Meus 10 filmes de dança preferidos

11156240_932312336790752_6733073696492074984_n

Hoje, 29 de Abril é o dia internacional da dança! Como todo mundo aqui já sabe, eu sou bailarina e a dança é uma das partes mais importantes na minha vida. Portanto quis fazer alguma coisa diferente aqui no blog nesse dia tão especial para mim e todos os amantes da dança em todo o mundo.

Decidi contar para vocês quais são os filmes sobre dança que eu mais gosto. Musicais e filmes que falam sobre essa arte são estilos que realmente mexem comigo e eu adoro assistir. A seleção foi enorme para conseguir escolher os dez que eu vou listar abaixo. Espero que gostem, divirtam-se e principalmente: DANCEM!

EU E A DANÇA ==> Que tal saber como comecei a dançar e ver um vídeo rapidinho de um espetáculo incrível em que também estou no palco ?

1 -Vem Dançar (Take the Lead) – 2005

Este é sem dúvidas o meu filme preferido sobre dança! E o tango final é a melhor coreografia…

Em “Vem Dançar”, Antônio Bandeiras é Pierre Dulaine, um renomado professor de dança de salão. Depois de presenciar um episodio de violência, protagonizado por um jovem, Dulaine decide se oferecer para dar aulas de dança numa escola pública.

Sem dar muito crédito ao professor, a diretora dá a ele a turma dos “rejeitados da escola”. O que acontece depois é o efeito que a mais pura magia da dança pode causar.

 

2- Sob a Luz da Fama (Center Stage) – 2000

“Sob a luz da fama” mostra uma realidade que eu presencio muito, já que se passa em uma escola de dança. Conta a história de um grupo de jovens sem esconder os conflitos internos, dúvidas e dificuldades de cada um deles.

A história de seis bailarinos que dão sangue e suor para conseguir o espaço que almejam na arte que tanto amam. Confesso que me arrancou algumas lágrimas e vi muitas cenas com as quais me identifiquei. E o final é mais do que surpreendente!

 

3- Dirty Dancing – Ritmo Quente – 1987

“Dirty Dancing” conta a história de Baby, uma jovem rebelde e idealista que viaja com a família e acaba se metendo numa festa do hotel. Lá, conhece Jhonny um professor de dança, e se apaixona por ele. Quando a parceira de Jhonny é impossibilitada de dançar por causa de uma gravidez, Baby se oferece para substituí-la. O problema, é que o pai dela não aceita e tenta proibir a filha de dançar.

Esse verdadeiro clássico dos anos 80 é sem dúvidas um dos meus favoritos. Patrick Swayze é maravilhoso e a história de Baby e Jhonny é apaixonante. E nem preciso dizer que “Time of my life” é a minha coreografia preferida…

 

4- Ela dança, eu danço (Step Up) – 2006

Tyler é um jovem da periferia que esta acostumado com as danças de rua. Depois de depredar uma escola de artes, o garoto é obrigado a prestar serviços no local. Lá conhece Nora, uma excelente bailarina que precisa encontrar outro parceiro para a apresentação final. Tyler é relutante, mas acaba concordando em ajudar a garota.

Esse filme é um misto de comédia romântica, drama e musical. Simplesmente emocionante e mexe com qualquer um. E claro, combate o preconceito entre estilos…

 

5 – Footlose – Ritmo Louco- 1984 e 2011

Um jovem se muda para uma cidade do interior e é surpreendido por uma lei local: lá é proibido dançar! O garoto acaba tendo problemas com o conservador reverendo da cidade, ainda mais quando se envolve com a filha do cara, Ariel também ama dançar e quebrar as regras…

Confesso que só assisti a versão mais recente deste clássico. Mas a historia é criativa e envolvente. Ainda assisto ao primeiro filme, com certeza é tão bom quanto o remake!

 

6 – Sob a luz da fama: o poder da paixão (Center Stage- turn it up) – 2009

Em “Sob a luz da fama: o poder da paixão”, uma bailarina auto-didata sonha em entrar para a American Academy of Ballet. Quando não passa na prova, não tem coragem de voltar para casa e acaba como garçonete numa boate de hip-hop. Lá, conhece o bailarino Kenny, juntos os dois se ajudam a melhorar suas técnicas e chegar aonde almejam.

