Cine Outside Rio: um evento INCRÍVEL que você não pode perder!

Você já foi num cinema ao ar livre?

O Cine Outside Rio é um evento super legal de cinema ao ar livre que vai rolar nesse fim de semana na zona portuária do Rio. O evento tem a proposta linda de promover o estímulo à cultura cinematográfica e tratar de assuntos importantíssimos como violência, homofobia, abuso sexual, preconceito e racismo.

 

A ideia é exibir cinema amador de uma forma inovadora. Os filmes apresentados são curtas de jovens cineastas que, junto com a organização do evento, aprimoraram seus trabalhos e propõe uma maior visibilidade para seus projetos.

Além dos curtas e da maravilhosa ideia de passar os filmes numa tela ao ar livre, o Cine Outside Rio também contará com  uma feira gastronômica gourmet. E, o melhor, para entrar, só é preciso levar 1kg de alimento não perecível. Ou seja, não dá pra perder, né?

O evento acontece no próximo domingo (12/11) às 18h.

Endereço: Avenida Professor Pereira Reis, 50. – Santo Cristo – Rio de Janeiro.

(O local fica bem próximo à rodoviária Novo Rio, ao lado do Hotel Ibis e da Secretaria de Educação. Dá para ir de VLT e saltar na estação Pereira Reis)

OBS: Quem quiser ir de carro e estacionar por lá pode comprar os combos pré-evento. 2 pipocas + estacionamento= 20 reais!

Mais informações vocês encontram na página do Cine Outside Rio, no Facebook.

 

Gostou do post? Então, comente, compartilhe e não se esqueça de me seguir nas redes sociais!

Siga @ADemaisblog e @BrunaPaivaC no Twitter

Curta a fanpage do Adolescente Demais no Facebook

Siga @ademaisblog e @BrunaPaivaC no Instagram

Acompanhe BrunaPaivaC no Snapchatwp-1465389060779.png

CLIQUE AQUI PARA VISITAR O ADOLESCENTE DEMAIS NO YOUTUBE

Anúncios

3 filmes nacionais para recuperar a fé no amor

Quem não gosta de uma boa comédia romântica? Daquelas que a gente termina de assistir acreditando que o amor existe de verdade e, em algum momento vai acontecer com a gente também… Se você está precisando renovar essa fé no sentimento, hoje eu trouxe uma dica de três ótimos filmes nacionais que com certeza vão te fazer suspirar.

 

  • Amor.com

Essa comédia tem como protagonista a atriz Isis Valverde e o ator Gil Coelho. Katrina é uma blogueira de moda extremamente bombada no Youtube, enquanto Fernando é técnico em informática e tem um canal de videogame que não faz tanto sucesso. Os dois se conhecem numa situação um tanto constrangedora e acabam se apaixonando. O problema começa quando o romance deles ganha uma dimensão absurda na internet. Um filme que fala sobre relacionamentos atuais e a exposição das celebridades na internet. Até que ponto é saudável viver da própria imagem? A história é divertida, mas provoca reflexão; e não tem como não torcer pelo casal.  O longa ainda traz nomes como Joaquim Lopes, João Côrtes, Alexandra Ritcher e César Cardadeiro.

 

  • Entre Idas e Vindas

Quatro amigas, um trailer e uma despedida de solteira. Era para ser uma viagem incrível. Mas a noiva descobre que foi traída. No meio do caminho, as viajantes encontram um pai e um filho precisando de carona na estrada. E o que era simplesmente uma ajuda acaba transformando a viagem numa aventura carregada de drama, paixão e transformações pessoais.  O filme, que traz nomes como Ingrid Guimarães, Fábio Assunção e Alice Braga, é leve, apesar de não ser uma comédia. Um drama bonitinho, que diverte e faz a gente repensar o amor.

 

  • Um namorado para minha mulher

O título do filme pode não parecer muito romântico. Mas é justamente da falda do romantismo que o casal Chico e Nena percebe que o amor é maior. Quando o casamento chega a uma fase em que Chico não aguenta mais a esposa, ele tem a brilhante ideia de contratar um amante profissional para seduzir a esposa (e ter um motivo plausível para pedir o divórcio). A sequência de coisas que acontece em consequência disso é engraçada e bonita demais para não te convencer de que o amor é real. O filme é protagonizado por Ingrid Guimarães, Caco Ciocler e Domingos Montagner.

 

Gostou do post? Então, comente, compartilhe e não se esqueça de me seguir nas redes sociais!

