Um aprendizado da morte para levar pra vida

Uma das coisas mais incríveis de cursar literatura é justamente ter como tarefa aquilo que sempre foi meu prazer. Descobrir livros diferentes e me apaixonar por histórias e autores. Foi dessa forma que esbarrei com “O Aprendizado da Morte” de Assis Brasil. Assis Brasil é um autor pernambucano do modernismo brasileiro de quem eu nunca havia ouvido falar e por quem, graças à faculdade, estou completamente encantada.

O Aprendizado da Morte conta a história de Olga, uma mulher que se descobre doente e prestes a morrer. Ela se interna num grupo de apoio a pessoas na mesma situação e, a partir da perspectiva da morte, passa a analisar toda sua vida até ali. Percebe que até então não era feliz e havia deixado a vida passar. É sabendo que vai morrer que ela decide aprender a viver. Passa a ser livre e aproveitar os pequenos momentos.

Olga é uma personagem profundamente sofisticada, que cativa o leitor de forma gradual. O livro foi uma experiência linda que eu prefiro classificar como, na verdade, um aprendizado de vida. A forma como Olga “aprende a morrer” vivendo um dia de cada vez e fazendo as coisas que lhe dão prazer é na verdade como a gente devia encarar mais a vida.

É um romance curto e eu não consegui parar de ler até terminar. Os fatos que levaram Olga até ali são apresentados fora da ordem cronológica, o que transforma o livro quase num quebra-cabeça. O narrador, por vezes, se confunde com a própria personagem, mudando inclusive a pessoa do discurso. É uma leitura deliciosa e é assustador que esse autor tão incrível não seja tão comentado entre os modernistas mais importantes.

Assis Brasil ainda está vivo e eu fiquei tão fascinada pela forma com que ele escreve que já quero todos os outros livros. Pela Estante Virtual, nos sebos, os livros dele são bem baratinhos e as premissas são tão cativantes quanto a d’O Aprendizado da Morte. O livro, que nem é o mais famoso dele, é magnífico e com toda certeza já entrou para as minhas melhores leituras do ano e para os favoritos da vida.

Bruna Paiva

 

Gostou do post? Então, comente, compartilhe e não se esqueça de me seguir nas redes sociais!

Siga @ADemaisblog e @BrunaPaivaC no Twitter

Curta a fanpage do Adolescente Demais no Facebook

Siga @ademaisblog e @BrunaPaivaC no Instagram

Acompanhe BrunaPaivaC no Snapchatwp-1465389060779.png

CLIQUE AQUI PARA VISITAR O ADOLESCENTE DEMAIS NO YOUTUBE

Mortos que viram História

wp-1486565387134.jpg

Você acredita em vida após a morte? Para onde vamos depois que morremos? Não o nosso corpo físico, mas tudo aquilo o que fomos, aprendemos e sentimos enquanto estivemos vivos? Independente da sua fé, ninguém pode responder a essas questões com absoluta certeza. O livro A Guardiã de Histórias traz uma realidade incrível sobre o que acontece depois que morremos.

Histórias. É o que viramos ao morrer. E, como livros, somos guardados na grande biblioteca do Arquivo, uma dimensão paralela. Acontece, que as histórias mais jovens acabam despertando sem saber o que aconteceu e, tentando se encontrar, vão parar numa dimensão intermediária entre o mundo real e o Arquivo. Os guardiões servem para fazer com que essas histórias retornem a seus devidos lugares, impedindo que tenham contato com nosso mundo.

A fantasia escrita por Victoria Schwab apresenta Mackenzie Bishop, uma adolescente que herdou precocemente a função de seu avô, um antigo e renomado guardião de Histórias. Mac segue os passos do avô há quatro anos, mas não pode revelar seu trabalho nem mesmo a seus pais. Depois de uma grande tragédia, a família de Mackenzie se muda para um prédio antigo. A menina não fica tão feliz com a mudança, já que, quanto mais antigo é o lugar, mais histórias viveram ali dentro e maior será o trabalho do guardião daquela área.

Apesar de tratar de um assunto tão denso como a vida após a morte, o livro não traz uma carga negativa. Fala de morte, superação, da dificuldade em lidar com a perda de quem amamos, confiança a importância da amizade. Traz drama, é claro, mas consegue fazer o leitor rir e se apaixonar. A angústia da personagem principal e o carisma dos coadjuvantes fazem com que a gente não consiga parar de ler. Li em menos de uma semana e me diverti com as personagens. Senti como se já os conhecesse há muito tempo.

