5 filmes (na Netflix!) para curtir o inverno

Finalmente o inverno chegou. Minha estação preferida demorou, mas até que enfim o friozinho chegou até no Rio de Janeiro. Eu acho esse clima maravilhoso para qualquer coisa, na verdade. Mas sei que, para muita gente, o friozinho é sinônimo de tempo para ficar em casa. Então trouxe cinco filmes (que estão disponíveis na Netflix!) incríveis para assistir sozinha ou acompanhada, desde que com o combo pipoca, brigadeiro e edredom!

  • Lion: uma jornada para casa

Esse filme foi indicado ao último Oscar e me deixou encantada. Lion conta a história de um menino indiano que se perde da família e acaba sendo criado por um casal na Austrália. Mas, 25 anos depois, ele resolve procurar pela família biológica. É uma história real que me fez chorar pra caramba. O filme é lindo demais e o ator mirim Sunny Pawar é uma criança tão apaixonante que não tem como não se emocionar. Dev Patel, que faz a segunda fase do Saroo, também manda muito bem no papel.

 

  • A voz do coração

Um internato para meninos órfãos ou de mau comportamento recebe um novo coordenador das crianças. Ele tem muita dificuldade de lidar com as crianças, até resolver ensinar música para eles, ainda que contra a vontade do duro diretor da escola.  É um daqueles filmes em que a arte transforma e é lindo de ver. É um filme francês e os atores são incríveis.

 

  • Antes de partir

Um filme que traz Morgan Freeman e Jack Nicholso como protagonistas não devia nem precisar de apresentação para gerar interesse. Antes de partir conta a história de dois colegas de quarto num hospital que estão prestes a morrer e resolvem cumprir uma lista de coisas nunca feitas. A evolução da amizade dos dois é linda e o filme emociona demais.

 

  • O espaço entre nós

Sabe aquele filme que e tão bonitinho que você já termina procurando a trilha sonora? É o caso de O Espaço Entre Nós. Um menino nasce durante uma expedição para Marte por pura irresponsabilidade dos astronautas. 16 anos depois, ele quer vir para a Terra, mas seu corpo não suporta nossa gravidade. Com a ajuda de uma amiga virtual, ele descobre como é a vida no nosso planeta tentando driblar suas dificuldades físicas.

 

  • O sorriso de Monalisa

Em 1953, uma escola com as meninas mais inteligentes da região coloca o casamento como parte principal na vida das mulheres. Uma professora de artes nova chega e resolve tentar mudar a visão das meninas mostrando que elas são capazes de ser mais do que somente esposas. Um filme incrível, com uma mensagem maravilhosa e mulheres sensacionais!

Bruna Paiva

Gostou do post? Então, comente, compartilhe e não se esqueça de me seguir nas redes sociais!

Siga @ADemaisblog e @BrunaPaivaC no Twitter

Curta a fanpage do Adolescente Demais no Facebook

Siga @ademaisblog e @BrunaPaivaC no Instagram

Acompanhe BrunaPaivaC no Snapchatwp-1465389060779.png

CLIQUE AQUI PARA VISITAR O ADOLESCENTE DEMAIS NO YOUTUBE

10 Filmes para quebrar preconceitos

Oi, pessoal! Eu sei que vocês adoram uma lista com dicas de filmes. Então, no post de hoje, eu trouxe 10 filmes incríveis que vão te botar para pensar e, quem sabe (tomara), quebrar alguns de seus preconceitos. São filmes que eu amo e acho super importantes, histórias que valem a pena serem assistidas.

  • A gang está em campo

Na primeira vez em que vi esse filme, me apaixonei por ele. Mas não sabia o nome, então fiquei anos sem saber que filme era aquele. Quando a Netflix colocou ele no catálogo, eu surtei. Assisti mil vezes!

Um ex-jogador de futebol americano é oficial de justiça num centro de detenção juvenil. Com a intenção de instalar ordem e disciplina no local, ele resolve criar um time de futebol americano. Ele treina os detentos e os leva para jogar nos campeonatos estaduais. É um filme extremamente tocante que mostra que ninguém está livre de cometer um crime…

 

  • Filadélfia

Um advogado descobre que tem Aids e é demitido. Ele, então, procura um colega de profissão para processar a empresa. Acontece que o advogado contratado também tem seus preconceitos contra os portadores do vírus HIV e com a comunidade LGBT. A evolução da relação dos dois e do envolvimento do advogado com o caso é, sem dúvidas, a parte mais bonita do filme. O próprio personagem quebra seus preconceitos durante a história. E, pode ter certeza, não dá para não chorar.

 

  • Uma lição de vida

Um senhor de 84 anos que não sabe ler quer estudar. Numa comunidade queniana, em que a escola primária mal suporta a quantidade de crianças, o idoso luta pelo seu direito ao conhecimento. A história é real e um tapa na cara de quem está assistindo. Que filme incrível! Chorei horrores. É uma verdadeira inspiração de vida.

 

  • Intocáveis

Um homem milionário e paraplégico contrata um cara da periferia para ser seu cuidador. A maneira como um acaba aprendendo com o outro durante o filme é sensacional. O carinho e a amizade que surge da relação patrão-empregado fica ainda mais bonito quando descobrimos que a história é real.  Um filme que vai contra diversos padrões e estereótipos. O filme francês é incrivelmente tocante e foi um dos maiores sucessos de bilheteria do país.