Siga @ADemaisblog e @BrunaPaivaC no Twitter

Curta a fanpage do Adolescente Demais no Facebook

Siga @ademaisblog e @BrunaPaivaC no Instagram

Acompanhe BrunaPaivaC no Snapchatwp-1465389060779.png

CLIQUE AQUI PARA VISITAR O ADOLESCENTE DEMAIS NO YOUTUBE

 

Loco Love: Uma tragédia Shakespeariana em pleno Arizona

 

Sabe quando você começa a assistir a um filme sem esperar muita coisa e acaba se surpreendendo? Foi exatamente o que aconteceu comigo quando assisti a Loco Love, recém adicionado ao catálogo da Netflix. Eu só queria assistir a alguma coisa aleatória enquanto fazia a unha. Mas acabei gostando do que via.

Um romance bem ao estilo Romeu e Julieta é a principal trama do filme. Gavin é o típico adolescente americano de classe média alta. Marisol também é americana, mas vem de família mexicana e vive na comunidade latina. O problema é que existe um impasse entre latinos e americanos no Arizona já que, devido à imigração ilegal, a mão de obra latina é mais barata e isso acaba gerando desemprego entre os americanos.

O filme traz uma importante reflexão sobre preconceito e intolerância. O pai de Gavin é radicalmente contra a entrada de latinos no país e chega a se filiar a um grupo clandestino de extermínio aos imigrantes ilegais. Ele odeia latinos antes do primeiro “olá”.  Parte da comunidade de Marisol também não suporta americanos. A discriminação vem de ambos os lados e isso fica claro desde o início da história.

Por mais estranho que isso soe, o que eu achei mais interessante no filme é que (SPOILER!) ele não tem um final feliz. É trágico. E expõe sem o menor pudor quais são as reais consequências de intolerância e “justiça” com as próprias mãos. Ninguém acaba bem na história. Disseminar ódio em vez de tentar encontrar soluções para o problema é justamente o que destrói as pessoas.

Apesar de ser um filme mexicano independente e sem muita divulgação, Loco Love toca em questões extremamente importantes e fundamentais para discutirmos a situação tenebrosa em que se encontra o mundo justamente por preconceito e fundamentalismo. A situação México X EUA é reproduzida em diversos países da Europa e, recentemente, num caso registrado em Copacabana. Além, é claro, das últimas manifestações assustadoramente nazistas nos Estados Unidos.

O preconceito, xenofobia e intolerância são problemas reais e que precisam ser, cada vez mais, discutidos e levados a sério. Loco Love faz isso e faz questão de expor o problema sem frescura. Ele grita “estão vendo a que leva tanto esforço para discriminar as pessoas? É a isso que leva: Morte, tristeza e sofrimento.”

Bruna Paiva

 

Gostou do post? Então, comente, compartilhe e não se esqueça de me seguir nas redes sociais!

Siga @ADemaisblog e @BrunaPaivaC no Twitter

Curta a fanpage do Adolescente Demais no Facebook

Siga @ademaisblog e @BrunaPaivaC no Instagram

Acompanhe BrunaPaivaC no Snapchatwp-1465389060779.png

CLIQUE AQUI PARA VISITAR O ADOLESCENTE DEMAIS NO YOUTUBE

10 Filmes para quebrar preconceitos

Oi, pessoal! Eu sei que vocês adoram uma lista com dicas de filmes. Então, no post de hoje, eu trouxe 10 filmes incríveis que vão te botar para pensar e, quem sabe (tomara), quebrar alguns de seus preconceitos. São filmes que eu amo e acho super importantes, histórias que valem a pena serem assistidas.

  • A gang está em campo

Na primeira vez em que vi esse filme, me apaixonei por ele. Mas não sabia o nome, então fiquei anos sem saber que filme era aquele. Quando a Netflix colocou ele no catálogo, eu surtei. Assisti mil vezes!

Um ex-jogador de futebol americano é oficial de justiça num centro de detenção juvenil. Com a intenção de instalar ordem e disciplina no local, ele resolve criar um time de futebol americano. Ele treina os detentos e os leva para jogar nos campeonatos estaduais. É um filme extremamente tocante que mostra que ninguém está livre de cometer um crime…

 

  • Filadélfia

Um advogado descobre que tem Aids e é demitido. Ele, então, procura um colega de profissão para processar a empresa. Acontece que o advogado contratado também tem seus preconceitos contra os portadores do vírus HIV e com a comunidade LGBT. A evolução da relação dos dois e do envolvimento do advogado com o caso é, sem dúvidas, a parte mais bonita do filme. O próprio personagem quebra seus preconceitos durante a história. E, pode ter certeza, não dá para não chorar.