Pode parecer muito louco, mas a realidade que a escritora americana criou é incrível. Em poucas páginas, a divisão de dimensões e a importância dos guardiões deixam de ser confusas e cativam o leitor. É uma realidade tão legal que eu juro que queria que fosse verdade. É uma história para todas as idades. E incrível para quem, como eu, não tem muita certeza do que acontece depois que a gente parte desse mundo.

Bruna Paiva

Gostou do post? Então, comente, compartilhe e não se esqueça de me seguir nas redes sociais!

Siga @ADemaisblog e @BrunaPaivaC no Twitter

Curta a fanpage do Adolescente Demais no Facebook

Siga @ademaisblog e @BrunaPaivaC no Instagram

Acompanhe BrunaPaivaC no Snapchatwp-1465389060779.png

CLIQUE AQUI PARA VISITAR O ADOLESCENTE DEMAIS NO YOUTUBE

Eu (finalmente) li o novo Harry Potter!

wp-1482846710823.jpg

Até que enfim, depois de todo o mundo já ter lido na época do lançamento, eu finalmente li o tão esperado oitavo livro de Harry Potter. E é claro que um livro tão especial não podia deixar de ter minha opinião aqui para vocês!

A história original escrita pela diva deusa J.K. Rowling e pelos roteiristas John Tiffany e Jack Thorne é um roteiro de teatro para a peça em cartaz na Inglaterra (E, infelizmente, só lá por enquanto). Harry Potter and the Cursed Child, ou, Harry Potter e a criança amaldiçoada, traz o mundo mágico e nossos personagens tão amados dezenove anos depois da batalha de Hogwarts em que Voldemort morreu. O novo livro apresenta os filhos de Harry, Gina, Ron, Hermione e Draco. Mas os protagonistas dessa história são Albus Potter (filho de Harry e Gina) e Scorpius Malfoy (filho de Draco).

Não é o melhor livro da série. E, por ser um texto teatral, está bem longe do texto incrível com que J.K. nos conquistou há tantos anos. Se você espera que Albus seja como o pai e seus amigos, bom, desculpe te decepcionar, mas não é bem assim. Albus é Sonserina e seu melhor amigo é Scorpius, um Malfoy. Os dois são fracassados e odeiam a escola de magia. Ainda assim, é impossível não se afeiçoar aos personagens novos. Eles são muito diferentes de seus pais e isso choca no início. Mas, no decorrer da história, eu juro que me apaixonei pela amizade dos dois.

Albus odeia ser filho de Harry Potter. E, vamos concordar, ter a pressão de ser filho de alguém que salvou o mundo nas costas, realmente, não deve ser tão legal assim. No novo livro, Albus acredita que precisa fazer um ato tão grandioso quanto o do pai e, convencido por Amos Diggory, resolve voltar no tempo e tentar salvar a vida de Cedrico Diggory, que morreu no Torneio Tribruxo, anos antes. Mas a gente sabe bem que mexer com o tempo não é tão simples assim. A coisa foge do controle e Albus e Scorpius precisam salvar o mundo das realidades paralelas que criaram mexendo no passado.

A história é divertida e a gente torce a todo tempo pelos novos bruxos. Mas acho que a melhor parte é estar de volta àquele universo, junto dos personagens mais incríveis. A cada página, meu coração se derretia em saudades. Foi maravilhoso voltar a ter contato com aqueles personagens tão especiais para mim. Acompanhar o presente deles. O casamento de Ron e Hermione, de Harry e Gina, a vida de um Draco viúvo com o único filho, o clima de Hogwarts com a amada McGonagall como diretora…

E, confesso, eu, que nunca gostei muito do Draco e da Sonserina, desenvolvi um carinho enorme pelos dois graças a Albus e Scorpius. Apesar de ainda não ter me conformado com o resultado do novo teste do Pottermore, que me tirou da Grifinória e me colocou na Sonserina, meu coração abriu um espacinho para a casa de Draco, Albus, Scorpius, Snape e, quem sabe um dia eu consiga chamar de minha…

Harry Potter And The Cursed Child é uma história para matar a saudade. Não vá esperando um livro sensacional ou uma história que mude tudo. Mas se você, como eu, é apaixonado por aqueles personagens e o universo mágico criado por J.K. Rowling, com certeza também vai adorar o livro novo. Foi um reencontro incrível com a história que marcou minha adolescência e amenizou a falta enorme que tudo aquilo me fazia.

