Festa de 15 anos, vale a pena?

Moraesfoto.com.br1277Acho que essa é uma dúvida que paira na cabeça de muitas adolescentes por aí. Fazer festa, viajar ou escolher o presente dos seus sonhos? Muita gente prefere viajar porque às vezes parece até mais econômico. E talvez seja mesmo. Com o que se gasta em algumas festas de quinze anos dá pra você ir pra Disney ou pra Europa com seus pais e irmãos (claro que não se você tiver sete irmãos…). Algumas pessoas optam também por um presente com o qual sempre sonharam. Uma remodelagem total com decoração nova no seu quarto, por exemplo…

Meus pais pediram que escolhesse o que ia querer. E eu nem pensei duas vezes. Viajar, é algo que posso fazer  em qualquer época da minha vida. Festa de 15 anos não dá pra fazer depois… Sempre sonhei com a minha festa de debutante. Um sonho meu e da minha mãe.

Depois de escolher que era mesmo a festa que eu queria, a primeira coisa que fiz foi começar a imaginá-la. Como seria, para quantos convidados, aonde seria e principalmente quanto a gente poderia gastar. Meus pais trabalharam mais que em dobro para conseguir pagar a festa dos meus sonhos. Mas o que faz da festa um momento especial é o amor e a dedicação para que tudo dê certo.  Seu sonho pode se realizar e ser maravilhoso tanto num salão que mais parece um castelo como no play do prédio do seu tio. Basta ter organização e acreditar.

Os meus quinze anos foram comemorados em uma casa de festas na Ilha do Governador. Mas eu já fui a várias festas de amigas minhas que conseguiram transformar o play de seus prédios em verdadeiros salões dos sonhos.

DICA:  A dica para o orçamento não ficar apertado e sua festa poder ser organizada com calma e atenção aos detalhes é começar  a planejá-la com pelo menos dois anos de antecedência. Por isso se você tem entre 12 e 13 anos já é uma boa hora de levar um papo com sua família.

PRÓXIMO POST: No próximo texto do Especial 15 Anos vou contar  como foi que definimos o local da minha festa.

Bruna Paiva

Uma velha de 16 anos?!

pink-tilted-tiara-and-number-16-hi

“Caramba Bru, você já vai fazer 16 anoos! Tá ficando velha!”

E assim minha prima, que acaba de completar 13 aninhos, me traumatizou pelo resto do mês. Velha. Ela disse que eu estou ficando velha porque faço 16 anos nesta segunda-feira, dia 20 de janeiro. Velha com dezesseeeeeis!?

Ok. Eu prometi pra mim mesma não pirar por causa disso.  Mas aí comecei a perceber que tá realmente tudo diferente. Minha prima, que me chamou de velha, fez 13 anos ontem. E parei para lembrar como eu era na idade dela. Não faz tanto tempo assim. Mas muda muita coisa dos 13 até os 16.

O primeiro amor que não te dava bola, aquele que você sofria por não poder ter, hoje é só o primeiro babaca que passou na sua vida. Nem todos os livros de seu interesse continuam na sessão infanto-juvenil da livraria. Sua ingenuidade e sua inocência não são mais as mesmas.

Algumas amizades ficam para trás e outras novas surgem. As coisas mudam. Nem mesmo a disposição para fazer loucuras por seus ídolos é mais a mesma.  Estou melhor no ballet e escrevo melhor do que escrevia aos treze. E de repente percebo que tudo isso faz parte de crescer.

Ano que vem me formo no inglês e no espanhol. Daqui a dois anos termino o Ensino Médio e vou ter que tocar minha vida. Escolher a profissão que vou seguir, entrar para uma universidade… Um ano a mais e me formo no ballet. Uma das minhas maiores paixões e que  também está quase encerrando seu ciclo.

Não sei se já estou ficando velha. Mas espero não precisar me preocupar demais com isso. O importante é viver e fazer com que cada ano a mais na minha vida traga experiência, amadurecimento e principalmente felicidade. Que venham os 16.

Bruna Paiva