10 anos de Gossip Girl e como olhar para a série em 2017

Há exatos 10 anos ia ao ar o primeiro episódio de uma série que marcou uma geração. A história dos adolescentes da elite de Manhattan que eram atormentados por uma blogueira fofoqueira e anônima é adorada por milhares de pessoas até hoje. E, apesar de ter assistido à série tardiamente (só vi GG na Netflix e em 2016!), eu me incluo na lista. Que atire a primeira bolsa Chanel quem nunca sonhou em ter a vida de Blair Waldorf. Ou quem nunca quis ter um Chuck Bass ou um Nate Archibald só para si.

A verdade é que todos os personagens são extremamente marcantes e cativam o público. (Menos a Vanessa, aquela vaca desnecessária.) Quero deixar claro que sou completamente apaixonada pela Blair, a maior rainha da série. Me encantei gradualmente pelo conturbado Chuck Bass. Torci muito pelos casais, shippo Chair até o fim da vida, Derena desde o primeiro episódio e até torcia pro Nate ficar com a Little J, mas não rolou. Eu amo os personagens e sou muito apegada na série. Maaas, todos eles têm comportamentos extremamente problemáticos que, em pleno 2017, não dá para fingir que a gente não está vendo.

ATENÇÃO!!! A PARTIR DAQUI O TEXTO CONTÉM ALTO NÍVEL DE SPOILERS, PORTANTO, SE VOCÊ AINDA NÃO VIU A SÉRIE E NÃO QUER SABER DO QUE ACONTECE, XOXO. (MAS MANDA O LINK PARA AQUELA TUA AMIGA QUE É A LOUCA DE GG)

Comecemos pela nossa famigerada Gossip Girl. Ok, tô sabendo que o blog trocou de autor algumas vezes durante as seis temporadas. Mas meu primeiro tópico vai ser o criador de todo esse furdunço. Dan Humphrey. A história dele com a Serena é uma graça até o momento em que ele resolve expor a vida da ex-namorada (além de todos os seus amigos e família, diga-se de passagem) em seu best-seller. Tudo bem que quem mandou o tal do livro para a editora foi a Vanessa (eu falei que a vaca era desnecessária!). Mas a situação não melhora quando a gente descobre que Dan Humphrey, o garoto solitário com carinha de bom moço, era na verdade a própria cobra em pele de cordeiro.

Quando ele explica para os amigos, no último episódio, como começou tudo aquilo e por que criou a blogueira anônima , tudo parece fazer sentido. Mas, pera lá, como assim??? No meio tempo em que ele ascendia socialmente, o cara expôs a garota por quem era apaixonado, que vira namorada (e casa com ele nesse mesmo episódio) a situações tenebrosas; a melhor amiga dela, com quem ele também se envolve, idem; o próprio melhor amigo dele e o pior: o cara ataca a própria família. São incontáveis as vezes em que a GG expõe Jenny e Rufus. Tudo isso por puro ego.

Gente, não tem como achar isso tudo normal. O garoto era extremamente egoísta e empatia era uma palavra que ele desconhecia. Louco, perturbado. E mais louco ainda foi a Serena ter casado com ele mesmo assim, tendo plena consciência de tudo que ele fez. Tudo bem que ele se declara para ela e no fundo o sentimento é verdadeiro… Mas, ainda assim, acho que uma Serena Van Der Woodsen em 2017 não seria tão condescendente…

Falando na Van der Woodsen. Outro tópico que não tem como não comentar é a amizade mutcho loka de Blair e Serena. Aquela relação era tudo menos saudável. Já começa tudo errado com uma pegando o namorado da outra. Elas brigavam o tempo inteiro. E não eram briguinhas bobas. Perdi a conta de quantas vezes as duas quase saíram no tapa (e algumas em que chegaram às vias de fato). Uma armava para a outra constantemente. Mandavam dicas para a Gossip Girl sobre a vida da amiga, expunham a vida pessoal uma da outra sempre que não estavam contentes com a relação. Inclusive quando Serena toma as rédeas do GG, vive falando sobre a vida de Blair. Se esse é o conceito de amizade verdadeira, Deus me livre de ter uma. É óbvio que as duas conversavam muito e se entendiam na maioria das vezes. Cresceram juntas, então o laço afetivo era muito grande. E uma ajudou muito a outra durante as seis temporadas da série. Mas, ainda assim, a relação das duas está longe de ser sadia.