 

  • A Cura

Criança é o ser mais puro que existe. E, ao contrário do que muita gente dá a entender por aí, elas têm muito a nos ensinar. No filme A Cura, um garoto deixa de lado todo o preconceito da família e dos colegas e cria uma bonita amizade com seu vizinho, que é soropositivo. Quando os dois descobrem que um médico encontrou a suposta cura para a Aids, eles resolvem dar um jeito de chegar até ele. É um filme lindo, extremamente tocante e que, por ser protagonizado por crianças, bota a gente pra pensar melhor sobre nossos preconceitos…

 

  • Histórias Cruzadas

Um filme de época que me deixa arrepiada só de pensar. Histórias Cruzadas se passa nos anos 60 e conta a história de uma jornalista que está escrevendo sobre as empregadas domésticas no Mississipi. Ela entrevista diversas mulheres negras que vivem em função de suas patroas e servem à elite branca do lugar. São as histórias dessas mulheres que dão vida ao filme. E que filme! A trama, que rendeu um Oscar para a coadjuvante Octavia Spencer, nos envolve e faz o espectador rir e se emocionar.

 

  • Os Estagiários

Dois velhos amigos estão desempregados e resolvem se inscrever para a seleção de estagiários do nosso tão amado Google. Mas, quando chegam lá, percebem que são os mais velhos entre seus concorrentes. A maioria dos mais jovens logo descarta os dois. Mas, ao longo do filme, eles provam que a gente sempre tem algo a aprender com quem é diferente. Esse filme deveria ser assistido por todos os jovens do mundo. Quantas vezes você já perdeu a paciência porque sua avó não conseguia entender a diferença entre 3g e Wi-fi? Os Estagiários acaba com esse preconceito bobo e mostra que todo mundo é capaz de fazer aquilo a que se propõe.

 

  • Um sonho possível

A história do jovem de periferia que tem talento para o futebol americano, mas não uma estrutura familiar, é verídica. O filme, que rendeu um Oscar para Sandra Bullock, conta a história de Big Mike. O jovem entra para o time de futebol americano e acaba fazendo amizade com um colega. SJ, que no início tinha medo de Big Mike, passa a ser seu único amigo. Mas é a mãe dele quem muda a história de Big Mike. O jovem passa a morar na casa da família e acaba sofrendo preconceito das pessoas em volta. É um filme para chorar muito e terminar a sessão com a mão na consciência.

 

  • Que horas ela volta

Um nacional nessa lista não pode faltar, né? É para quebrar os preconceitos expostos na trama e o de muita gente contra o nosso cinema. Que horas ela volta é um filme lindo estrelado pela Regina Casé. Quando a jovem Jéssica sai do Nordeste para morar com a mãe, na casa dos patrões, a fim de fazer vestibular, ela tem dificuldades de entender a hierarquia da casa. É um filme bonito que expõe a nossa cultura de relação patrão-empregado de maneira a botar qualquer um para pensar.

 

  • A teoria de tudo

Um gênio com uma doença degenerativa. Um homem que tem um cérebro brilhante, mas um corpo que o trai. A teoria de tudo foi um dos filmes mais tocantes que eu já vi. A história real do físico Stephen Hawking coloca qualquer um para pensar sobre a própria vida. As limitações para ser quem você quer estão em você mesmo, cabe a você acatá-las ou seguir em frente do jeito que der.

Gostou do post? Então, comente, compartilhe e não se esqueça de me seguir nas redes sociais!

Siga @ADemaisblog e @BrunaPaivaC no Twitter

Curta a fanpage do Adolescente Demais no Facebook

Siga @ademaisblog e @BrunaPaivaC no Instagram

Acompanhe BrunaPaivaC no Snapchatwp-1465389060779.png

CLIQUE AQUI PARA VISITAR O ADOLESCENTE DEMAIS NO YOUTUBE

10 filmes incríveis que se passam na escola!

A escola é uma fase pela qual todo mundo tem que passar. Quem não lembra (com carinho, ou não) dessa época? Já até falei sobre isso em um vídeo lá no canal, clique aqui para assistir. Diversos filmes, livros e séries são ambientados nesse cenário escolar para contar vários tipos de histórias. No post de hoje, trouxe para vocês 10 filmes incríveis que se passam na escola. A maioria deles está no Netflix!

1-      The Duff

Esse é um dos que eu vi mais recentemente, cheguei até a indicar num dos favoritos do mês. The Duff conta a história de uma menina que descobre ser a “amiga feia” do grupo. Ela resolve então pedir a ajuda de um amigo para se tornar mais popular. O filme é muito lindinho e é todo ambientado no ensino médio americano.

 

2-      Perfume de Mulher

Esse filme de 1992 é lindo demais. O drama conta a história de um ex militar, cego que quer realizar um sonho antes de morrer e um jovem estudante que tem problemas com um professor meio babaca. O filme não se passa inteiro na escola, mas a evolução do estudante durante a trama é incrível.

 

3-      Hoje eu quero voltar sozinho

Esse filme nacional é muito bonito e pouco conhecido. Eu descobri no Netflix, completamente sem querer. É a história de um menino cego que tem poucos amigos na escola e sofre bullying pela deficiência. O filme explora assuntos como amizade, amor, preconceito e homossexualidade. É um drama muito bonitinho.

 

4-      Clube dos cinco

Esse é um clássico do cinema e da sessão da tarde, e eu amo demais. Cinco alunos com personalidades completamente diferentes, estão na detenção e precisam cumprir horas de um tedioso castigo na escola. A evolução do relacionamento dos cinco é o melhor do filme. Eles começam o castigo se odiando, mas depois vão se conhecendo melhor. É um filme lindo sobre amizade e quebra de preconceitos…

 

5-      Vem dançar

Esse é um dos meus filmes preferidos da vida e acho que já falei sobre ele em alguma lista aqui no blog. Em Vem Dançar, o personagem de Antônio Bandeiras é um professor conceituado de dança de salão que resolve ensinar os alunos de uma escola pública. A diretora, desacreditada, dá para ele a turma em detenção, “os rejeitados da escola”. O que ele faz com aqueles alunos é incrível e uma das lições mais lindas que eu já vi.

