Como conheci o “idiota” do Felipe Neto

Felipe Neto imitando a Bella, de Crepúsculo

A maior parte das pessoas que me conhece sabe que eu sou, desde os 11 anos de idade, incondicionalmente fã do cantor e ator Fiuk. Já viu tudo né? Em meados de 2010, quando eu tinha 12 anos,  Felipe Neto fez um vídeo chamado “Fiukar”. Nele, criticava o comportamento dos ídolos adolescentes em geral, não só o meu ídolo. Porém, isso gerou uma polêmica com o Fiuk, os dois discutiram pelo Twitter e rolou o maior estresse.  O Felipe Neto foi atacado de todos os modos possíveis pelas fãs do Fiuk. E eu estava desse lado da moeda, mesmo sem nunca ter assistido nenhum vídeo dele.

Quando meu pai viu a briga sendo noticiada, e eu me metendo, veio me perguntar “quem é esse tal de Felipe Neto?” Minha resposta?

“Ah pai, é um idiota que aproveita a fama alheia pra falar mal dos outros e tentar fazer sucesso.”

Sim, era isso que eu aos meus 12 anos pensava do tal de Felipe Neto que acabara de falar mal do meu maior ídolo pra quem quisesse ouvir. O pior, ou melhor, é que meu pai  resolveu que ia assistir porque “devia ser engraçado”. Comecei a ouvir meu pai gargalhando na sala assistindo ao vídeo Crepúsculo, e então ele me chamou e me fez assistir também. A ideia não me agradou muito, já que, como quase todas as meninas da minha idade na época, eu gostava da saga de livros e filmes. Porém, assistindo ao vídeo, eu acabei achando aquilo engraçado, porque no fundo tudo o que ele tava falando fazia algum sentido. Era a mais pura verdade. Mas eu não podia dar o braço a torcer e falar que o cara que falava mal do meu ídolo era engraçado. Me segurei o máximo possível pra não rir daquilo.

Depois, meu pai ainda me fez assistir o “Fiukar”. E eu pensei “meu Deus tem muita verdade aqui” e depois eu pensei “ eu não posso rir desse idiota falando mal do amor da minha vida”. Na hora, eu não assumi que tinha achado graça, mas depois, sozinha, eu passei a assistir todos os vídeos que ele postava. E comecei a virar espectadora assídua do Não Faz Sentido. Daí pra fã foi um pulo.

Pode parecer estranho, mas eu acabei virando fã do cara que falou mal do meu ídolo. Porque o que ele fazia não era falar mal simplesmente por falar mal. Tinha inteligência no humor dele. Alguns dos pontos criticados por Felipe Neto realmente mereciam a crítica, até mesmo nos vídeos em que falou de cada um de meus ídolos e coisas de que eu gostava.

Nos últimos três anos, eu acompanhei o Felipe Neto no Youtube a cada vídeo postado. E quando soube que lançaria um livro sobre a história do “Não Faz Sentido”, este entrou na minha lista de compras na bienal. Mas eu não pude ir ao dia do lançamento, quando ele distribuiria autógrafos. Nesse dia meu pai ia trabalhar e não tinha como me levar. Não gostei, mas fazer o que?

Só que no dia dos autógrafos, uma amiga minha foi. E quando estava na fila, me chamou no Facebook pra perguntar onde eu tinha comprado o livro. A gente começou a conversar e ela contou que tinha conseguido senha pra ver o Felipe e que  falaria com ele. Eu, brincando com ela, falei assim: “Não quer tentar pegar um autógrafo pra mim não? Em qualquer pedaço de papel haha”.  Ela me levou a sério e pediu um autógrafo pra mim!  Quando nos encontramos ela me deu um marcador de livro autografado atrás:

2013-09-13 18.16.27

Eu amei, claro, e guardo com o maior carinho dentro do livro que li em dois dias porque não consegui largar, só parava de ler pra dormir, literalmente…Veja aqui a minha resenha do livro.