E falando em relacionamentos pouco sadios… Numa época em que (ainda bem!) muito se fala em relacionamentos abusivos, será que Chuck e Blair teriam feito tanto sucesso se a série começasse agora? Vejamos, é evidente que, com o tempo, o casal amadureceu e os dois realmente se amavam quando casaram. (Eu sou apaixonada pelo casal então dói ter que problematizar, perdoa.) Mas não tem como negar que a construção do relacionamento foi absolutamente torta. O CARA TROCOU A NAMORADA POR UM HOTEL!!! Não dá para esquecer isso.

Fora todas as vezes que Chuck foi absurdamente abusivo com a Blair. Ele gritava com ela, traía, diminuía e chegou a machucar fisicamente a menina quando soube do casamento com Louis. Grande parte do relacionamento deles foi tenebrosa. Doentia de verdade. Foi só quando perdeu a menina de vez que o Bass deu valor ao que tinha. Mas se tem uma coisa que eu idolatro naquela série é a decisão da Blair de não voltar com ele enquanto não se tornasse a mulher poderosa que queria ser. Ela sabia que o amava. Mas também sabia que ele a impedia de viver os próprios sonhos e foi madura o suficiente para se colocar como prioridade na situação. É esse o exemplo da Queen B que a gente tem que seguir, meninas! Amor próprio antes de qualquer coisa.

Quando os dois voltam a se relacionar, já com promessa de casamento, ela está mais segura de si e ele consciente de toda merda que fez no passado. Tenho para mim que, depois de casados, (não vou comentar a circunstância torta em que os dois acabaram se casando porque, né) a relação foi mais saudável.

Blair de boba e inocente não tinha nada. A rainha do Upper East Side era cruel. Ela não tinha o menor pudor em passar por cima de quem fosse para conseguir o que queria. A garota era a protagonista da própria vida e qualquer um que se metesse em seu caminho não tinha a menor chance de sair ileso. Qualquer um mesmo.

Acho que o objetivo da série na real era exatamente mostrar esse comportamento desviado de quem acha que tem o mundo no bolso por causa do dinheiro. Eles podiam comprar o que quisessem e, se você não tem uma índole muito forte, fica muito propício a isso nesse mundo. O dinheiro e o poder mostram o lado mau caráter das pessoas e isso ficou claro em todos os personagens desde Little J, que se rebela contra tudo e todos por status de rainha da escola, até Louis, que no início parecia um verdadeiro príncipe encantado, mas depois mostrou quem era de verdade.

Acho que a Dorota foi a única que não se corrompeu. Apesar de compactuar com todos os planos e esquemas da Blair, ela mesma não fazia mal a ninguém. Talvez por ser uma das únicas personagens que não fazia parte daquele mundo. Ela era só a empregada, no fim das contas…

Lily Humphrey/Van der Woodsen/Bass trocou o amor pelo dinheiro inúmeras vezes e sem o menor arrependimento. Ivy Dickens e Carol Rhode armam um esquema absurdo, enganam todo mundo para roubar o dinheiro que era de Lola. Ninguém escapou das armações de Georgina. Aliás, a mulher fazia força para ser má, né? Até o próprio filho ela usou para conseguir o que queria…

Personagens problemáticos, relacionamentos piores ainda, muito dinheiro, armações e esquemas. Esse texto era para problematizar um pouco, mas não deixa de ser uma homenagem a essa série incrível que, volta e meia, eu assisto de novo. É bem verdade que Gossip Girl é bem conturbada, mas como a blogueira sempre dizia, não tem como negar: You know you love her.       

E acho que a gente sempre vai amar. Aliás, que tal uma maratonazinha para comemorar esses 10 anos da blogueira mais ardilosa do Upper East Side?

 

XOXO

Bruna Paiva

 

Gostou do post? Então, comente, compartilhe e não se esqueça de me seguir nas redes sociais!

Siga @ADemaisblog e @BrunaPaivaC no Twitter

Curta a fanpage do Adolescente Demais no Facebook

Siga @ademaisblog e @BrunaPaivaC no Instagram

Acompanhe BrunaPaivaC no Snapchatwp-1465389060779.png

CLIQUE AQUI PARA VISITAR O ADOLESCENTE DEMAIS NO YOUTUBE

Anúncios

7 filmes inspiradores na Netflix

Oi, gente! No post de hoje eu trouxe 7 filmes com histórias inspiradoras. São filmes incríveis e não tem como não se emocionar. E, o melhor, estão todos disponíveis na Netflix!