 

  • Uma lição de vida

Um senhor de 84 anos que não sabe ler quer estudar. Numa comunidade queniana, em que a escola primária mal suporta a quantidade de crianças, o idoso luta pelo seu direito ao conhecimento. A história é real e um tapa na cara de quem está assistindo. Que filme incrível! Chorei horrores. É uma verdadeira inspiração de vida.

 

  • Intocáveis

Um homem milionário e paraplégico contrata um cara da periferia para ser seu cuidador. A maneira como um acaba aprendendo com o outro durante o filme é sensacional. O carinho e a amizade que surge da relação patrão-empregado fica ainda mais bonito quando descobrimos que a história é real.  Um filme que vai contra diversos padrões e estereótipos. O filme francês é incrivelmente tocante e foi um dos maiores sucessos de bilheteria do país.

 

  • A Cura

Criança é o ser mais puro que existe. E, ao contrário do que muita gente dá a entender por aí, elas têm muito a nos ensinar. No filme A Cura, um garoto deixa de lado todo o preconceito da família e dos colegas e cria uma bonita amizade com seu vizinho, que é soropositivo. Quando os dois descobrem que um médico encontrou a suposta cura para a Aids, eles resolvem dar um jeito de chegar até ele. É um filme lindo, extremamente tocante e que, por ser protagonizado por crianças, bota a gente pra pensar melhor sobre nossos preconceitos…

 

  • Histórias Cruzadas

Um filme de época que me deixa arrepiada só de pensar. Histórias Cruzadas se passa nos anos 60 e conta a história de uma jornalista que está escrevendo sobre as empregadas domésticas no Mississipi. Ela entrevista diversas mulheres negras que vivem em função de suas patroas e servem à elite branca do lugar. São as histórias dessas mulheres que dão vida ao filme. E que filme! A trama, que rendeu um Oscar para a coadjuvante Octavia Spencer, nos envolve e faz o espectador rir e se emocionar.

 

  • Os Estagiários

Dois velhos amigos estão desempregados e resolvem se inscrever para a seleção de estagiários do nosso tão amado Google. Mas, quando chegam lá, percebem que são os mais velhos entre seus concorrentes. A maioria dos mais jovens logo descarta os dois. Mas, ao longo do filme, eles provam que a gente sempre tem algo a aprender com quem é diferente. Esse filme deveria ser assistido por todos os jovens do mundo. Quantas vezes você já perdeu a paciência porque sua avó não conseguia entender a diferença entre 3g e Wi-fi? Os Estagiários acaba com esse preconceito bobo e mostra que todo mundo é capaz de fazer aquilo a que se propõe.

 

  • Um sonho possível

A história do jovem de periferia que tem talento para o futebol americano, mas não uma estrutura familiar, é verídica. O filme, que rendeu um Oscar para Sandra Bullock, conta a história de Big Mike. O jovem entra para o time de futebol americano e acaba fazendo amizade com um colega. SJ, que no início tinha medo de Big Mike, passa a ser seu único amigo. Mas é a mãe dele quem muda a história de Big Mike. O jovem passa a morar na casa da família e acaba sofrendo preconceito das pessoas em volta. É um filme para chorar muito e terminar a sessão com a mão na consciência.

 

  • Que horas ela volta

Um nacional nessa lista não pode faltar, né? É para quebrar os preconceitos expostos na trama e o de muita gente contra o nosso cinema. Que horas ela volta é um filme lindo estrelado pela Regina Casé. Quando a jovem Jéssica sai do Nordeste para morar com a mãe, na casa dos patrões, a fim de fazer vestibular, ela tem dificuldades de entender a hierarquia da casa. É um filme bonito que expõe a nossa cultura de relação patrão-empregado de maneira a botar qualquer um para pensar.

 

  • A teoria de tudo

Um gênio com uma doença degenerativa. Um homem que tem um cérebro brilhante, mas um corpo que o trai. A teoria de tudo foi um dos filmes mais tocantes que eu já vi. A história real do físico Stephen Hawking coloca qualquer um para pensar sobre a própria vida. As limitações para ser quem você quer estão em você mesmo, cabe a você acatá-las ou seguir em frente do jeito que der.

Gostou do post? Então, comente, compartilhe e não se esqueça de me seguir nas redes sociais!

Siga @ADemaisblog e @BrunaPaivaC no Twitter

Curta a fanpage do Adolescente Demais no Facebook

Siga @ademaisblog e @BrunaPaivaC no Instagram

Acompanhe BrunaPaivaC no Snapchatwp-1465389060779.png

CLIQUE AQUI PARA VISITAR O ADOLESCENTE DEMAIS NO YOUTUBE

10 filmes incríveis que se passam na escola!