Bruna Paiva

Bruna Paiva

Gostou do post? Então, comente, compartilhe e não se esqueça de me seguir nas redes sociais!

Siga @ADemaisblog e @BrunaPaivaC no Twitter

Curta a fanpage do Adolescente Demais no Facebook

Siga @ademaisblog e @BrunaPaivaC no Instagram

Acompanhe BrunaPaivaC no Snapchatwp-1465389060779.png

CLIQUE AQUI PARA VISITAR O ADOLESCENTE DEMAIS NO YOUTUBE

Boa Noite: uma história importante, mas nem tão fofa quanto o título

Entrar numa faculdade, morar numa república, mudar de cidade, conhecer gente nova, ter a oportunidade de escolher quem você vai ser de agora em diante. Quanta gente não sonha com isso por aí? É exatamente o que acontece na vida de Alina, no livro Boa Noite, da Pam Gonçalves.

Alina cresceu no interior e nunca teve uma vida social muito ativa. Quando passa para o curso de Engenharia da Computação na universidade, arrisca sair da casa dos pais e vai morar numa república. Lá, começa a ser apresentada para a vida universitária. Junto com os novos amigos, ela passa a frequentar as melhores festas e conhece muita gente. A menina se descobre gostando desse mundo e até arrisca um romance. Tudo parece incrível até que criam uma página de fofocas na internet para falar sobre as garotas da faculdade. Paralelo a isso, vários casos de abuso sexual começam a ser denunciados na faculdade.

Boa Noite não é uma história fofa como o título. O livro traz um assunto muito importante e o trata com seriedade. Amei a maneira como a Pam nos envolve no drama de Alina. A narrativa em primeira pessoa aproxima o leitor da protagonista. Não consegui parar de ler enquanto não terminei. Os personagens são incríveis. Muito bem construídos, tive vontade de ser amiga da Manu e casar com o Gustavo.

img_20160918_202240.jpgAcompanho a Pam Gonçalves desde que ela escrevia suas resenhas no blog Garota It. Um dos meus livros favoritos é uma indicação dela e já até ganhou resenha aqui no blog: A Lista Negra. Adoro os vídeos do canal da Pam no Youtube e fiquei muito curiosa quando soube que ela lançaria um romance. Quem me segue nas redes sociais viu que eu fui ao lançamento aqui no Rio. Ela foi muito simpática na tarde de autógrafos e me pediu para contar o que eu achasse do livro.

Eu achei o livro incrível. A maneira como ela retrata um comportamento machista na universidade, a relação de quatro meninas com um curso predominantemente masculino. A amizade entre os colegas de república, o romance de forma sutil, sem tirar o foco do assunto principal. É uma história que fala sobre abuso sexual, machismo, representatividade, preconceito, sororidade, amizade e amor. Um livro que eu levei para me acompanhar numa viagem e me fez rir e chorar na beira da piscina.  Que faz pensar e que tinha que ser lido por todos os jovens. Um livro que rende uma boa discussão sobre a maneira com que as pessoas pensam e agem por aí.

Se o primeiro livro da Pam já me deixou tão encantada, mal posso esperar pelos próximos trabalhos da autora!

Bruna Paiva

Gostou do post? Então, comente, compartilhe e não se esqueça de me seguir nas redes sociais!

Siga @ADemaisblog e @BrunaPaivaC no Twitter

Curta a fanpage do Adolescente Demais no Facebook

Siga @ademaisblog e @BrunaPaivaC no Instagram

Acompanhe BrunaPaivaC no Snapchatwp-1465389060779.png

CLIQUE AQUI PARA VISITAR O ADOLESCENTE DEMAIS NO YOUTUBE

Eu estive aqui: um livro que precisa ser lido!

wp-1474982422807.jpg

Imagine ter uma amiga que foi criada junto com você, quase como sua irmã. Aquele tipo de amiga que te conta tudo o que acontece na vida dela. De repente ela se mata, de maneira friamente calculada, e só o que você recebe é um e-mail padrão de despedida. É exatamente o que acontece com Cody Reynolds em Eu Estive Aqui.

Depois que Meg, sua melhor amiga, toma um frasco de veneno, sozinha num quarto de motel, Cody se questiona como não percebeu o que a amiga pretendia. Acolhida pela família de Meg, e ajudando a recolher as coisas que a amiga havia deixado em Tacoma, onde fazia faculdade, Cody começa a descobrir outras coisas que Meg nunca havia contado.