 

  • Forrest Gump

Nesse clássico dos anos 90, Tom Hanks interpreta um homem de raciocínio lento que, mesmo com todas as suas dificuldades e inocência para entender o mundo, nunca se deixou abater por aqueles que o diminuíam. Forrest termina a escola, faz faculdade, vira atleta olímpico, luta na Guerra e até vira empresário. É impossível não se emocionar com o jeito infantil de Forrest.

 

  • 8 Miles

Jimmy é um rapper branco que sofre certo preconceito na periferia de Detroit. O garoto tem o sonho de se tornar rapper profissional, mas em seu caminho a mãe alcóolatra, a irmã pequena, o preconceito e as guerras de gangs são sempre obstáculos. Apesar disso tudo, o rapper não se deixa abater e vai competir no concurso de rimas do bairro vizinho para tentar o título. Quem faz o papel principal é o Eminem e o filme é incrível!

 

  • Escritores da liberdade

Uma professora de inglês se vê num impasse quando  precisa lidar com uma  turma cheia de preconceitos e guerras internas. Ela então decide forçar os alunos a escreverem diários expressando as coisas que sentiam e viviam, inspirados pelo diário de Anne Frank.

 

  • Onde mora o coração

Uma adolescente é abandonada grávida pelo namorado no estacionamento de um Wal-Mart numa cidade que não conhece. Ela consegue viver escondida dentro do supermercado até o fim da gestação, mas, depois de descoberta, é incrível a forma com que ela consegue levantar sua vida e criar a filha. O filme é muito bonitinho e  a força dessa mulher é admirável.

 

  • A vida é bela

Um pai é levado com seu filho pequeno a um campo de concentração e faz a criança acreditar numa fantasia enorme para que o menino não sofra com a realidade da Guerra. Que filme maravilhoso! Vencedor do Oscar de filme estrangeiro em 1997, A vida é bela é um dos filmes mais emocionantes sobre o Holocausto. E, ainda assim, consegue ser leve.

 

  • Na natureza selvagem

Um garoto recém-formado decide largar tudo, inclusive a família, para se dedicar a aventura que sempre foi seu sonho: ir sozinho até o Alasca e viver sem dinheiro ou tecnologia. A história real de Christopher McCandless é triste, porém emocionante e inspiradora.

 

  • Lion

Eu sou completamente apaixonada por esse filme, e acho que já até indiquei aqui no blog. Lion conta a história real de um menino indiano que se perdeu da família aos  5 anos e acabou adotado por um casal australiano. 25 anos depois, ele resolve procurar a família biológica usando as poucas lembranças que tem daquela época e o Google Maps. É uma história maravilhosa.

 

Siga @ADemaisblog e @BrunaPaivaC no Twitter

Curta a fanpage do Adolescente Demais no Facebook

Siga @ademaisblog e @BrunaPaivaC no Instagram

Acompanhe BrunaPaivaC no Snapchatwp-1465389060779.png

CLIQUE AQUI PARA VISITAR O ADOLESCENTE DEMAIS NO YOUTUBE

Loco Love: Uma tragédia Shakespeariana em pleno Arizona

 

Sabe quando você começa a assistir a um filme sem esperar muita coisa e acaba se surpreendendo? Foi exatamente o que aconteceu comigo quando assisti a Loco Love, recém adicionado ao catálogo da Netflix. Eu só queria assistir a alguma coisa aleatória enquanto fazia a unha. Mas acabei gostando do que via.

Um romance bem ao estilo Romeu e Julieta é a principal trama do filme. Gavin é o típico adolescente americano de classe média alta. Marisol também é americana, mas vem de família mexicana e vive na comunidade latina. O problema é que existe um impasse entre latinos e americanos no Arizona já que, devido à imigração ilegal, a mão de obra latina é mais barata e isso acaba gerando desemprego entre os americanos.

O filme traz uma importante reflexão sobre preconceito e intolerância. O pai de Gavin é radicalmente contra a entrada de latinos no país e chega a se filiar a um grupo clandestino de extermínio aos imigrantes ilegais. Ele odeia latinos antes do primeiro “olá”.  Parte da comunidade de Marisol também não suporta americanos. A discriminação vem de ambos os lados e isso fica claro desde o início da história.

