanas depois daquele Natal, a distância começou a balançar nossa relação. Era desgastante, e não tínhamos muito tempo um para o outro. Começamos a nos afastar gradualmente. O tempo curto passou a ser um grande vilão.

E foi então que eu fiz a maior burrada da minha vida. Para promover o filme, aceitei assumir um romance com meu colega de trabalho. Ideia do diretor que logo fez meu nome ir parar nos maiores sites de fofoca. Ainda mais com a notícia de uma gravidez.

Não imagino o tamanho da sua dor quando soube. Mas ainda me lembro de cada palavra que usou contra mim. Todas se cravaram no meu peito como estacas. O pior de tudo foi não poder discordar de você. Estava com raiva de mim, com razão.

Eu só não te contei que era tudo mentira. Nem que a criança em meu ventre era fruto do nosso amor. Afinal, meu novo romance era pura fachada. Não te contei porque quis te poupar. Não era justo que desistisse do seu sonho por mim. Hoje percebo que também fui injusta. Você tinha o direito de saber.

Meu namorado de fachada assumiu nossa criança quando lhe contei parte da história, dizendo que o pai era um ex-namorado. Ainda que achasse aquilo uma grande loucura. Ele era um cara legal. Acabamos nos entendendo e formando uma família, embora eu nunca o tenha amado. Ficamos juntos e educamos nossa filha. Ele se tornou um pai incrível. Mas não chega perto do que eu sei que você seria.

Sei que provavelmente me odeia. Mas logo hoje, na data de nosso primeiro beijo, nossa menina completa 15 anos. E eu não aguento mais mentir sobre a paternidade dela.

Moramos só nós duas num apartamento maior que o necessário. O “pai” dela e eu nos separamos há 10 anos. Não se mantém uma relação formada por mentira durante tanto tempo. Mas ele ama nossa Maria Clara. É linda a relação dos dois.

A única que sabia de tudo era minha mãe, que morreu há cinco meses. No funeral dela, eu só queria o seu abraço, o seu apoio. Mas quem cuidou de mim foi nossa filha. Ela é o único atenuante de minha infelicidade.

Soube que está na cidade. Visitando sua mãe junto à família que formou na França. Seus filhos são lindos, sua mulher ainda mais. E eu só queria que eles não existissem. Queria poder fazer tudo diferente. Voltar no tempo e ir com você para a Europa. Queria nossos sonhos, nossos planos, tudo realizado.

A verdade é que eu te amo. Depois de todo esse tempo, não deixei de te amar um segundo sequer. Quinze anos se passaram e eu não aprendi a viver sem você. Ainda te escrevo uma carta por dia e não suporto ver que você seguiu a sua vida porque eu fui burra demais para te manter na minha.

Bruna Paiva

Gostou do post? Então, comente, compartilhe e não se esqueça de seguir o blog nas redes sociais!

Siga @ADemaisblog e @BrunaPaivaC no Twitter

Curta a fanpage do Adolescente Demais no Facebook

Siga @ademaisblog e @BrunaPaivaC no Instagram

Acompanhe BrunaPaivaC no Snapchat

CLIQUE AQUI PARA VISITAR O ADOLESCENTE DEMAIS NO YOUTUBE

Quando a dor nos inspira na ficção – VIDEO NOVO NO AR!

Oi gente, o video desta semana é sobre um texto forte, inspirado em um momento triste da minha vida, mas que ao mesmo tempo me rendeu uma grande alegria, que foi minha primeira publicação física em um livro. “O velório do amor da minha vida” é uma ficção carregada de sentimentos reais. Para entender mais sobre o que me levou a escrevê-lo é só assistir ao vídeo acima. E se gostar, não se esqueça de se inscrever no nosso  canal do YouTube para dar uma força ao projeto do livro ADOLESCENTE DEMAIS.

Aproveito para convidar também todos para a minha a página do Wattpad (onde cada vídeo é postado com os textos que me servem de inspiração). É  no Wattpad que o ADOLESCENTE DEMAIS está se desenhando como livro. E você pode participar ativamente desse processo, deixando likes, comentários, folheando as páginas já escritas e trocando comentários com outros leitores.

Obrigada pela leitura e audiência cada vex maior!

Beijos da Bru!

CLIQUE AQUI PARA VISITAR O ADOLESCENTE DEMAIS NO YOUTUBE

 

Gostou do post? Então, comente, compartilhe e não se esqueça de seguir o blog nas redes sociais!

Siga @ADemaisblog e @BrunaPaivaC no Twitter

Curta a fanpage do Adolescente Demais no Facebook

Siga @ademaisblog e @BrunaPaivaC no Instagram

Acompanhe BrunaPaivaC no Snapchat

O ônibus do meu amor

bus-690508_1280

Não dava mais para mim. Havia cansado de tantas decepções, uma ferida atrás da outra, amores não correspondidos e tantas cicatrizes no coração. Depois do terceiro noivado arruinado, não via mais sentido nessa vida. Qual era a razão de viver num mundo onde tudo dá errado para você?

O que eu não sabia era que bem naquele ônibus estava o amor da minha vida. Sentada ao lado da única cadeira vazia, encontrava-se a mulher que Ele destinou para mim. Não sabia que ela só queria voltar para casa depois de um dia estressante, e nem que ela lia meu livro preferido. Muito menos que ela também gostava de comida japonesa.

Não sabia que começaríamos a sair naquela semana e que três meses depois estaríamos apaixonados. Não fazia ideia de que, dois anos depois daquele encontro casual, ela entraria na igreja vestida de branco enquanto todos os nossos amigos aplaudiam nosso amor.

Não tinha noção de que nossa filha teria seus olhos e a minha boca, e nem que ela cresceria e se tornaria uma grande bailarina. Não sabia que ficaríamos velhinhos juntos e nem que seria ela a primeira a partir. Não sabia que essa seria a grande história de amor que há tanto tempo buscava.

Se eu soubesse disso tudo, teria subido no ônibus. Mas não subi. Preferi dar fim à minha vida por pensar que o destino não havia me reservado ninguém. Eu me joguei na frente daquele ônibus.

É terrível descobrir só agora que ela estava lá dentro. Até tentei negociar aqui em cima, afinal, eu não sabia que ainda existia alguém para mim. Mas não colou. Continuei sendo torturado com as imagens de um futuro que eu mesmo escolhi não viver. Enquanto isso, minha alma gêmea também, por minha culpa, foi privada de viver seu grande amor.

Bruna Paiva

 

Siga @ADemaisblog  no Twitter

Curta a fanpage do Adolescente Demais no Facebook

Siga @ademaisblog no Instagram