A escola é uma fase pela qual todo mundo tem que passar. Quem não lembra (com carinho, ou não) dessa época? Já até falei sobre isso em um vídeo lá no canal, clique aqui para assistir. Diversos filmes, livros e séries são ambientados nesse cenário escolar para contar vários tipos de histórias. No post de hoje, trouxe para vocês 10 filmes incríveis que se passam na escola. A maioria deles está no Netflix!

1-      The Duff

Esse é um dos que eu vi mais recentemente, cheguei até a indicar num dos favoritos do mês. The Duff conta a história de uma menina que descobre ser a “amiga feia” do grupo. Ela resolve então pedir a ajuda de um amigo para se tornar mais popular. O filme é muito lindinho e é todo ambientado no ensino médio americano.

 

2-      Perfume de Mulher

Esse filme de 1992 é lindo demais. O drama conta a história de um ex militar, cego que quer realizar um sonho antes de morrer e um jovem estudante que tem problemas com um professor meio babaca. O filme não se passa inteiro na escola, mas a evolução do estudante durante a trama é incrível.

 

3-      Hoje eu quero voltar sozinho

Esse filme nacional é muito bonito e pouco conhecido. Eu descobri no Netflix, completamente sem querer. É a história de um menino cego que tem poucos amigos na escola e sofre bullying pela deficiência. O filme explora assuntos como amizade, amor, preconceito e homossexualidade. É um drama muito bonitinho.

 

4-      Clube dos cinco

Esse é um clássico do cinema e da sessão da tarde, e eu amo demais. Cinco alunos com personalidades completamente diferentes, estão na detenção e precisam cumprir horas de um tedioso castigo na escola. A evolução do relacionamento dos cinco é o melhor do filme. Eles começam o castigo se odiando, mas depois vão se conhecendo melhor. É um filme lindo sobre amizade e quebra de preconceitos…

 

5-      Vem dançar

Esse é um dos meus filmes preferidos da vida e acho que já falei sobre ele em alguma lista aqui no blog. Em Vem Dançar, o personagem de Antônio Bandeiras é um professor conceituado de dança de salão que resolve ensinar os alunos de uma escola pública. A diretora, desacreditada, dá para ele a turma em detenção, “os rejeitados da escola”. O que ele faz com aqueles alunos é incrível e uma das lições mais lindas que eu já vi.

 

6-      A mentira

Depois de uma pequenas mentiras para sua amiga, Olive acaba inventando que perdeu a virgindade com um cara da faculdade. A notícia acaba se espalhando e a menina ganha fama de fácil e vadia na escola. O sensacional é que ela resolve se apropriar daquela fama, mesmo sem ser ou fazer nada do que falavam. É uma comédia romântica que tem uma mensagem super legal e um final surpreendente.

 

7-      Sociedade dos poetas mortos

Numa escola super conservadora, em que os alunos não podem nem respirar fora da curva, um professor resolve ser diferente. O professor novo de literatura faz os alunos se interessarem mais pela disciplina e quererem mudar mundo em que vivem. O resultado e a mudança em cada aluno é incrível. Esse filme é lindo e emocionante demais.

 

8-      As melhores coisas o mundo

Esse filme é nacional, pouca gente conhece, mas eu assisti na estreia. Isso porque o elenco conta com meu adorado Fiuk. As Melhores Coisas do Mundo conta a história de Mano, um adolescente que além de enfrentar a separação dos pais, sofre bullying e quer aprender a tocar guitarra para impressionar uma garota. A trama também traz Pedro, irmão de mano que sofre de depressão e Carol, melhor amiga de Mano que se apaixona pelo professor. É um filme para te fazer rir, chorar e refletir ao mesmo tempo. Vale muito a pena.

 

9-      El club de los incompreendidos

Esse filme me lembra bastante o item 4 da lista (O clube dos cinco). A circunstância em que os jovens se conhecem é diferente, mas a evolução da relação entre eles é incrível. Um filme sobre amizade, amor, quebra de preconceitos. Ao mesmo tempo fofo e pesado.

 

10-  A Fera

O garoto mais popular da escola é um babaca que se acha no direito de tratar os outros da maneira que quiser. Após ser chamada de bruxa, uma aluna que realmente tem poderes sobrenaturais, joga um feitiço no colega de classe. O popular que sempre foi lindo vira uma criatura horrenda e precisa lidar com isso e quebrar a maldição. É um filme lindo que fala sobre preconceitos e superação.