Por mais estranho que isso soe, o que eu achei mais interessante no filme é que (SPOILER!) ele não tem um final feliz. É trágico. E expõe sem o menor pudor quais são as reais consequências de intolerância e “justiça” com as próprias mãos. Ninguém acaba bem na história. Disseminar ódio em vez de tentar encontrar soluções para o problema é justamente o que destrói as pessoas.

Apesar de ser um filme mexicano independente e sem muita divulgação, Loco Love toca em questões extremamente importantes e fundamentais para discutirmos a situação tenebrosa em que se encontra o mundo justamente por preconceito e fundamentalismo. A situação México X EUA é reproduzida em diversos países da Europa e, recentemente, num caso registrado em Copacabana. Além, é claro, das últimas manifestações assustadoramente nazistas nos Estados Unidos.

O preconceito, xenofobia e intolerância são problemas reais e que precisam ser, cada vez mais, discutidos e levados a sério. Loco Love faz isso e faz questão de expor o problema sem frescura. Ele grita “estão vendo a que leva tanto esforço para discriminar as pessoas? É a isso que leva: Morte, tristeza e sofrimento.”

Bruna Paiva

 

Gostou do post? Então, comente, compartilhe e não se esqueça de me seguir nas redes sociais!

Siga @ADemaisblog e @BrunaPaivaC no Twitter

Curta a fanpage do Adolescente Demais no Facebook

Siga @ademaisblog e @BrunaPaivaC no Instagram

Acompanhe BrunaPaivaC no Snapchatwp-1465389060779.png

CLIQUE AQUI PARA VISITAR O ADOLESCENTE DEMAIS NO YOUTUBE

5 filmes (na Netflix!) para curtir o inverno

Finalmente o inverno chegou. Minha estação preferida demorou, mas até que enfim o friozinho chegou até no Rio de Janeiro. Eu acho esse clima maravilhoso para qualquer coisa, na verdade. Mas sei que, para muita gente, o friozinho é sinônimo de tempo para ficar em casa. Então trouxe cinco filmes (que estão disponíveis na Netflix!) incríveis para assistir sozinha ou acompanhada, desde que com o combo pipoca, brigadeiro e edredom!

  • Lion: uma jornada para casa

Esse filme foi indicado ao último Oscar e me deixou encantada. Lion conta a história de um menino indiano que se perde da família e acaba sendo criado por um casal na Austrália. Mas, 25 anos depois, ele resolve procurar pela família biológica. É uma história real que me fez chorar pra caramba. O filme é lindo demais e o ator mirim Sunny Pawar é uma criança tão apaixonante que não tem como não se emocionar. Dev Patel, que faz a segunda fase do Saroo, também manda muito bem no papel.

 

  • A voz do coração

Um internato para meninos órfãos ou de mau comportamento recebe um novo coordenador das crianças. Ele tem muita dificuldade de lidar com as crianças, até resolver ensinar música para eles, ainda que contra a vontade do duro diretor da escola.  É um daqueles filmes em que a arte transforma e é lindo de ver. É um filme francês e os atores são incríveis.

 

  • Antes de partir

Um filme que traz Morgan Freeman e Jack Nicholso como protagonistas não devia nem precisar de apresentação para gerar interesse. Antes de partir conta a história de dois colegas de quarto num hospital que estão prestes a morrer e resolvem cumprir uma lista de coisas nunca feitas. A evolução da amizade dos dois é linda e o filme emociona demais.

 

  • O espaço entre nós

Sabe aquele filme que e tão bonitinho que você já termina procurando a trilha sonora? É o caso de O Espaço Entre Nós. Um menino nasce durante uma expedição para Marte por pura irresponsabilidade dos astronautas. 16 anos depois, ele quer vir para a Terra, mas seu corpo não suporta nossa gravidade. Com a ajuda de uma amiga virtual, ele descobre como é a vida no nosso planeta tentando driblar suas dificuldades físicas.

 

  • O sorriso de Monalisa

Em 1953, uma escola com as meninas mais inteligentes da região coloca o casamento como parte principal na vida das mulheres. Uma professora de artes nova chega e resolve tentar mudar a visão das meninas mostrando que elas são capazes de ser mais do que somente esposas. Um filme incrível, com uma mensagem maravilhosa e mulheres sensacionais!