Quando descobre arquivos suspeitos no computador da amiga, Cody percebe que tudo o que sabe sobre a morte de Meg pode estar distorcido. Ela, então, resolve se dedicar a uma profunda investigação para tentar entender o que levou a amiga àquele fim.

 Eu adoro as histórias da Gayle Forman, e com Eu Estive Aqui não foi diferente. A personagem principal é bem cativante e os secundários, além de bem construídos, fundamentais para o desenrolar da história. A cada capítulo eu me sentia mais próxima de Cody, me identificava com algumas inseguranças e sentia pena por outras. Em determinado momento da história, deu vontade de abraçara personagem, para evitar que ela sofresse mais. É incrível como dá para sentir a angústia que passa na cabeça dela por não entender ou não ter conseguido evitar o que Meg fez.

O livro, da editora Arqueiro, é forte e apesar de haver um romance presente, ele é tratado em segundo plano. E não podia ser diferente, a história pedia que fosse dessa forma. Eu Estive Aqui trata sem tabus de assuntos muito importantes: depressão e suicídio. Questões que são evitadas socialmente, mas que precisam ser abordadas.  Ao fim do livro, um artigo sobre a importância da discussão desses temas e mostrando os números de casos no Brasil deixa clara a necessidade de falar sobre esses temas.

A personagem Meg, infelizmente, é inspirada numa história real. Nos agradecimentos da autora, Suzy Gonzales é citada como influência para a criação de Meg Garcia. A situação de Cody é muito comum por aí. Justamente porque não se fala muito no assunto, não conseguimos perceber os sinais de alguém que está prestes a se matar.

A história é forte e seus personagens também, desde Ben McCallister, guitarrista underground por quem Meg foi apaixonada, até Scottie, o irmão mais novo da menina que cometeu suicidio. Uma história com um tema complicado, que é abordado de forma incrível. Eu Estive Aqui me tirou de uma ressaca literária gigante. É um livro que as pessoas precisam ler!

Bruna Paiva

Gostou do vídeo? Então, comente, compartilhe e não se esqueça de me seguir nas redes sociais!

Siga @ADemaisblog e @BrunaPaivaC no Twitter

Curta a fanpage do Adolescente Demais no Facebook

Siga @ademaisblog e @BrunaPaivaC no Instagram

Acompanhe BrunaPaivaC no Snapchatwp-1465389060779.png

CLIQUE AQUI PARA VISITAR O ADOLESCENTE DEMAIS NO YOUTUBE

 

5 livros para ler na correria!

wp-1456582182555.jpg

Sei que, de vez em quando, a rotina e a vida corrida não nos deixam tempo restante para quase nada. Conheço muita gente que diz que não lê por pura falta de tempo para se concentrar. Bom, ler na falta de tempo, mesmo com a vida agitada, é questão de hábito. E o melhor para se acostumar com isso é começar com livros leves, que sejam fáceis de ler e, principalmente te divirtam.

 Trouxe uma lista com 5 livros para ler e se distrair da correria rotineira! Dá pra ler no caminho para a faculdade, no intervalo da escola, na volta do trabalho… Portanto, achem uma brechinha e apenas aproveitem a leitura!

1-      Doidas e Santas – Martha Medeiros

wp-1456581958462.jpg

Eu AMO as crônicas da Martha. Às vezes, compro O Globo de domingo só para ler a coluna dela. Doidas e Santas é uma das coletâneas de crônicas dela. O livro é super divertido e até deu nome a uma peça de teatro. Fora que os textos são curtinhos e independentes, ideal para ler quando o tempo está curto…

 

2-      Amor ao pé da letra – Melissa Pimentel

wp-1456581950771.png

Fiz resenha desse livro aqui no blog em 2015(leia clicando aqui). Ele é muito engraçado. Em Amor ao pé da letra, uma mulher, cansada de sofrer por amor, resolve seguir um livro de auto-ajuda por mês. A história é real e as furadas em que a protagonista se mete garantem muitas risadas. É ótimo para deixar o astral lá em cima, mesmo com os estresses do dia a dia.

 

3-      Apaixonada por histórias – Paula Pimenta

wp-1456581945638.png

Nesse compilado de crônicas da Paula Pimenta a gente descobre várias coisas a respeito da autora. Ela conta histórias de vaárias épocas de sua vida de um jeito bastante bem-humorado. É um livro rápido de ler e muito divertido. Bem fininho, cabe na bolsa e, como são crônicas, sempre se encaixam numa brechinha de tempo. 