 

Gostou do post? Então, comente, compartilhe e não se esqueça de seguir o blog nas redes sociais!

Siga @ADemaisblog e @BrunaPaivaC no Twitter

Curta a fanpage do Adolescente Demais no Facebook

Siga @ademaisblog e @BrunaPaivaC no Instagram

Acompanhe BrunaPaivaC no Snapchatwp-1465389060779.png

CLIQUE AQUI PARA VISITAR O ADOLESCENTE DEMAIS NO YOUTUBE

A Telecine me convidou para a pré-estreia de Tartarugas Ninja!

wp-1465389056145.jpg

Esta semana, o pessoal da Telecine convidou o Adolescente Demais para conferir a pré-estreia exclusiva do filme As Tartarugas Ninja: Fora das Sombras, com lançamento nacional programada para o dia 16 de junho.

A sessão aconteceu no Kinoplex Premium do Shopping Rio Sul, que foi inaugurado há pouco tempo e eu ainda não conhecia. E amei! Aliás, nunca tinha ido num desses cinemas Premium, e quem me segue no Snapchat percebeu como eu me diverti com aquela sala incrível e, principalmente, as poltronas que reclinam até virarem cama… O lugar estava todo decorado com o tema das Tartarugas mais loucas do cinema. Eu, claro, fui parando de pôster em pôster para tirar fotos…

wp-1465390399583.jpg

Com meu irmão mais novo num dos pôsteres das Tartarugas!

O novo filme das Tartarugas Ninja é bem divertido. É claro que se você for esperando um filme mega cabeça para fazer pensar, vai sair decepcionado. Também não dá para reclamar que o filme “viaja demais”. Afinal, os salvadores da cidade são quatro tartarugas adolescentes e mestres em artes marciais. Se não tiver viagem, não faz sentido nenhum. Mas é uma ótima pedida para assistir com as crianças. Eu levei meu irmão mais novo e ele também gostou bastante.

Eu confesso que adoro as quatro tartaruguinhas, viu? Eles são muito fofos e eu me identifico um pouquinho com cada um, apesar de terem personalidades totalmente diferentes…

No filme, Leonardo, Rafael, Donatello e Michelangelo, vão enfrentar novos vilões que se aliam aos antigos inimigos, como o Destruidor. Com a ajuda de sua amiga humana April (Megan Fox), e de um policial afastado, bem gato inclusive, interpretado pelo Stephen Amell, as Tartarugas Ninja fazem de tudo para proteger sua cidade. E dão até uma passadinha pelo Brasil. Pena que nosso querido país é mais uma vez retratado apenas como uma grande floresta.

wp-1465390427882.jpg

Também ganhei vários bloquinhos lindos com temas de filmes. Amei!

Além de ter muita ação, lutas e explosões, o filme passa algumas mensagens bacanas.  Fala sobre gostar de si mesmo e aceitar quem você é, fala também sobre essa relação de irmãos em que a gente está sempre brigando, mas no fundo se ama.

Eu adorei a experiência e fiquei muito feliz com o convite. Dentro da sala, cada convidado ganhou uma caixinha da Telecine com vários bloquinhos. Cada um mais lindo do que o outro. Tem capa dos Minions, Star Wars, Cinderella, Divertidamente e muitos outros; fiquei encantada. Muito obrigada, Telecine, foi uma noite muito divertida.

Contei tudo em tempo real lá no meu Snapchat, se ainda não segue, o snapcode está logo abaixo!

Bruna Paiva

Gostou do post? Então, comente, compartilhe e não se esqueça de seguir o blog nas redes sociais!

Siga @ADemaisblog e @BrunaPaivaC no Twitter

Curta a fanpage do Adolescente Demais no Facebook

Siga @ademaisblog e @BrunaPaivaC no Instagram

Acompanhe BrunaPaivaC no Snapchatwp-1465389060779.png

CLIQUE AQUI PARA VISITAR O ADOLESCENTE DEMAIS NO YOUTUBE

 

Você também vai querer ser Beth Levitt

wp-1455973510701.jpgSabe aquela história de “não julgue o livro pela capa”? Não funciona comigo. Confesso, sou influenciada, e muito, pela capa antes de comprar um livro que não conheço. Em qualquer produto, se a embalagem é bonita, é fato que atrai mais atenção. Foi assim que cheguei a Quero Ser Beth Levitt. Um livro que tem uma bailarina na capa simplesmente precisava fazer parte da minha coleção.