Bruna Paiva

Gostou do post? Então, comente, compartilhe e não se esqueça de me seguir nas redes sociais!

Siga @ADemaisblog e @BrunaPaivaC no Twitter

Curta a fanpage do Adolescente Demais no Facebook

Siga @ademaisblog e @BrunaPaivaC no Instagram

Acompanhe BrunaPaivaC no Snapchatwp-1465389060779.png

CLIQUE AQUI PARA VISITAR O ADOLESCENTE DEMAIS NO YOUTUBE

Carta aberta às minhas “reasons why”

Você, que tirava sarro do meu corpo “magro demais”. Você que se dizia amiga e um dia foi embora sem maiores explicações. Você que riu de mim quando percebeu que eu estava me isolando. Você que deu na minha cara, me chamando de piranha, eu nem me lembro por quê. Você que continuou mentindo para mim mesmo quando viu que eu defendia a sua mentira como minha verdade. Você que iludiu uma criança apaixonada em vez de agir com a maturidade que, pela idade que tinha, lhe era cabível.

Você que me excluiu da sua festa porque eu (com 12 anos) não era das “mais gostosas da turma”. Você que nunca cansou de fazer piadas sexuais envolvendo a elasticidade que o ballet me deu. Você que me convencia de que eu era um lixo e precisava mudar para ser mais do seu jeito. Que me chantageava com os meus segredos, que mentiu para mim durante tanto tempo…

Vocês me fizeram chorar no chuveiro. Fizeram com que eu precisasse virar o travesseiro molhado se quisesse dormir, isso, é claro, quando minha cabeça me permitia algumas horas de sono. Vocês me arrancaram o apetite e, muitas vezes, o ânimo para levantar da cama. Me ensinaram a camuflar o que eu sentia e a não confiar em ninguém. Ajudaram a plantar cada sementinha de pensamento ruim contra mim mesma que já passou pela minha cabeça.

Vocês me fizeram sofrer durante toda uma vida escolar.

Eu assisti 13 Reasons Why. Em dois dias, logo que a série foi lançada. E pensei muito se realmente queria falar sobre isso, me expor a ponto de mostrar por que a história mexeu comigo. Se não era melhor só guardar para mim e deixar para lá, como sempre fiz. Mas acabei percebendo que fazer isso era justamente contrariar a mensagem da série que tanto me tocou.

Eu me enxerguei na Hannah Baker em diversas situações, dilemas e na maneira como ela se sentia em relação às pessoas com que convivia. Mas reconheço que também me enxerguei em alguns dos culpados pelo sofrimento dela.

Me comportei como um “porquê” quando ri de piadas infames e olhei torto para colegas de turma que nunca me fizeram nada. Quando achei uma boa ideia me voltar contra alguém que não conhecia por motivos infantis. Fui um “porquê” quando passei onze meses sem falar com um amigo porque preferi acreditar numa mentira. Quando julguei uma colega de turma que teve fotos íntimas vazadas e achei graça dos apelidos maldosos em vez de oferecer ajuda. Provavelmente fui um “porquê” em momentos que não gravei na memória, que só marcaram a vítima…

A maior mensagem da série é que a gente nunca sabe o que se passa na cabeça das outras pessoas, nunca sabe o impacto que nossas ações vão ter sobre alguém. Eu tenho certeza que vocês não faziam ideia do estrago que suas  “brincadeiras” me causavam. “Não faça com os outros o que não gostaria que lhe fizessem” é uma máxima que todo mundo escuta desde a primeira infância, mas poucos são os que realmente conseguem colocá-la em prática.

A gente sempre acha que não está fazendo nada de errado. Que está tudo bem, afinal, aquilo não pode ser considerado um “problema de verdade”. Mas quem somos nós para dimensionar um problema na cabeça de alguém? Não é drama. Não é mimimi. Coisas “pequenas”, “besteiras” machucam mais do que vocês imaginam.

Eu consegui passar pelas pessoas que me traumatizaram na adolescência. É claro que algumas marcas eu ainda trago comigo, ainda assim aprendi a lidar com meus fantasmas, a encarar os “porquês” que passam pela minha vida. Mas tem tanta gente que não consegue… Tantas meninas e meninos sendo submetidos a coisas absurdas simplesmente porque ninguém se preocupa com o que o outro sente.