 

4-      360 dias de sucesso – Thalita Rebouças

wp-1456581940867.png

360 dias de sucesso conta a história da banda Pólvora, que teve exatos 360 dias de muito sucesso. É um livro incrível, pelo qual eu tenho muito carinho (leia minha resenha aqui). É impossível não se apaixonar pelos personagens. É ótimo para levar na bolsa, porque é muito fácil de ler, a história é divertida, leve e faz a gente acreditar nos sonhos.

 

5-      Eu Odeio Te Amar

wp-1456581936345.jpg

Esse livro tem uma história louca e ao mesmo tempo bonitinha e engraçada. A protagonista descobre um dia antes do casamento que seu noivo a traiu. Ela resolve então se vingar de seu amado. Mas as formas que ela encontra para isso são as piores possíveis. A garota só se mete em confusão! A história é muito engraçada e boa para espairecer e rir um pouquinho entre uma correria e outra.

 

 

Gostou do post? Então, comente, compartilhe e não se esqueça de seguir o blog nas redes sociais!

Siga @ADemaisblog e @BrunaPaivaC no Twitter

Curta a fanpage do Adolescente Demais no Facebook

Siga @ademaisblog e @BrunaPaivaC no Instagram

Acompanhe BrunaPaivaC no Snapchat

Quatro autoras e um livro inesquecível

wp-1453815711245.jpgQuando a Gutenberg lançou o projeto do livro Um Ano Inesquecível eu pensei “que ideia sensacional”. Cresci lendo Thalita Rebouças, adoro a Bruna Vieira, me apaixonei pelo primeiro livro da Babi Dewet e sempre quis ler algo da Paula Pimenta. Eu simplesmente precisava desse 4 em 1; e, como contei para vocês aqui, ele foi uma das minhas aquisições da Bienal do Livro 2015.

Um Ano Inesquecível é uma coletânea de quatro contos, um de cada autora. Cada história se passa em uma estação do ano e a proposta era que fosse uma estação inesquecível, que de alguma forma mudasse a vida dos personagens. As quatro autoras contaram histórias divertidas e que me cativaram.

Todos os contos mexem com amor e adolescência. Só não entendi por que estavam fora da ordem das estações.

O primeiro é o inverno, de Paula Pimenta. Nele, Mabel é a protagonista e está furiosa por ser obrigada a viajar com os pais nas férias do meio do ano. A menina queria passar a folga da escola na casa de uma amiga, mas acaba tendo um inverno inesquecível com a família. Achei o conto um pouco previsível, mas ainda assim adorei a história, principalmente porque me identifiquei com a protagonista. É narrado em primeira pessoa pela própria Mabel e dá para acompanhar bem de perto os sentimentos dela durante todo o inverno!

O outono, de Babi Dewet, é o segundo conto. Nele, Anna Júlia concilia o último ano de escola com o estágio num escritório de advocacia. O conto se passa em São Paulo e, no caminho escola-estágio, Anna sempre cruza com um músico de rua. João Paulo também nota a presença da moça, que para sua surpresa odeia música. O que nenhum dos imagina é que nunca se esquecerão daquele outono.

A Babi arrasou. Foi o único conto que me fez chorar. Pela história e por ter me identificado com a vida corrida da protagonista. Os dramas dela, as inseguranças, muito do que eu passei em 2015. Descobri músicas que eu não conhecia e adorei renovar minha playlist.  Deu para sonhar em conhecer os dois personagens e juro que ia amar se eles ganhassem um livro só deles.

O terceiro conto é da Bruna Vieira e se passa na primavera. Jasmine está quase sendo reprovada em matemática em seu último ano do Ensino Médio. Quando a escola mostra a situação à sua mãe, a menina fica de castigo e é obrigada a ter aulas particulares com o professor a quem odeia. Mas tudo fica muito mais divertido quando ele coloca um de seus alunos da faculdade para dar as aulas em seu lugar.

Adorei o modo como a história corre. A narrativa é bem leve e a personagem principal é incrível. Ela passa por cima de todos os preconceitos e se joga de cabeça naquilo que quer. Gostei do drama e do final bonitinho que me fez sonhar acordada.