O segundo “Sob a Luz da fama” não tem nada a ver com o primeiro. Mas é tão apaixonante e inspirador quanto.

 

7 – High School Musical – 2006 a 2008

Troy Bolton e Gabriella Maltez se conhecem em uma noite de Karaokê e não se encontram mais. Até que, por coincidência do destino, Gabriella é matriculada na mesma turma de Troy. Quando começam as audições para o musical da escola, ela precisa encorajar Troy, que é astro dos Wildecats e filho do treinador de basquete, a seguir o que ele ama: a música.

Acho que todos da minha geração têm essa trilogias entre seus preferidos. Não me canso de assistir. Aliás, High School Musical só se assiste cantando e dançando!

 

8 -Ela dança, Eu danço 4 (Step Up revolution) – 2012

Emily, a filha de um grande empresário e dono de hotéis tem até o fim do semestre para provar ao pai que pode ser uma bailarina profissional. Enquanto isso, uma onda de flash mobs toma conta da cidade. É a máfia: um grupo de jovens que ama dançar e quer vencer um concurso no Youtube. Mas os caminhos de Emily e Sean, líder da máfia, se cruzam dando início a uma grande paixão.

“Ela dança, eu danço 4” é sensacional. Não assisti ao 2 nem ao 3, mas o 4 não tem nada a ver com o primeiro e é totalmente inovador. O filme diverte, emociona e mostra que dança é sim uma forma de protesto e dá voz a quem não pode falar.

 

9- Ritmo do Amor (Love’n Dancing) – 2009

Nesse filme, Jessica é uma professora de inglês que está prestes a se casar conhece um professor de dança de salão. Ela quer aprender a dançar com seu noivo, mas o cara é um babaca. O professor de dança, que tem uma deficiência auditiva, acaba tendo problemas com sua parceira para as competições. Jessica e o professor acabam se envolvendo.

“Ritmo do Amor” é lindo. Minha parte preferida é quando o professor desliga o aparelho auditivo para dançar. Ele não precisa ouvir a música, apenas senti-la.

 

10 – O Poder do Ritmo (Stomp the Yard) – 2007

Depois de perder o irmão durante um tiroteio, DJ, um rebelde dançarino de Street dance resolve deixar tudo para trás e entrar para a faculdade. O que ele não esperava é que encontraria fraternidades envolvidas com dança. Depois de ter seu talento descoberto, DJ precisa escolher entre duas fraternidades rivais.

“O Poder do Ritmo” é lindo e mostra que o amor supera qualquer barreira. E claro, o poder que a dança tem de expressar tudo sem precisar que nada seja dito.

Gente, esses são os meus dez preferidos, mas, como eu disse, amo esse estilo de filme. Então, quem tiver dicas de outros filmes sobre dança pode deixar aí nos comentários que eu vou adorar assistir!

Beijos,

Bruna

Gostou do post? Então, comente, compartilhe e não se esqueça de seguir o blog nas redes sociais!

Siga @ADemaisblog e @BrunaPaivaC no Twitter

Curta a fanpage do Adolescente Demais no Facebook

Siga @ademaisblog e @BrunaPaivaC no Instagram

Acompanhe BrunaPaivaC no Snapchatwp-1465389060779.png

CLIQUE AQUI PARA VISITAR O ADOLESCENTE DEMAIS NO YOUTUBE

 

 

 

 

 

Anúncios

“Dias de Luta, Dias de glória”: eu quero no Rio!

New Era Apresenta_ Musical “Dias de Luta e Dias de Glória” sobre ___(1)Há dois anos, eu e todo o Brasil recebemos uma notícia que rendeu tristeza, pesar e rios de lágrimas. No dia 6 de março de 2013, morreu um dos meus maiores ídolos: Alexandre Magno, mais conhecido como Chorão. Digam o que quiserem, mas o cara era um gênio na arte de traduzir sentimentos, um poeta e suas palavras me fazem um bem inexplicável.