Já vi gente falando que a série não deve ser assistida por jovens e concordo que para o adolescente em sofrimento, para quem sofre de depressão, ansiedade pode ser pesado demais, ou até perigoso. Ao mesmo tempo, suicídio é um assunto tão pouco discutido… Principalmente entre os jovens. A importância de se falar que as nossas ações podem ter um peso absurdo na vida dos outros é inquestionável. Todo mundo pode ser um porquê na vida de alguém.

Eu acredito que vocês também tenham passado por momentos difíceis na escola. Ninguém sai ileso daquela época. Mas se algum de vocês ainda acha que esse texto é só mais um drama, que eu só quero chamar atenção, recomendo que assista à série. Assista de verdade, com atenção a cada detalhe, tentando realmente entender o que levou Hannah a fazer o que fez. Espero que, ao fim do último episódio, saia tão tocado quanto eu.

Bruna Paiva

Gostou do post? Então, comente, compartilhe e não se esqueça de me seguir nas redes sociais!

Siga @ADemaisblog e @BrunaPaivaC no Twitter

Curta a fanpage do Adolescente Demais no Facebook

Siga @ademaisblog e @BrunaPaivaC no Instagram

Acompanhe BrunaPaivaC no Snapchatwp-1465389060779.png

CLIQUE AQUI PARA VISITAR O ADOLESCENTE DEMAIS NO YOUTUBE

Grey’s Anatomy Book Tag!

Oi, gente!

Tem vídeo novo no canal com uma book tag super divertida sobre a minha série preferida. Eu estava há tempos querendo fazer uma tag com Grey’s Anatomy. Quando procurei no Youtube, encontrei duas versões: uma italiana e outra mexicana. Como não sei falar italiano, traduzi a tag da mexicana Vale Bigotes!

No vídeo, eu associo cada personagem da série a um livro, de acordo com a personalidade de cada um. Entre os livros que cito, alguns, como Seis Anos Depois, Quem é você Alasca e Morte Súbita, já foram resenhados aqui no blog. Para saber qual livro eu associei a cada personagem da série é só dar o play no vídeo acima!

Um beijo e até o próximo vídeo!

Bruna Paiva

Gostou do vídeo? Então, comente, compartilhe e não se esqueça de me seguir nas redes sociais!

Siga @ADemaisblog e @BrunaPaivaC no Twitter

Curta a fanpage do Adolescente Demais no Facebook

Siga @ademaisblog e @BrunaPaivaC no Instagram

Acompanhe BrunaPaivaC no Snapchatwp-1465389060779.png

CLIQUE AQUI PARA VISITAR O ADOLESCENTE DEMAIS NO YOUTUBE

 

Depois de 12 temporadas de Grey’s Anatomy, estou quase formada em Medicina

greysanatomymeredith

Dia desses me peguei dando instruções sobre primeiros socorros cardiotorácicos para o meu pai. Com a maior segurança do mundo. E com a mesma confiança que me faz ter certeza de que a minha dor de cabeça é causada por um aneurisma, ou um tumor do tamanho da minha mão. Ou que o meu batimento cardíaco acelerado depois de uma aula de dança é claramente um ataque do coração (Page Cardio!). O nome disso não é loucura, acreditem, esse meu grande conhecimento sobre as mais diversas áreas da medicina cirúrgica é culpa de Grey’s Anatomy.

Apesar de muito ter ouvido falar da série durante anos, sempre tive certo preconceito. Minha hesitação era justificada: tenho medo de sangue. Não é um simples nojinho, estou falando de reações como fraqueza, vertigem e, às vezes, desmaio a cada vez que ouço falar de situações que envolvam sangue. Na escola, eu era a fresca que passava mal nas aulas de biologia. No hospital, eu sou (até hoje) a fresca que faz escândalo para tirar sangue, o que só pode ser feito com agulha infantil e com sete enfermeiros me segurando. Eu não gosto de médicos, eu não gosto de hospitais, eu odeio sangue. Ainda assim, a série dos cirurgiões constantemente aparecia na aba “principais escolhas para Bruna”, no Netflix.

No meio do Carnaval de 2016, meu lado masoquista aflorou e eu pensei, “Por que não?”. É claro que as primeiras temporadas foram complicadas. Os episódios de 40 minutos chegavam a durar 90, de tanto ser obrigada a pausar e retomar o fôlego. As cenas de cirurgia e procedimentos mais dolorosos (quase 90% de cada episódio) eram somente escutadas, já que minha mão na frente evitava que eu visse o que não precisava ver. Mas eu sobrevivi. 12 temporadas depois, me sinto quase uma residente. O sangue (na tela do computador, que deixemos bem claro) não me incomoda nem um pouco.