 

6-      A mentira

Depois de uma pequenas mentiras para sua amiga, Olive acaba inventando que perdeu a virgindade com um cara da faculdade. A notícia acaba se espalhando e a menina ganha fama de fácil e vadia na escola. O sensacional é que ela resolve se apropriar daquela fama, mesmo sem ser ou fazer nada do que falavam. É uma comédia romântica que tem uma mensagem super legal e um final surpreendente.

 

7-      Sociedade dos poetas mortos

Numa escola super conservadora, em que os alunos não podem nem respirar fora da curva, um professor resolve ser diferente. O professor novo de literatura faz os alunos se interessarem mais pela disciplina e quererem mudar mundo em que vivem. O resultado e a mudança em cada aluno é incrível. Esse filme é lindo e emocionante demais.

 

8-      As melhores coisas o mundo

Esse filme é nacional, pouca gente conhece, mas eu assisti na estreia. Isso porque o elenco conta com meu adorado Fiuk. As Melhores Coisas do Mundo conta a história de Mano, um adolescente que além de enfrentar a separação dos pais, sofre bullying e quer aprender a tocar guitarra para impressionar uma garota. A trama também traz Pedro, irmão de mano que sofre de depressão e Carol, melhor amiga de Mano que se apaixona pelo professor. É um filme para te fazer rir, chorar e refletir ao mesmo tempo. Vale muito a pena.

 

9-      El club de los incompreendidos

Esse filme me lembra bastante o item 4 da lista (O clube dos cinco). A circunstância em que os jovens se conhecem é diferente, mas a evolução da relação entre eles é incrível. Um filme sobre amizade, amor, quebra de preconceitos. Ao mesmo tempo fofo e pesado.

 

10-  A Fera

O garoto mais popular da escola é um babaca que se acha no direito de tratar os outros da maneira que quiser. Após ser chamada de bruxa, uma aluna que realmente tem poderes sobrenaturais, joga um feitiço no colega de classe. O popular que sempre foi lindo vira uma criatura horrenda e precisa lidar com isso e quebrar a maldição. É um filme lindo que fala sobre preconceitos e superação.

 

Gostou do post? Então, comente, compartilhe e não se esqueça de seguir o blog nas redes sociais!

Siga @ADemaisblog e @BrunaPaivaC no Twitter

Curta a fanpage do Adolescente Demais no Facebook

Siga @ademaisblog e @BrunaPaivaC no Instagram

Acompanhe BrunaPaivaC no Snapchatwp-1465389060779.png

CLIQUE AQUI PARA VISITAR O ADOLESCENTE DEMAIS NO YOUTUBE

Fui nocauteada pela atuação de Loreto como o lutador José Aldo no filme Mais Forte Que o Mundo

Sabe quando o filme acaba e você continua olhando para os créditos boquiaberta e feliz pelo que acabou de assistir? Quando você sai do cinema querendo saber quem é o diretor, para poder elogiar em todas as redes sociais? Quando você acorda no dia seguinte e ainda não superou o quanto aquele filme foi sensacional? Bom, cá estou eu, sem conseguir falar de outra coisa a não ser Mais Forte Que O Mundo: a história de José Aldo.

Pelas redes sociais, acompanhei, desde o ano passado, a dedicação e a entrega do ator José Loreto para viver o campeão mundial de MMA José Aldo Jr. nos cinemas. Há alguns meses, vi o trailer pela primeira vez e tive certeza: eu precisava assistir àquele filme. Confesso que tive certo receio de que o teaser prometesse mais do que o longa realmente era. Afinal, convenhamos, ultimamente os trailers de filmes têm sido nada menos que um compilado dos melhores momentos da história. Porém, em menos de 10 minutos percebi que aquele filme era muito diferente dos últimos enlatados que vimos por aí. Foi muito melhor do que eu esperava.

A história do José Aldo é bem bonita. Fala de superação, amor, ódio, família, sonhos… O lutador saiu de Manaus, sua cidade natal, para o Rio de Janeiro e acabou ganhando o mundo com esforço e acreditando em seu sonho. É uma história que inspira a continuar lutando e correndo atrás do que se quer. Mostra que, se você acredita, nem as piores dificuldades da vida te derrubam.

O roteiro é muito bom. Mistura drama, humor, romance e ação de uma forma sutil e gostosa de assistir. O elenco foi muito bem escolhido. Quem rouba a cena, claro, é o protagonista José Loreto. Fica evidente o quanto o ator se entregou ao papel e como estava realmente sentindo o personagem na pele. E quem, como eu, estava acostumado a assistir ao ator só nas novelas e no Amor e Sexo, vai sair impressionado com o resultado para o cinema. Cléo Pires, que interpreta a Vivi, esposa do Aldo, e o Rafinha Bastos, no papel do lutador Loro, também merecem destaque. Ela divide com Loreto algumas das cenas mais bonitas do filme e Rafinha Bastos, as mais divertidas. A fotografia do filme é linda e a trilha sonora roubou meu coração.

Mas quem vai ganhar o maior destaque desse texto é o diretor Afonso Poyart. Não conhecia o trabalho de Poyart, mas em poucos minutos de filme percebi que ele era diferente. A sensibilidade do diretor faz toda a diferença no desenrolar da história. Jogo de câmeras, de flashback, velocidade e de outras coisas técnicas, sobre as quais a leiga aqui não tem o menor domínio, me deixaram perplexa em diversas partes do filme. Passei o tempo inteiro me perguntando: quem é esse diretor?