O verão de Thalita Rebouças é o último conto. Nele, Flávia acabou de terminar um relacionamento e tenta curtir as férias com as amigas Tati e Kaká. Por meio de aventuras amorosas do irmão de Kaká, o trio consegue ingressos para assistir ao espetáculo do carnaval carioca na apoteose, de camarote. O que elas nem imaginavam era quanta confusão aquele carnaval iria render. Gostei de como as coisas acontecem nesse conto. O texto flui e, quando percebi, já estava no final. A história é engraçada e eu juro que fiquei com pena da protagonista.

As quatro histórias são leves e divertidas. Mas o conto que eu mais gostei foi o da Babi Dewet, achei pouco previsível e simplesmente me apaixonei pelos personagens. O livro é descontraído e uma ótima pedida para ler neste finzinho de verão. Inspira a gente a buscar também a nossa estação inesquecível.

Bruna Paiva

Gostou do post? Então, comente, compartilhe e não se esqueça de seguir o blog nas redes sociais!

Siga @ADemaisblog  no Twitter

Curta a fanpage do Adolescente Demais no Facebook

Siga @ademaisblog no Instagram

O que me move é a paixão

IMG_20151110_110657786

O que leva uma menina de 16 anos a dizer para o mundo que quer ser escritora? Um ano depois da decisão tomada, ainda não consigo responder à pergunta sem parecer piegas.

O que me move é a paixão. Sou levada às palavras para que a ausência delas não me leve à loucura. Quero ser escritora porque não sou nada sem a escrita. Colocar o que sinto no papel é terapia, desliga-me do mundo, traz-me paz. Não acredito que nenhuma outra profissão me proporcionaria tamanho prazer.

Uma vez, durante uma entrevista, a escritora Clarice Lispector ouviu a seguinte pergunta: “Por que você escreve?”. Ela logo retrucou: “Por que você bebe água?”. A resposta, à primeira vista, parece bonita. Mas só entende a carga de realidade e sinceridade na fala de Clarice quem compartilha o mesmo sentimento.

A escrita não se escolhe, acata-se. Ela vem de dentro, da alma. Escolhe você, e quando se manifesta, não dá muitas opções. Você precisa escrever, externar o que sente e transformar em palavras aquilo com o que não consegue lidar internamente.

Escrevo desde os 14 anos; profissionalmente, desde os 16, e hoje, tenho absoluta certeza de que quero fazê-lo para o resto de minha vida.

Bruna Paiva

Siga @ADemaisblog  no Twitter

Curta a fanpage do Adolescente Demais no Facebook

Siga @ademaisblog no Instagram

Minha tão esperada visita à Bienal

IMG-20150906-WA0032

Lançamento do livro Não Olhe, de FML Pepper

Sem dúvidas o evento mais esperado do ano, a XVII Bienal do Livro do Rio de Janeiro começou no dia 3 de setembro. Eu, como não podia deixar de ser, contei os dias para a minha visita, no último domingo, 06-09. Amo a Bienal e me lembro de cada edição que passei por lá, desde bem pequenininha. Cresci no meio dos livros e esse evento é uma espécie de paraíso para IMG-20150906-WA0016mim. Cheguei com a lista pronta e já sabendo o que queria em cada pavilhão, ainda assim, mudei planos por algumas surpresas que encontrei nas editoras.
Os stands, a cada ano mais criativos, dão um quê a mais de magia aos livros. As decorações de que eu mais gostei foram as da Novo Conceito e da Companhia das Letras. A primeira tem reproduções de páginas e capas gigantes, além de livros pendurados e uma ilha com carregadores de celular para os leitores. A segunda, é decorada com painéis de LED anunciando os lançamentos e uma estante enorme com vários títulos diferentes no portal de entrada.

Encontrei com alguns autores e, claro, saí com autógrafos!

IMG-20150906-WA0030

Com a FML Pepper e suas mortes…

Primeiro, fui ao lançamento do livro Não Olhe, da FML Pepper, na Editora Valentina e amei. A autora autografava acompanhada de personagens de seu livro que eram a cara da morte. E que morte, viu! Até senti que minha hora estava próxima… Como não tinha lido o primeiro da série, comprei Não Pare para começar. Enquanto autografava meu livro ela me deixou super à vontade para “ir morrendo” com seus personagens e depois se juntou à brincadeira.