É óbvio que o que me cativou não foram os bisturis. Já nos primeiros episódios eu percebi que aqueles personagens fariam valer a pena cada enjoo e cena desconfortável. E como valeu. Em três meses terminei as 12 temporadas e aguardo ansiosamente pela 13ª, que será lançada em setembro. Até o presente momento já aprendi a usar o disfibrilador, serrar ossos, coloca-los no lugar certo… Sei algo sobre suturas, traqueostomias e retiradas de apêndices. Ah, claro, sou super apta para transplantes e procedimentos cardiotorácicos, aprendi tudo com a minha deusa Cristina Yang.

Brincadeiras à parte, fico impressionada com a transformação causada pela série. A menina que sempre foi fresca ao ponto de não conseguir ouvir falar de sangue, hoje fica super empolgada quando chega uma cirurgia complicada decorrente de um acidente feio, no Grey Sloan Memorial.

Assistir a Grey’s Anatomy acarreta dois únicos problemas. O primeiro, e mais grave de todos, é o famoso apego pelos personagens. Eu duvido que alguém tenha sangue frio o bastante para não sofrer com aquela série. Não dá. Eu tenho um texto sobre luto por personagens, e esse sentimento é constante em Grey’s. A cada morte ou despedida de um personagem, ou mesmo os casos tristes de alguns pacientes, mais dias de depressão. Alguns episódios são feitos única e exclusivamente para judiar do coração de quem assiste.

O segundo problema é desenvolvido aos poucos. Quando você pisca, a hipocondria já tomou conta de sua cabeça. Aquela mancha a que você nunca deu muita atenção vira um câncer de pele, cuja metástase já é terminal. A pontada de dor de cabeça depois de um dia cansativo, pode ser um grande tumor tomando conta de seu cérebro. Uma crise de soluços, aterrorizantemente, pode te levar a morte.

Hipocondria, depressão e a convicta crença de que se pode exercer a Medicina, esses são os sintomas clássicos dos viciados em Grey’s Anatomy. Mas vale a pena, vai. Apesar da autora, Shonda Rhimes, que também escreve How To Get Away With Murder e Scandal, não ter pudor algum em matar meus personagens mais queridos, não consigo mais ficar longe do centro cirúrgico.

Bruna Paiva

Gostou do post? Então, comente, compartilhe e não se esqueça de seguir o blog nas redes sociais!

Siga @ADemaisblog e @BrunaPaivaC no Twitter

Curta a fanpage do Adolescente Demais no Facebook

Siga @ademaisblog e @BrunaPaivaC no Instagram

Acompanhe BrunaPaivaC no Snapchatwp-1465389060779.png

CLIQUE AQUI PARA VISITAR O ADOLESCENTE DEMAIS NO YOUTUBE

Favoritos do mês: as coisas mais legais de Junho

Olá, pessoal!

No post de hoje, eu trouxe para vocês as coisas mais legais que encontrei, assisti ou descobri em junho. A lista desse mês tem 8 itens, e vale a pena dar uma conferida em cada um dele!

 

1-       Just Wright

Essa comédia romântica é aquela clássica história da menina pobre que acaba ajudando o rapaz rico e os dois se apaixonam. Mas é tão bonitinho! Leslie, personagem da Queen Latifa, é uma fisioterapeuta, aficionada em basquete, que mora com o pai e uma prima, que sonha em casar com alguém famoso. Leslie conhece um astro do basquete por acaso e acaba tendo que cuidar de uma lesão do atleta. O filme é muito fofo  e está no Netflix!

 

2-      Minha Vida Não Faz Sentido

wp-1467728401406.jpg

No início de junho, assisti à peça do Youtuber Felipe Neto e contei aqui no blog como eu adorei o espetáculo. É claro que não podia deixar de colocar aqui no Favoritos do mês! Se a peça estiver passando por sua cidade, não perca a oportunidade. Vale muito a pena.