Amelie Wood perdeu os pais bem novinha. Desde os doze anos vive em um orfanato de meninas. As mudanças em sua vida começam quando ela completa 18 anos e é obrigada a deixar o abrigo. Seu único bem até então era um exemplar do livro preferido de sua mãe, que acabou tornando-se seu. Uma sequência de loucas coincidências acaba levando Amie para um destino que ela nunca imaginou.

Admito que, no início, me decepcionei. E se você pegar o livro com a mesma expectativa que eu, vai se decepcionar também. Comprei esperando que fosse sobre ballet e que o tema principal fosse a dança. Não é.

A história tem pouco de dança. E algumas passagens são de deixar qualquer bailarina louca. Como quando Amie diz que sua roupa de ballet era uma calça legging, blusa baby-look verde-clara e os cabelos presos em um rabo de cavalo. Ainda assim, eu deixei passar e continuei a leitura. Não podia ter feito escolha melhor…

Amie acaba parando no universo cinematográfico. O leitor acompanha todo o processo de gravação de um filme e acaba se envolvendo com a história.

Não quero dar muito spoiler na resenha porque o que mais gostei nesse livro foi não fazer ideia do que viria pela frente. Há uma sequência de acontecimentos que tiram o fôlego. E, cada surpresa, tem um gostinho especial.

Apesar de uma inicial decepção, a história, que foi parar no mundo do cinema, me cativou e me apaixonei pelos personagens.  Dava vontade de ir lá abraçar a Amie em algumas partes do livro. E, meu Deus, o que é Chris Martins? Quero para mim!

É o tipo de livro em que você se apega ao personagem, torce, se emociona e sofre junto com ele. No final era eu quem queria ser Amelie Wood. A autora, Samantha Holtz, tem uma escrita incrível, que, mesmo com um calhamaço de 543 páginas, não te deixa parar a leitura. A cada página, você sente vontade de ler mais cinco. A história é envolvente, bem roteirizada e a narrativa muito gostosa de ler. Fiquei morrendo de vontade de conhecer outras obras de Samantha.

Quero ser Beth Levitt definitivamente não é um livro sobre dança. Mas com certeza vai te encantar a cada linha.

Bruna Paiva

Gostou do post? Então, comente, compartilhe e não se esqueça de seguir o blog nas redes sociais!

Siga @ADemaisblog e @BrunaPaivaC no Twitter

Curta a fanpage do Adolescente Demais no Facebook

Siga @ademaisblog e @BrunaPaivaC no Instagram

Acompanhe BrunaPaivaC no Snapchat

10 filmes que mudaram a minha vida

Sabe aquele tipo de filme que mexe com você de um jeito que não dá nem para explicar? Comigo acontece sempre. Alguns filmes realmente fizeram a diferença no meu jeito de ver o mundo. Resolvi fazer uma listinha e contar para vocês 10 filmes que mudaram a minha vida. Aproveitem as férias que estão chegando e assistam, não vão se arrepender! Ah, muitos deles estão disponíveis no Netflix.

  • Ponte para Terabítia

Precisei pausar o filme para recuperar o fôlego depois de tanto chorar. “Ponte para Terabithia” é um filme que passa a impressão de ser destinado a crianças, mas a filosofia por trás da história é profunda demais. O filme fala de amor, amizade e da importância de se dar asas à imaginação. Uma das frases que eu mais amo nele é “Feche os olhos e deixe a mente bem aberta”

 

  • Um Ato de Coragem

Um menino precisa de um transplante de coração urgente. Como as coisas começam a se complicar no hospital e ninguém dá muita atenção para o caso do menino, seu pai toma uma atitude extrema. Ele sequestra uma ala do hospital e diz que só liberará os reféns quando seu filho receber o transplante.

Um filme que, com um enredo original, fala de esperança, faz uma crítica às listas de espera de transplantes de órgãos e, principalmente, retrata o amor incondicional de um pai por seu filho. Ufa! “Um Ato de Coragem” mostra que qualquer um pode cometer loucuras quando não vê outra saída. O filme tira o fôlego e te deixa num dilema terrível quanto a defender ou não o protagonista quando ele começa a passar dos limites. (Tem no Netflix)

 

  • Uma Prova de Amor

Depois de descobrirem que sua filha, aos dois anos de idade, sofre de leucemia, os pais aceitam uma ousada proposta médica: gerar um feto geneticamente programado para ser compatível com a irmã. Onze anos se passam e a filha mais nova já sofreu diversas cirurgias de doação para a irmã. Até que toma uma decisão tão ousada quanto a de seus pais: ela os processa pedindo emancipação médica, para que possa fazer de seu corpo apenas o que quiser.