Gosto de contar essa história porque muita gente faz exatamente o que eu fazia, julgar sem conhecer. Já aconteceu a mesma coisa comigo com uma banda da qual hoje também sou uma fã incondicional. Então, fica a dica: antes de repetir o que os outros falam, procure conhecer o que você está criticando. Porque no fundo, meu amigo, o que o cara ta falando pode fazer sentido…

Bruna Paiva

Gostou do post? Então, comente, compartilhe e não se esqueça de seguir o blog nas redes sociais!

Siga @ADemaisblog e @BrunaPaivaC no Twitter

Curta a fanpage do Adolescente Demais no Facebook

Siga @ademaisblog e @BrunaPaivaC no Instagram

Acompanhe BrunaPaivaC no Snapchatwp-1465389060779.png

CLIQUE AQUI PARA VISITAR O ADOLESCENTE DEMAIS NO YOUTUBE

No fundo, faz sentido!

Não Faz Sentido-por trás da câmera; Autor: Felipe Neto; Editora: Casa da Palavra

Não Faz Sentido-por trás da câmera;
Autor: Felipe Neto;
Editora: Casa da Palavra

Felipe Neto. Desde 2010 esse nome tem estado constantemente em todas as redes sociais, certo?  Os vídeos de sucesso arrebatador renderam ao seu autor um livro contando a história do canal “Não Faz Sentido”.  O livro foi lançado na última Bienal do Rio de Janeiro, e eu, como assistia e gostava dos vídeos, comprei para ler. E amei.

Se tem uma coisa que eu amo, como vocês bem sabem, é ler. E quando soube que o Felipe Neto tinha lançado um livro, comprei na primeira oportunidade. “Não Faz Sentido por trás da câmera” não é uma biografia do autor, mas sim do seu canal do Youtube, que bombou entre abril de 2010 e junho de 2013. É uma literatura irreverente e que diverte até mesmo quem não tem o hábito da leitura.

Ele narra a história da criação do vlog, suas frustrações, os efeitos da fama, os conflitos com alguns criticados… Em 271 páginas, Felipe Neto conta coisas que muitas pessoas, como eu, sempre quiseram saber.  Qual a história por trás do vídeo Crepúsculo, um dos mais acessados?  O que aconteceu de verdade no conflito com o Fiuk? Quais as conseqüências que algumas críticas trouxeram para o Felipe,moral e psicologicamente?  Tudo isso é contado pelo próprio, de um jeito que vai fazer com que você não consiga parar de ler.

WP_20131225_008

O livro traz também curiosidades interessantes. Você acreditaria se eu te contasse que Felipe Neto já foi comparado ao Edward Cullen, vampiro da saga Crepúsculo? Você sabia que o vídeo sobre as Eleições virou pauta de uma reunião da presidente Dilma? E que esta pensou em proibí-lo de fazer novos vídeos sobre o tema? Sabia que Felipe Neto chegou a entrar em depressão com as mentiras e efeitos negativos que a fama lhe trouxe? Eu não sabia e amei descobrir cada uma dessas coisas contadas por ele mesmo.

Chegou uma hora em que não podia mais ler em público sem parecer retardada rindo sozinha. Um dia eu estava lendo em sala de aula, depois de terminar uma prova, e comecei a rir, mas eu não podia rir alto porque ainda tinha gente fazendo prova. Então eu tentava segurar o máximo que  podia, mas quando chegou o capítulo Crepúsculo não aguentei. Um amigo meu, sentado na minha frente, olhou pra trás e perguntou “ta tão engraçado assim?” aí ele, que também já havia entregue a prova, virou o livro de lado e começou a ler junto comigo. Resultado? Dois idiotas rindo sozinhos no meio de uma sala cheia de gente querendo silêncio. 

Com o prefácio por Rafinha Bastos, um dos humoristas mais polêmicos da atualidade,  “Não Faz Sentido por trás da câmera” traz muito humor, mesclado também com partes sérias, durante toda sua narrativa. Sinceramente, acho que nunca ri tanto lendo…

Super indico o livro pra quem quer que seja…Não acredito que alguém vá se arrepender.

Bruna Paiva

Siga @ADemaisblog  no Twitter

Curta a fanpage do Adolescente Demais no Facebook

Siga @ademaisblog no Instagram