Não é segredo por aqui que eu sou fã de Charlie Brown Jr. desde pequena. As músicas compostas por Chorão são inspiração e remédio para mim. Quando soube que um musical sobre a vida dele estrearia, fiquei louca de ansiedade. É isso aí, a vida do Chorão virou musical e está em cartaz no Teatro Gamaro em São Paulo até 12 de julho. Perguntei para a produção da peça e me disseram que a temporada do Rio está em negociação, mas é provável para o próximo semestre. Eu já estou na torcida!

Porém, como tudo na vida do cantor, o musical “Dias de luta, dias de glória” vem atrelado a muita polêmica. O irmão de Chorão declarou publicamente ser contra a adaptação da vida do rapper para os palcos. A principal queixa da família é não ter podido participar da criação do roteiro.

Quem também se manifestou foi a primeira mulher de Chorão, mãe do filho do cantor. Thaís disse que sua passagem na vida do protagonista foi retratada de forma rasa e superficial. O filho de Chorão, Alexandre, está à frente do projeto e autorizou o roteiro.

Já a segunda mulher de Chorão, com quem estava casado quando morreu, não aparece na peça. Gabriela não autorizou sua representação por não aprovar o roteiro. No musical, entretanto existe uma “mulher genérica” chamada Graziela, que representaria “todas as mulheres que Chorão teve depois da fama”, segundo o diretor.

___ DZ6, intérprete de Chorão no musical 'Dias de luta, dias de glória

Na foto, DZ6.

Polêmicas à parte, o musical é composto por Skatistas e bailarinos que contam a vida do cantor por meio de suas músicas. Tem uma pista Half Pipe no cenário e tudo! A banda que interpreta o Charlie Brown é a DZ6 que já fazia covers de CBJ. Assisti a alguns vídeos do musical e fui surpreendida pela semelhança física e vocal do ator principal ao Chorão.

Um pedaço de “Tudo o que ela gosta de escutar” foi o suficiente para me deixar arrepiada e com a certeza de que vou me emocionar. Espero ansiosamente pela chegada de “Dias de luta, dias de glória” ao Rio de Janeiro, para poder relembrar com carinho a trajetória desse cara a quem tanto admiro…

Bruna Paiva

Siga @ADemaisblog  no Twitter

Curta a fanpage do Adolescente Demais no Facebook

Siga @ademaisblog no Instagram

A volta de Tudo Por Um Popstar!

2013-04-28 Tudo por um pop star pela terceira vez! Última apresentaçãoMeninas preparem as cordas vocais para voltar a gritar muito pelos Slavabody Disco Disco Boys! Agora foi confirmado “Tudo Por um Popstar” vai voltar!!

Em 2013, o primeiro livro da Thalita Rebouças, “Tudo por um Popstar”, foi adaptado para um musical e virou febre aqui no Rio. O espetáculo acabou ficando 7 meses por aqui, depois teve uma boa temporada em São Paulo e turnê nacional. Eu assisti três vezes e na retrospectiva do meu ano, elegi como a melhor peça de 2013.

A temporada aqui no Rio de Janeiro, além de muita diversão, me rendeu mais um ídolo pra minha pequena coleção. O ator e cantor Christian Villegas, que junto com Rafael Rossato e Igor Pontes forma a banda Slavabody Disco Disco Boys no musical.

A peça, e o livro, contam a história de três amigas que moram em Resende, Gabi, Manu e Ritinha. Elas são completamente fanáticas pelos Slavas. E quando descobrem que os ídolos vêm dar um show no Rio de Janeiro, pedem a ajuda da prima doida de Manu e fazem de tudo para ver os divos de pertinho. Só que nem tudo dá certo…

O espetáculo é maravilhosa e a animação, contagiante. Desde o fim da temporada de 2013, eu tenho morrido de saudades de ouvir aquelas falas que eu já sei de cor e salteado.  Quando soube que o musical ia voltar pro Rio no próximo mês, mesmo com algumas mudanças de elenco, fiquei muito feliz.

Portanto, pessoal, preparem-se porque no dia 18 de abril, no Teatro Ipanema, a gente vai voltar a ouvir que “O show tááá cooomeçandoo…”

Bruna Paiva