Prepare-se para chorar do início ao fim. Sem exagero algum, não dá para segurar as lágrimas em nenhum momento dessa história. O espectador entra no dilema dos personagens e não tem como não levantar questões como até onde a ciência deve ir? E qual o limite para salvar alguém? (Tem no Netflix)

 

  • Um Olhar do Paraíso

Uma menina de 14 anos é assassinada brutalmente e ninguém encontra um culpado. Os anos se passam e o espírito dela continua a rondar sua casa e família querendo se vingar do assassino. O impasse da menina que não consegue aceitar a própria morte faz qualquer um pensar melhor antes de reclamar da vida. Não damos valor ao que temos até perdermos. O filme me deixou tão chocada que eu não consegui sequer chorar. A última frase ecoa em minha cabeça até hoje “Meu nome é Suzie Salmon fui assassinada quando tinha 14 anos. Desejo a todos vocês uma vida longa e feliz” (Tem no Netflix)

  • A Gang está em Campo

Já imaginou um time de futebol americano formado por detentos? Bom, esses são os Mustangs. Quando um ex jogador de futebol americano resolve treinar presos para o campeonato estadual, ninguém dá muito crédito. A história é um exemplo de que superação é uma questão de correr atrás de seus objetivos. Não tem como não se emocionar ou não torcer para os Mustangs. Todos podem se recuperar e aprender a ser pessoas melhores, basta que lhes sejam mostrados caminhos diferentes. (Tem no Netflix)

 

  • Um Amor Para Recordar

O pano de fundo é clichê, eu sei. A nerd religiosa e o bad boy do colégio começam a estudar juntos e, subitamente, se apaixonam. Entretanto, tudo muda quando ele descobre que a menina tem uma doença terminal. Uma história de amor que sensibiliza e mostra que, quando se tem amor à vida, não importa quanto tempo ainda lhe resta. Tudo depende da sua vontade de viver o tempo que ainda tem. O namorado, apaixonado, resolve ajudar a menina a aproveitar cada dia como se fosse único. (Tem no Netflix)

 

  • Sete Vidas

Depois de provocar, sem querer, um acidente que levou à morte sete vítimas, um homem decide que precisa salvar sete vidas. A forma com que ele faz isso é extremamente emocionante. O filme fala sobre culpa e, mais uma vez, sobre o valor de uma vida. A coragem do personagem de Will Smith é admirável. (Tem no Netflix)

 

  • A Teoria de Tudo

Já falei desse filme aqui no blog. Um dos maiores merecedores de Oscar dos últimos tempos. Acha sua vida difícil? Conheça a de Stephen Hawken. Uma história de superação que me fez sair do cinema me achando a maior das egoístas por reclamar da minha vida.

  • Vem Dançar

Também já citei esse filme aqui no blog. Superação, preconceito e diferenças sociais são exploradas de forma bonita e cativante. Os excluídos da escola são obrigados a fazer aulas de dança de salão. A dedicação deles para vencer o campeonato e o preconceito das pessoas é linda.

  • Anjos da Vida

Chorei, chorei e chorei. Ashton Kutcher, como sempre, emociona. Mas esse filme não tem nada de comédia romântica. Ele é aluno de um treinador da guarda costeira. O lema da equipe do cara é “manter os outros vivos”. Não tem como não refletir com esse filme. Um completo ensinamento sobre o valor da vida dos outros.

Bruna Paiva

 

 

Para Sempre Alice X A Teoria de Tudo

Eddie Redmayne e Julianne Moore, ganhadores dos prêmios de melhor ator e atriz no Oscar 2015

Eddie Redmayne e Julianne Moore, ganhadores dos prêmios de melhor ator e atriz no Oscar 2015

Ok, eu sei que já se passou um mês desde o Oscar. Mas, assisti a dois dos filmes que foram premiados esse ano e precisei falar deles por aqui. São eles: “A Teoria de Tudo”, que rendeu à Eddie Redmayne o prêmio de melhor ator, e “Para Sempre Alice”, que consagrou Julianne Moore como a melhor atriz do Oscar 2015.

Theory-of-Everything

A Teoria de Tudo

 

Vou começar falando sobre “A Teoria de Tudo” porque foi o que eu assisti primeiro. Simplesmente A-M-E-I o filme. A emocionante história do físico Stephen Hawking é contada brilhantemente durante a trama. Não assisti aos outros indicados, mas Eddie com toda a certeza mereceu o prêmio.