No início de 2016 assisti ao filme Creed, continuação da série Rocky e adorei. Mais Forte Que o Mundo é incontáveis vezes melhor do que o filme que rendeu uma indicação ao Oscar para Sylvester Stallone. Há tempos não assistia a um filme nacional tão bom. Quem me segue nas redes sociais percebeu que eu não consegui parar de falar do filme.

Afonso Poyart, que também dirigiu e roteirizou o nacional 2 Coelhos, é um nome que com certeza ainda vamos ouvir muito por aí. Mais Forte Que o Mundo tem uma linguagem cinematográfica e identidade próprias. Um filme que precisa ficar marcado na história do cinema nacional como um dos melhores já produzidos.

Bruna Paiva

Gostou do post? Então, comente, compartilhe e não se esqueça de seguir o blog nas redes sociais!

Siga @ADemaisblog e @BrunaPaivaC no Twitter

Curta a fanpage do Adolescente Demais no Facebook

Siga @ademaisblog e @BrunaPaivaC no Instagram

Acompanhe BrunaPaivaC no Snapchatwp-1465389060779.png

CLIQUE AQUI PARA VISITAR O ADOLESCENTE DEMAIS NO YOUTUBE

10 filmes que falam sobre música

Quem acompanha o blog conhece muitas das minhas paixões. Já comentei aqui o quanto eu amo e não consigo viver sem música. Volta e meia falo sobre cinema aqui também. Quando essas duas coisas que eu amo de paixão se juntam já dá para imaginar como isso mexe comigo… Hoje eu trouxe para vocês uma lista com 10 filmes que têm a música como enredo.

Dez histórias que só acontecem por causa da música. Cada um desses filmes me toca de um jeito ou de outro. Vale muito a pena dar uma chance para eles. Ah, e se você conhecer algum filme que eu não citei aqui me indique! Amo esse tema.

1-      Na Trilha da Fama (Rayse Your Voice) – 2004

Em Na Trilha da Fama, Terry, personagem de Hilary Duff, sofre um grande trauma com a perda do irmão a quem era muito ligada. Ainda em choque, e contra a vontade de seu pai, ela decide concretizar seu sonho, tão incentivado pelo irmão: ingressar como bolsista numa renomada escola de música.

Esse drama fala sobre amor, amizade, família e paixão pelo que se faz. É lindo e de chorar do início ao fim. 

 

2-      A Escolha Perfeita (Pitch Perfect) – 2012

A Escolha Perfeita se passa numa faculdade americana. Algumas das fraternidades dessa universidade competem em concursos de canto a capela. A história fala sobre preconceito, amizade e necessidade de mudança. Além de todo mundo cantar bem pra caramba, o filme é muito engraçado. Em 2015 saiu a continuação, A Escolha Perfeita 2, que eu ainda não assisti, mas também estou louca para conferir.

 

3-      Nos Bastidores da fama (Beyond The Lights) – 2014

Nesse drama, uma cantora pop mega famosa tenta se matar e é salva por um policial. Depois desse episódio, ela começa a repensar toda a sua vida e as circunstâncias de seu sucesso. É um filme lindo que emociona e faz a gente refletir sobre os preços da fama.

 

4-      Camp Rock – 2008

Tenho certeza que esse marcou a infância/adolescência de quase todo mundo da minha geração. Em Camp Rock, Mitchie é uma menina que sonha em ser cantora. A menina quer participar do Camp Rock, um acampamento para jovens que também são músicos. Onde também encontraria os meninos da boy band Connect 3. Como a família não tem condições de pagar, sua mãe arranja um emprego no acampamento e Mitchie pode participar. Eu AMO Camp Rock e juro que não é só pelo elenco maravilhoso (Jonas Brothers e Demi Lovato).

 

5-      Mesmo se nada der certo (Begin Again) – 2014

Nesse drama que tem toques de comédia, uma cantora que acabou de se mudar para Nova York leva um fora do namorado que faz sucesso no mundo da música. Desolada, a garota se muda para a casa de um amigo também cantor e, cantando em um bar, acaba sendo descoberta por um produtor musical. O filme é lindo, tem músicas incríveis e é uma delícia de assistir.

 

6-      Música, Amigos e Festa (We Are Your Friends) – 2015

Nesse filme estrelado por Zac Efron, o foco é a música eletrônica. Cole é um aspirante a DJ que concilia seu sonho com a relação com os amigos de infância. Tudo muda na vida dele quando conhece um DJ mega famoso, e mega problemático, que resolve ensinar tudo o que sabe ao garoto.

 

7-      Lizzie McGuire- um sonho popstar (The Lizzie McGuire Movie) – 2003

Quem nunca assistiu a esse filme na Sessão da Tarde? Eu AMO esse filme e a música do final é maravilhosa. Depois de sua formatura, Lizzie viaja com os colegas para Roma. Lá, a menina acaba descobrindo que é idêntica a Isabella, uma cantora italiana famosa. Quando conhece o parceiro dessa cantora, encantada, Lizzie aceita fingir ser Isabella.

 

8-      Escola de Rock (School of Rock) – 2003

Nessa comédia, um músico é demitido de sua banda e acaba se disfarçando de professor substituto numa escola primária. Quando enxerga talento musical em seus alunos, resolve formar uma banda com os alunos da quinta série! É muito engraçado além de ser super bonitinho…

 

9-      High School Musical – 2006

Quem da minha geração não ama High School Musical? Quem nunca quis ser um Wildcat? Troy e Gabriela se conhecem numa noite de ano novo quando acabam tendo que cantar juntos no karaokê. Os dois se reencontram, coincidentemente no primeiro dia de aula.  Essa história é linda e cheia de música!

 

10-   Rags, o poder da música (Rags) -2014

Esse filme com duplo ponto de vista traz a história de uma cantora famosa e mimada pelo pai, que é dono de uma gravadora, e a de um garoto que mora com o padrasto e os meios-irmãos. Ela tem tudo o que ela sempre quis, ele sonha em ser cantor, mas não tem incentivo nenhum. Quando as vidas dos dois se cruzam, as coisas começam a mudar.