IMG-20150906-WA0027

Com Laurentino Gomes no stand da Globo

Quando entrei na Editora Globo, tive uma grande surpresa: o autor Laurentino Gomes autografava seus livros 1808, 1822 e 1889. Recentemente, li o 1808 e adorei, em breve sai a resenha aqui no blog. Entrei no stand da editora justamente em busca do 1822. Quando soube que o autor estava lá, corri para a fila de autógrafos. Laurentino foi super simpático e ainda me desejou boa sorte no vestibular. Quando me perguntou o que eu queria fazer da vida e eu disse que cursaria comunicação, mas queria ser escritora, ele falou “Ah, então está na minha área!”

IMG-20150906-WA0012

Com a Mari Mortani

No stand da Novo Conceito, encontrei com a amiga Mari Mortani, do blog Magia Literária. Ela estava prestes a começar a mediação de um bate-papo com a autora Vanessa Bosso. Não pude ficar para participar porque ainda precisava fazer algumas coisas antes de ir embora, mas tenho certeza de que foi divertido. Aliás, a Mari vai estar na Bienal quase todos os dias para mediar debates e bate-papos com autores da Novo Conceito.

Rodando pelos Pavilhões, precisei parar para tirar foto em alguns lugares. A Mônica gigante me fez lembrar de uma infância repleta dos quadrinhos de Maurício de Souza. IMG-20150906-WA0013Este, aliás, impressionante. Do alto de seus 80 anos, o grande homenageado desse ano na Bienal autografava seus gibis sorridente e simpático para uma fila de fãs de todas as idades.  Um Christian Figueiredo gigante também me fez parar para um registro. Já no fim da minha visita, tive a sorte de cruzar com a fofa da Babi Dewet no estacionamento. Lógico que precisei pedir uma foto, né…

IMG-20150906-WA0018

Com a Babi Dewet no estacionamento

A única coisa que eu estranhei foi a logística de distribuições das editoras. Ao todo, são três Pavilhões. Entretanto, é no Pavilhão Azul que estão todas as grandes editoras, além de muitas distribuidoras e livrarias. Passei cinco horas só lá! Enquanto isso, o Pavilhão Verde era mais voltado para o público infantil, e o Laranja era das editoras universitárias e algumas distribuidoras. Acho que poderiam ter distribuído melhor para não concentrar todo mundo num lugar só.

IMG-20150906-WA0017

Alguns dos livros que comprei

Ainda assim, eu amei o passeio e pretendo voltar. A Bienal está linda e acontece até o dia 13, domingo, com uma programação incrível e vários autores convidados como Sophie Kinsella, Anna Todd e outros. No último domingo do evento (dia 13-09), que é quando eu pretendo voltar, vai rolar um lançamento que fará o Riocentro tremer. Quatro das autoras mais queridas pelo público jovem no país lançam, juntas, o livro Um Ano Inesquecível pela editora Gutenberg. Thalita Rebouças, Paula Pimenta, Bruna Vieira e Babi Dewet com toda a certeza vão levar um público enorme!

Deixo aqui pra vocês a lista dos livros que trouxe em minha primeira visita à Bienal. Grande parte deles vai acabar ganhando resenha aqui no blog!

  • Um Ano Inesquecível – Paula Pimenta, Babi Dewet, Bruna Vieira e Thalita Rebouças (Ed. Gutenberg)
  • Não Pare – FML Pepper (Ed. Valentina)
  • Eu Sou Malala – Malala Yousafzai (Ed. Cia das Letras)
  • 1822 – Laurentino Gomes (Ed. Globo Livros)
  • O Misterioso Caso de Styles – Agatha Christie (Ed. Globo Livros)
  • Cartas de Amor aos Mortos – Ava Dellaira (Ed. Seguinte)
  • Apenas Um Ano – Gayle Forman (Ed. Novo Conceito)
  • Apaixonada Por Histórias – Paula Pimenta (Ed. Gutenberg)
  • Eu Odeio Te Amar – Liliane Prata (Ed. Gutenberg)
  • Muito Mais Que 5 Minutos – Kéfera Buchmann (Ed. Paralela)
  • O Réu e o Rei – Paulo César De Araújo (Ed. Cia das Letras)
  • Joyland – Stephen King (Ed. Suma de Letras)
  • Eu Fico Loko 2 – Christian Figueiredo de Caldas (Ed. Novas Páginas)
  • Dias Perfeitos – Raphael Montes (Ed. Cia das Letras)