O ator sofre uma tremenda transformação no longa e provoca lágrimas em qualquer um. A história de superação de Stephen e a devoção de sua mulher, Jane, me fez refletir em quantas vezes eu já pensei em desistir das minhas coisas.

theory-of-everything-makeup-artist-jan-sewell-600x300

Eddie Redmayne fora do filme à esquerda e na pele de Stephen Hawking à direita

Caramba, o cara é um gênio preso dentro do próprio corpo e, mesmo sem poder falar ou se mexer, ainda produz muito e é cultuado mundialmente em seu meio. Você realmente acha que sua vida está difícil? A Teoria de Tudo inspira e dá vontade de viver, de fazer a diferença na vida das pessoas.

Outra coisa que chamou minha atenção foi descobrir que o ator, que fica idêntico ao físico, é um gatinho na realidade. A comparação é impressionante, como vocês podem ver na foto ao lado. O ator que é britânico já participou de filmes como Os Miseráveis, O Destino de Júpiter e Sete Dias Com Marilyn

Baseado no livro escrito por Jane, A Teoria de Tudo é MUITO bem amarrado. Surpreendeu- me e já está entre os meus filmes preferidos de 2015!

StillAliceBanner2-754x320

Para Sempre Alice

 

Em contrapartida, Para Sempre Alice me decepcionou. A história é emocionante e a atuação de Julianne Moore inquestionável. Guardadas as proporções, ela também mereceu muito o prêmio. O que me frustrou foi o filme em si.

Achei o enredo mal amarrado e algumas partes pouco exploradas. Sem dar spoiler porque odeio isso, algumas sacadas muito boas foram jogadas sem mais nem menos. Em determinado ponto parece que o diretor simplesmente se cansou do filme.

Uma história linda que consegue ao mesmo tempo ter como tema amor, conflitos familiares, força de vontade e a ânsia pela vida. Não vou negar que chorei. A luta de Alice Hawland contra o mal de Alzhaimer também mostra que vontade de viver é o melhor meio para enfrentar obstáculos. Mas o longa poderia emocionar mais se tivesse sido melhor explorado.

Kristen Stewart como Lydia Howland

Kristen Stewart como Lidya Howland

Além de Julianne Moore, o elenco conta com a presença de Kristen Stewart como coadjuvante. A atriz, que fez sucesso na pele de Bella da Saga Crepúsculo, mostra que evoluiu e amadureceu na atuação, apesar de ainda não dar nenhum show de expressividade.

Os dois filmes me emocionaram. E, apesar de minha total preferência por A Teoria de Tudo, indico os dois para quem gosta de histórias que fazem você refletir sobre o que tem feito da sua vida.

E você? Já assistiu a algum dos dois? Gostou? Conta aqui nos comentários!

Beijos,

Bruna Paiva

Imagens: Reprodução

Siga @ADemaisblog  no Twitter

Curta a fanpage do Adolescente Demais no Facebook

Siga @ademaisblog no Instagram

Enganadas por Hollywood?!

reprodução

Quem nunca imaginou o cara ideal? Que atire a primeira pedra a garota que nunca se pegou sonhando com um romance de cinema. Daqueles que desde pequenas iludem a gente. Que fazem você esperar pelo dia em que será feliz para sempre com eles.

Ah, qual é,  quem nunca quis um cara que te conquistasse todos os dias igual ao Henry de Como Se Fosse a Primeira Vez? Ou quem sabe o valentão do colégio que resolve mudar a postura porque se apaixonou por você?

Um cara que viaja milhas de distância e aparece na sua porta cantando “I’ll Be There For You” como em De Repente é Amor. Ou o namoradinho de infância que volta, ainda apaixonado, fazendo as maiores loucuras pra ficar com você?

Ou talvez um cara que aparece do nada quando você tá na pior, te ajuda e de repente ele é o amor da sua vida… Um cara aparecendo com uma caixa de som na sua janela, ou erguendo os braços em sinal de vitória por ter te conquistado.

Um cara que atravessa toda a cidade correndo para chegar a tempo de se declarar pra você. Ou o que luta pelos seus sonhos e faz qualquer coisa para estar ao seu lado…

Se alguma garota me disser que nunca sonhou com nada disso, eu sinceramente não vou acreditar. Principalmente depois de uma sessão de cinema, qual a menina que nunca se imaginou com um cara como os personagens de Ashton Kutcher e companhia?

O grande problema é: POR ONDE ANDAM ESSES CARAS? Se, como eu, você também foi enganada por Hollywood, bem vinda ao clube!

Ok, não dá pra afirmar que eles não existem. Não sei se algum dia eles chegam realmente. Talvez ainda vá aparecer um cara cantando “I’ll Be There For You” na minha porta… Mas por enquanto, minha vida não se parece em nada com as comédias românticas que me iludem desde a infância…

Bruna Paiva