 

Bruna Paiva

Gostou do post? Então, comente, compartilhe e não se esqueça de seguir o blog nas redes sociais!

Siga @ADemaisblog e @BrunaPaivaC no Twitter

Curta a fanpage do Adolescente Demais no Facebook

Siga @ademaisblog e @BrunaPaivaC no Instagram

Acompanhe BrunaPaivaC no Snapchat

CLIQUE AQUI PARA VISITAR O ADOLESCENTE DEMAIS NO YOUTUBE

Ele não existe de verdade

Imagem: Reprodução

Imagem: Reprodução

Pode parecer doentio e solitário. Quem nunca o foi? Sei que é estranho para quem olha de fora. E que nunca vou deixar de ouvir “mas ele nem sequer existe de verdade”. Esse é um daqueles sentimentos que só entende quem já teve. É preciso passar pela experiência de se apegar a um personagem para compreender.

Quando você começa um livro, série, filme, ou qualquer outro tipo de estória, não tem ideia do que te espera. Algumas são boas outras não. E tem aquelas que te conquistam por quem faz parte dela.  Nessas, devagar, sem que você perceba de cara, os personagens passam a fazer parte da sua vida.

Você ama estar com eles, torcer, ouvir o que eles têm para contar. Sempre há aquele por quem você daria tudo para que saísse do plano da ficção e pudesse ser seu amigo. De certa forma, é isso que eles se tornam. Amigos por quem você zela e tem um carinho especial. Com quem você gosta de estar e quer por perto a todo o momento.

Não tem essa de “ele nem sequer existe de verdade”. Naquela estória ele é mais do que real. E, mesmo que do outro lado da tela, ou da página, faz parte da sua vida. Confia em você para contar como se sente e está sempre lá quando você precisa esquecer seus problemas.

Sempre me apeguei a personagens e estórias. E, confesso, por vezes, prefiro eles à “vida real”.  Acontece que, aquelas pessoas por quem você desenvolveu um carinho enorme, com quem você aprendeu a conviver e que você ama ter por perto, elas já têm seus destinos traçados. O máximo que você pode fazer é ser mero espectador.

Quando um personagem querido morre, acredite, dói como perder um amigo próximo. Alguém que você amava e que agora se foi. Você sofre, chora e o luto é tão real quanto qualquer outro. A diferença é que ninguém respeita, afinal, era só um personagem. Mas você sabe o quanto aquele “só um personagem” vai fazer falta. Você não tem a oportunidade de dizer adeus para aquele amigo a quem acompanhou até o fim. A dor é grande porque a única coisa a fazer é aceitar o ocorrido e continuar a estória ainda com lágrimas nos olhos.

Se você nunca passou por isso, pode estar achando tudo uma grande baboseira. Mas experimente conhecer alguém como Sammy, Fred, Alasca, Sirius, Finnick, Dora, Krystal, Lexie, George, Lupin, Mark, Dobby e tantos outros. Existem milhares de personagens que te darão angustia e de deixarão de ressaca literária, depressão-pós-fim, chame como quiser.

Dê uma chance de se jogar de cabeça numa estória que te cative. Apaixone-se, identifique-se. Depois, volte aqui e releia esse texto. Te garanto que você vai entender o sentimento que me fez ir dormir chorando e acordar ainda para baixo, precisando botar para fora a angústia de dentro do peito.

Bruna Paiva

 

Gostou do post? Então, comente, compartilhe e não se esqueça de seguir o blog nas redes sociais!

Siga @ADemaisblog  no Twitter

Curta a fanpage do Adolescente Demais no Facebook

Siga @ademaisblog no Instagram

10 filmes que mudaram a minha vida

Sabe aquele tipo de filme que mexe com você de um jeito que não dá nem para explicar? Comigo acontece sempre. Alguns filmes realmente fizeram a diferença no meu jeito de ver o mundo. Resolvi fazer uma listinha e contar para vocês 10 filmes que mudaram a minha vida. Aproveitem as férias que estão chegando e assistam, não vão se arrepender! Ah, muitos deles estão disponíveis no Netflix.

  • Ponte para Terabítia

Precisei pausar o filme para recuperar o fôlego depois de tanto chorar. “Ponte para Terabithia” é um filme que passa a impressão de ser destinado a crianças, mas a filosofia por trás da história é profunda demais. O filme fala de amor, amizade e da importância de se dar asas à imaginação. Uma das frases que eu mais amo nele é “Feche os olhos e deixe a mente bem aberta”

 

  • Um Ato de Coragem

Um menino precisa de um transplante de coração urgente. Como as coisas começam a se complicar no hospital e ninguém dá muita atenção para o caso do menino, seu pai toma uma atitude extrema. Ele sequestra uma ala do hospital e diz que só liberará os reféns quando seu filho receber o transplante.

Um filme que, com um enredo original, fala de esperança, faz uma crítica às listas de espera de transplantes de órgãos e, principalmente, retrata o amor incondicional de um pai por seu filho. Ufa! “Um Ato de Coragem” mostra que qualquer um pode cometer loucuras quando não vê outra saída. O filme tira o fôlego e te deixa num dilema terrível quanto a defender ou não o protagonista quando ele começa a passar dos limites. (Tem no Netflix)

 

  • Uma Prova de Amor

Depois de descobrirem que sua filha, aos dois anos de idade, sofre de leucemia, os pais aceitam uma ousada proposta médica: gerar um feto geneticamente programado para ser compatível com a irmã. Onze anos se passam e a filha mais nova já sofreu diversas cirurgias de doação para a irmã. Até que toma uma decisão tão ousada quanto a de seus pais: ela os processa pedindo emancipação médica, para que possa fazer de seu corpo apenas o que quiser.