Bruna Paiva

Siga @ADemaisblog  no Twitter

Curta a fanpage do Adolescente Demais no Facebook

Siga @ademaisblog no Instagram

Vazio Literário no Salão de Livros para Crianças e Jovens FNLIJ 2015

WP_001061

De um lado, cerca de 10 jovens leitores acompanhavam a narração de Alice no Pais das Maravilhas, conduzida pelo jornalista Pedro Bial. Na outra extremidade do evento, o incansável Ziraldo contava as aventuras de seus personagens para pouco mais de 15 crianças. E essas foram as duas maiores concentrações de pessoas que vi no último domingo (21/06), ao visitar o 17º Salão FNLIJ do Livro para Crianças e Jovens, no Rio de Janeiro. Um cenário triste que me deixou com um vazio literário no peito pelo resto do meu dia de folga.

Vazio porque sei que a geração de jovens de hoje lê muito mais do que a minha. Vazio porque vi nos olhos de meus filhos a mesma decepção que eu não consegui disfarçar. Vazio porque, pelo desânimo que percebi nos livreiros, distribuidores e editores que participavam do evento, fiquei com receio de não haver uma 18ª edição. E vazio ainda maior porque ao meu lado estava uma adolescente, dona deste blog, que sonha em viver profissionalmente de literatura.

Lembro-me de ter levado meus dois filhos ainda bebês aos seus primeiros salões de livros. Eles não sabiam ler, mas se encantavam com as cores, com os formatos e desenhos dos livros infantis. Nós nos amontoávamos nas almofadas, nos pufes dos espaços de leituras e eu e a minha mulher  contávamos histórias. Interpretávamos, gesticulávamos e fazíamos vozes de vários personagens para eles. Deixávamos que segurassem os livros, que sentissem aquele universo. Acreditávamos e acreditamos ser importante para as crianças fantasiar, viajar por estórias e histórias.

Mas aquele ainda era o maravilhoso e exclusivo mundo dos livros impressos. Crianças não nasciam com tablets e smart phones em punho. Os tempos mudaram e as feiras literárias precisam se atualizar também. Um salão literário para crianças e adolescentes não pode ignorar novos autores, os blogueiros e os youtubers. São essas as novas referências  que têm arrebanhado cada vez mais a atenção dos nossos jovens e ajudado a formar novos leitores e formadores de opinião.

Alguém duvida que a presença de fenômenos jovens como Bruna Vieira, Felipe Neto ou Christian Figueiredo (todos tb autores de livros) arrebanharia muito mais jovens leitores do que eventos como 150 anos de Alice no Pais das Maravilhas ou 120 anos de Maba Tahan? Não defendo de forma alguma que não se cultuem ou valorizem os clássicos. Mas é preciso mesclar o tradicional com o novo para se atingir as novas gerações. Você atrai oferecendo o que eles gostam e aí aproveita a presença deles para  apresentar-lhes  um cardápio mais amplo.

Ao lado da feira de livros havia um encontro de Anime e Cosplay. Estava lotado de jovens e seus pais. E olha que a entrada custava R$ 25, enquanto a da feira literária custava apenas R$ 5. Será então que os jovens não querem mesmo mais saber de livros? Sinceramente não acredito nisso. Basta olhar para o crescimento da Amazon Brasil e de sites de leituras como Wattpad e Widbook. Basta ver a multidão que a Bienal do livro atrai ao mesclar os clássicos com as novas tendências, o analógico com o digital.

O que parece estar mais do que provado depois deste 17º Salão FNLIJ é que não há mais espaço para a velha fórmula de se expor os livros em uma estante e esperar que os leitores simplesmente apareçam. Vivemos no mundo dos mil estímulos. Os livros estáticos mantêm seu charme, mas nunca sofreram tanta concorrência. E para captarmos a atenção dos leitores é preciso interagir com esse novo mundo e sus novos estímulos.

Portanto, para o próximo salão, convidem os autores queridinhos dos adolescentes, convidem blogueiros, youtubers, viners…Coloquem uma bandinha jovem tocando e personagens andando pelos corredores…Convoquem os estudantes dentro das escolas (as pariculares tb) para concursos, antologias. Instalem uma espaçonave na entrada do salão, deixem os cosplayers entrarem… Façam alguma coisa ou tudo isso ao mesmo tempo. Mas pelo amor de Deus não me deixem sentir esse vazio literário mais uma vez.

JM Costa

Siga @ADemaisblog  no Twitter

Curta a fanpage do Adolescente Demais no Facebook

Siga @ademaisblog no Instagram