Prepare-se para chorar do início ao fim. Sem exagero algum, não dá para segurar as lágrimas em nenhum momento dessa história. O espectador entra no dilema dos personagens e não tem como não levantar questões como até onde a ciência deve ir? E qual o limite para salvar alguém? (Tem no Netflix)

 

  • Um Olhar do Paraíso

Uma menina de 14 anos é assassinada brutalmente e ninguém encontra um culpado. Os anos se passam e o espírito dela continua a rondar sua casa e família querendo se vingar do assassino. O impasse da menina que não consegue aceitar a própria morte faz qualquer um pensar melhor antes de reclamar da vida. Não damos valor ao que temos até perdermos. O filme me deixou tão chocada que eu não consegui sequer chorar. A última frase ecoa em minha cabeça até hoje “Meu nome é Suzie Salmon fui assassinada quando tinha 14 anos. Desejo a todos vocês uma vida longa e feliz” (Tem no Netflix)

  • A Gang está em Campo

Já imaginou um time de futebol americano formado por detentos? Bom, esses são os Mustangs. Quando um ex jogador de futebol americano resolve treinar presos para o campeonato estadual, ninguém dá muito crédito. A história é um exemplo de que superação é uma questão de correr atrás de seus objetivos. Não tem como não se emocionar ou não torcer para os Mustangs. Todos podem se recuperar e aprender a ser pessoas melhores, basta que lhes sejam mostrados caminhos diferentes. (Tem no Netflix)

 

  • Um Amor Para Recordar

O pano de fundo é clichê, eu sei. A nerd religiosa e o bad boy do colégio começam a estudar juntos e, subitamente, se apaixonam. Entretanto, tudo muda quando ele descobre que a menina tem uma doença terminal. Uma história de amor que sensibiliza e mostra que, quando se tem amor à vida, não importa quanto tempo ainda lhe resta. Tudo depende da sua vontade de viver o tempo que ainda tem. O namorado, apaixonado, resolve ajudar a menina a aproveitar cada dia como se fosse único. (Tem no Netflix)

 

  • Sete Vidas

Depois de provocar, sem querer, um acidente que levou à morte sete vítimas, um homem decide que precisa salvar sete vidas. A forma com que ele faz isso é extremamente emocionante. O filme fala sobre culpa e, mais uma vez, sobre o valor de uma vida. A coragem do personagem de Will Smith é admirável. (Tem no Netflix)

 

  • A Teoria de Tudo

Já falei desse filme aqui no blog. Um dos maiores merecedores de Oscar dos últimos tempos. Acha sua vida difícil? Conheça a de Stephen Hawken. Uma história de superação que me fez sair do cinema me achando a maior das egoístas por reclamar da minha vida.

  • Vem Dançar

Também já citei esse filme aqui no blog. Superação, preconceito e diferenças sociais são exploradas de forma bonita e cativante. Os excluídos da escola são obrigados a fazer aulas de dança de salão. A dedicação deles para vencer o campeonato e o preconceito das pessoas é linda.

  • Anjos da Vida

Chorei, chorei e chorei. Ashton Kutcher, como sempre, emociona. Mas esse filme não tem nada de comédia romântica. Ele é aluno de um treinador da guarda costeira. O lema da equipe do cara é “manter os outros vivos”. Não tem como não refletir com esse filme. Um completo ensinamento sobre o valor da vida dos outros.

Bruna Paiva

 

 

Meus 10 filmes de dança preferidos

11156240_932312336790752_6733073696492074984_n

Hoje, 29 de Abril é o dia internacional da dança! Como todo mundo aqui já sabe, eu sou bailarina e a dança é uma das partes mais importantes na minha vida. Portanto quis fazer alguma coisa diferente aqui no blog nesse dia tão especial para mim e todos os amantes da dança em todo o mundo.

Decidi contar para vocês quais são os filmes sobre dança que eu mais gosto. Musicais e filmes que falam sobre essa arte são estilos que realmente mexem comigo e eu adoro assistir. A seleção foi enorme para conseguir escolher os dez que eu vou listar abaixo. Espero que gostem, divirtam-se e principalmente: DANCEM!

EU E A DANÇA ==> Que tal saber como comecei a dançar e ver um vídeo rapidinho de um espetáculo incrível em que também estou no palco ?

1 -Vem Dançar (Take the Lead) – 2005

Este é sem dúvidas o meu filme preferido sobre dança! E o tango final é a melhor coreografia…

Em “Vem Dançar”, Antônio Bandeiras é Pierre Dulaine, um renomado professor de dança de salão. Depois de presenciar um episodio de violência, protagonizado por um jovem, Dulaine decide se oferecer para dar aulas de dança numa escola pública.

Sem dar muito crédito ao professor, a diretora dá a ele a turma dos “rejeitados da escola”. O que acontece depois é o efeito que a mais pura magia da dança pode causar.

 

2- Sob a Luz da Fama (Center Stage) – 2000

“Sob a luz da fama” mostra uma realidade que eu presencio muito, já que se passa em uma escola de dança. Conta a história de um grupo de jovens sem esconder os conflitos internos, dúvidas e dificuldades de cada um deles.

A história de seis bailarinos que dão sangue e suor para conseguir o espaço que almejam na arte que tanto amam. Confesso que me arrancou algumas lágrimas e vi muitas cenas com as quais me identifiquei. E o final é mais do que surpreendente!

 

3- Dirty Dancing – Ritmo Quente – 1987

“Dirty Dancing” conta a história de Baby, uma jovem rebelde e idealista que viaja com a família e acaba se metendo numa festa do hotel. Lá, conhece Jhonny um professor de dança, e se apaixona por ele. Quando a parceira de Jhonny é impossibilitada de dançar por causa de uma gravidez, Baby se oferece para substituí-la. O problema, é que o pai dela não aceita e tenta proibir a filha de dançar.

Esse verdadeiro clássico dos anos 80 é sem dúvidas um dos meus favoritos. Patrick Swayze é maravilhoso e a história de Baby e Jhonny é apaixonante. E nem preciso dizer que “Time of my life” é a minha coreografia preferida…

 

4- Ela dança, eu danço (Step Up) – 2006

Tyler é um jovem da periferia que esta acostumado com as danças de rua. Depois de depredar uma escola de artes, o garoto é obrigado a prestar serviços no local. Lá conhece Nora, uma excelente bailarina que precisa encontrar outro parceiro para a apresentação final. Tyler é relutante, mas acaba concordando em ajudar a garota.

Esse filme é um misto de comédia romântica, drama e musical. Simplesmente emocionante e mexe com qualquer um. E claro, combate o preconceito entre estilos…

 

5 – Footlose – Ritmo Louco- 1984 e 2011

Um jovem se muda para uma cidade do interior e é surpreendido por uma lei local: lá é proibido dançar! O garoto acaba tendo problemas com o conservador reverendo da cidade, ainda mais quando se envolve com a filha do cara, Ariel também ama dançar e quebrar as regras…

Confesso que só assisti a versão mais recente deste clássico. Mas a historia é criativa e envolvente. Ainda assisto ao primeiro filme, com certeza é tão bom quanto o remake!

 

6 – Sob a luz da fama: o poder da paixão (Center Stage- turn it up) – 2009

Em “Sob a luz da fama: o poder da paixão”, uma bailarina auto-didata sonha em entrar para a American Academy of Ballet. Quando não passa na prova, não tem coragem de voltar para casa e acaba como garçonete numa boate de hip-hop. Lá, conhece o bailarino Kenny, juntos os dois se ajudam a melhorar suas técnicas e chegar aonde almejam.

O segundo “Sob a Luz da fama” não tem nada a ver com o primeiro. Mas é tão apaixonante e inspirador quanto.

 

7 – High School Musical – 2006 a 2008

Troy Bolton e Gabriella Maltez se conhecem em uma noite de Karaokê e não se encontram mais. Até que, por coincidência do destino, Gabriella é matriculada na mesma turma de Troy. Quando começam as audições para o musical da escola, ela precisa encorajar Troy, que é astro dos Wildecats e filho do treinador de basquete, a seguir o que ele ama: a música.

Acho que todos da minha geração têm essa trilogias entre seus preferidos. Não me canso de assistir. Aliás, High School Musical só se assiste cantando e dançando!

 

8 -Ela dança, Eu danço 4 (Step Up revolution) – 2012

Emily, a filha de um grande empresário e dono de hotéis tem até o fim do semestre para provar ao pai que pode ser uma bailarina profissional. Enquanto isso, uma onda de flash mobs toma conta da cidade. É a máfia: um grupo de jovens que ama dançar e quer vencer um concurso no Youtube. Mas os caminhos de Emily e Sean, líder da máfia, se cruzam dando início a uma grande paixão.

“Ela dança, eu danço 4” é sensacional. Não assisti ao 2 nem ao 3, mas o 4 não tem nada a ver com o primeiro e é totalmente inovador. O filme diverte, emociona e mostra que dança é sim uma forma de protesto e dá voz a quem não pode falar.

 

9- Ritmo do Amor (Love’n Dancing) – 2009

Nesse filme, Jessica é uma professora de inglês que está prestes a se casar conhece um professor de dança de salão. Ela quer aprender a dançar com seu noivo, mas o cara é um babaca. O professor de dança, que tem uma deficiência auditiva, acaba tendo problemas com sua parceira para as competições. Jessica e o professor acabam se envolvendo.

“Ritmo do Amor” é lindo. Minha parte preferida é quando o professor desliga o aparelho auditivo para dançar. Ele não precisa ouvir a música, apenas senti-la.

 

10 – O Poder do Ritmo (Stomp the Yard) – 2007

Depois de perder o irmão durante um tiroteio, DJ, um rebelde dançarino de Street dance resolve deixar tudo para trás e entrar para a faculdade. O que ele não esperava é que encontraria fraternidades envolvidas com dança. Depois de ter seu talento descoberto, DJ precisa escolher entre duas fraternidades rivais.

“O Poder do Ritmo” é lindo e mostra que o amor supera qualquer barreira. E claro, o poder que a dança tem de expressar tudo sem precisar que nada seja dito.

Gente, esses são os meus dez preferidos, mas, como eu disse, amo esse estilo de filme. Então, quem tiver dicas de outros filmes sobre dança pode deixar aí nos comentários que eu vou adorar assistir!

Beijos,

Bruna

Gostou do post? Então, comente, compartilhe e não se esqueça de seguir o blog nas redes sociais!

Siga @ADemaisblog e @BrunaPaivaC no Twitter

Curta a fanpage do Adolescente Demais no Facebook

Siga @ademaisblog e @BrunaPaivaC no Instagram

Acompanhe BrunaPaivaC no Snapchatwp-1465389060779.png

CLIQUE AQUI PARA VISITAR O ADOLESCENTE DEMAIS NO YOUTUBE

 

 

 

 

 

Os 10 filmes mais esperados por mim este ano

Quem acompanha o blog sabe que eu sou completamente apaixonada por cinema. E todo ano eu espero ansiosamente por algum, ou alguns, filmes. Resolvi fazer uma lista com os 10 filmes mais esperados por mim em 2014:

1.   Júlio Sumiu:

O filme brasileiro, que conta com a presença do meu ídolo (Fiuk) no elenco, conta a história de uma dona de casa que se desespera com o sumiço do filho mais novo. Ela pede a ajuda da polícia mas acaba subindo o morro, por conta própria, para procurar o filho com o traficante mais temido da cidade.

Estreia dia 18 de abril.

2.   A culpa é das Estrelas:

O livro Best- seller que eu amei quando li, e até rendeu uma resenha aqui no blog, vai ter sua adaptação para as telonas este ano. A história de Hazel e Gus é romântica, melancólica e eu tenho certeza que vai arrancar lágrimas de todos nos cinemas.

Estreia dia 13 de junho.

3.   A Esperança – parte 1:

43685077918155622-t640

A parte 1 da adaptação do último livro da trilogia Jogos Vorazes também estreia este ano. Após sobreviver pela segunda vez aos Jogos Vorazes, Katniss Everdeen vira o símbolo da revolução em Panem. Eu que sou louca pelos livros e filmes da série não vou perder este por nada.

Estreia dia 14 de novembro.

4.   Malévola:

É isso mesmo, a bruxa má do conto de fadas ganhou um filme só pra ela. A história da Bela Adormecida contada pelo ponto de vista de Malévola.  O filme da Disney com certeza vai ser lindo e arrepiante, porém, desta vez com um toque de maldade…

Estreia dia 30 de maio.

5.   Noé:

O conto Bíblico da Arca de Noé mais uma vez virou roteiro de cinema. Desta vez com uma pegada épica e medieval e Russel Crowe como protagonista. “Noé” tem tudo para ser uma das maiores super produções do ano. Só o trailer já é de arrepiar.

Estreia dia 4 de abril.

6.   Capitão América: O soldado invernal:

Filmes de supre heróis me encantam e eu não escondo isso. Em “Capitão América: o soldado invernal” o super-herói se alia à Viúva Negra  para combater os inimigos na cidade de Washington.

Estreia dia 11 de abril.

7.   Como Treinar Seu Dragão 2:

O primeiro filme, lançado em 2010, foi sem dúvida uma das melhores animações que eu vi nos últimos tempos. Este ano, na continuação de “Como Treinar Seu Dragão”, Soluço vai enfrentar novas aventuras ao lado de seu dragão de estimação, o Fúria da Noite.

Estreia dia 19 de junho.

8.    Edge Of Tomorrow:

A ficção científica estrelada por Tom Cruise narra a trama de um soldado que fica preso no tempo, condenado a voltar sempre ao dia anterior ao de uma guerra. A história me chamou atenção e já estou louca para assistir ao filme.

Estreia dia 6 de junho.

9.    O Espetacular Homem-Aranha 2:

Mais um de super-herói para a coleção! A sequência da nova versão do herói da Marvel também estreia este ano. Agora, Peter terá que enfrentar o vilão Electro e se aliar a um antigo amigo: Harry Osborn, filho do duende Verde.

Estreia dia 2 de maio

10.    Rio 2:

Sequência da animação que se passa em terras cariocas, “Rio 2” vai trazer de volta o casal de araras-azuis mais lindo dos cinemas. Blu e Jade voltam, agora com um casai de filhotes, para curtir a Copa do Mundo de 2014.

Estreia dia 28 de março.

Robocop: até onde podemos trocar o homem pela máquina?

robo

No último fim de semana fui assistir com meus pais a remontagem de um filme que eles viram quando adolescentes. Um policial que depois de quase morto é transformado num “robô humano”. RoboCop, lançado originalmente em 1987,  é um dos clássicos de super-heróis criados pelo cinema americano nos anos 80.

No remake lançado no último dia 21 de fevereiro os efeitos especiais impressionam, mas duas outras coisas também me chamaram a atenção. A primeira me deu orgulho de ser brasileira. A outra me fez refletir sobre o ser humano.

O filme de Hollywood  super produzido e com toda a pinta futurista foi dirigido por um brasileiro. José Padilha, o diretor dos filmes “Tropa de Elite” 1 e 2, foi convidado para dirigir a refilmagem de RoboCop, e o fez genialmente.  Na última cena ele escancara na ironia ao colocar um renomado ator americano (Samuel L.  Jackson)  discursando sobre como os norte-americanos se acham superiores ao mundo.

Padilha mostrou talento e fez questão de levar sua equipe de direção brasileira consigo. A única coisa da qual senti falta foi um ator brasileiro no elenco. Se ele teve a liberdade de levar sua equipe para dirigir o filme, podia também ter escalado um de nossos talentosos atores para enriquecer o elenco de peso.

A história do homem que perde seu corpo e é transformado  em um “robô humano” me fez refletir. A vida do policial Alex Murphy é salva depois de um atentado. Uma equipe de médicos e pesquisadores o transforma numa espécie de homem-máquina. Porém, Não conseguem eliminar totalmente seus sentimentos. Esse é o grande dilema do filme. Máquinas têm que executar tarefas sem questionamentos.

De certa forma, Alex ainda é humano e essa humanidade que lhe sobra faz com que ele não seja somente uma pilha de ferro que cumpre ordens mecanicamente. Minha reflexão veio daí. Até que ponto podemos substituir um ser humano por uma máquina? E será que realmente queremos que os homens se comportem como máquinas e vice-versa?

No caso do policial que virou um semi-robô não houve uma completa substituição. Seu corpo era uma máquina controlada por computadores, mas sua humanidade continuou com ele.

Alex conseguiu driblar a tecnologia com seus sentimentos. Mostrou que máquinas são apenas máquinas. “Seres” inanimados, que ajudam muito, mas que não conseguem substituir ou reproduzir  a parte humana que existe em cada um de nós.

Bruna Paiva