 

3-      Vamos Falar Sobre Ódio – LubaTV

Depois do terrível atentado numa boate gay em Orlando, o Luba postou, em seu canal, um vídeo muito emocionante, e num tom bem diferente do de costume, falando sobre o ocorrido e, principalmente sobre o ódio por trás de atentados desse tipo. O vídeo é bonito e dá vontade de compartilhar 1000 vezes…

 

4-      Gringos Reagem – VT Matos

O Victor está estudando fora do país, junto com jovens de diversas partes do mundo. No fim do ano passado, ele criou um canal no Youtube onde ele mostra as coisas que viralizam no Brasil para os gringos. As reações são as mais engraçadas possíveis.

 

5-      Experiência social: homofobia

Esse vídeo é um experimento social feito por 3 atores. Dois formariam um casal gay, de mãos dadas e demonstrando afeto no metrô. O terceiro seria um cara extremamente homofóbico. O vídeo é intenso e as reações das pessoas ora emocionam, ora revoltam.

 

6-      Orange Is The New Black

Em junho, o reboliço foi tanto por causa da quarta temporada de Orange Is The New Black que eu resolvi dar uma chance para essa série original do Netflix. O resultado é que eu amei. Ainda estou na primeira temporada, mas achando tudo incrível…

 

7-      Gossip Girl

Outra série que eu nunca havia assistido e resolvi começar em junho foi Gossip Girl. Aquelas garotas estão tomando conta da minha vida. Simplesmente preciso ver o que Blair e Serena estão fazendo. Fora que as roupas da Serena me deixam muito mais inspirada para me vestir ahaha…

8-      Mais Forte Que O Mundo

Eu gostei tanto desse último item, que cheguei a escrevê-lo duas vezes na minha listinha. Contei aqui como amei assistir ao filme da vida do José Aldo. As atuações são incríveis, a trilha sonora é maravilhosa e a direção melhor ainda. Esse ainda está nos cinemas, então corre para ver porque é sensacional!

Gostou do post? Então, comente, compartilhe e não se esqueça de seguir o blog nas redes sociais!

Siga @ADemaisblog e @BrunaPaivaC no Twitter

Curta a fanpage do Adolescente Demais no Facebook

Siga @ademaisblog e @BrunaPaivaC no Instagram

Acompanhe BrunaPaivaC no Snapchatwp-1465389060779.png

CLIQUE AQUI PARA VISITAR O ADOLESCENTE DEMAIS NO YOUTUBE

 

Favoritos do mês: as coisas mais legais de Maio

Olá, pessoal!

No post de hoje, trouxe para vocês as coisas mais legais que eu encontrei por aí em Maio. Tem filme, música, notícia e muita coisa que vale a pena conhecer. Divirtam-se.

  • Hoje eu quero voltar sozinho

Hoje eu quero voltar sozinho é um filme nacional que não é muito conhecido, mas devia. É um romance lindo que fala sobre amor, amizade, adolescência, preconceitos e homossexualidade. O filme entrou no catálogo do Netflix esse mês e vale muito, muito à pena ser assistido.

  • 7 Years

Essa foi a música que eu mais escutei no mês de maio. Descobri ela numa aula de Jazz e depois ouvi de novo no rádio. E não consegui mais parar. É o tipo de música que gruda na cabeça, além de ter uma letra linda que faz a gente refletir sobre a vida.

  • 4th man out

Esse filme também é recente no catálogo do Netflix, na verdade ele estreou esse mês na TV americana. Quando o mecânico Adam decide contar para os amigos de infância que é gay, eles resolvem ajuda-lo a encontrar o cara perfeito. O filme ressalta a amizade livre de preconceitos e é muito fofo.

 

podcast30min

Encontrei esse podcast enquanto dava uma olhada no blog Homo Literatus. Além de o site ser incrível, eles produzem um podcast muito legal sobre literatura. As discussões são sempre divertidas e eles dão dicas ótimas de leitura.

  • Garagem de Unicórnios

Descobri o canal da Karen Jonz por acaso, enquanto assistia a algumas coisas do Fiuk no Youtube. Logo de cara adorei o jeito dela, depois percebi que ela é mulher do Lucas Silveira da Fresno, que eu também gosto. Mas confesso que o que me conquistou foi a fofura da Sky, filha do casal.

 

  • Sem Filtro- Nosso Canal

Descobri o Nosso Canal por meio desse quadro e adorei. As meninas donas do canal trazem sempre um convidado e discutem assuntos diversos. Já é antigo, então tem vários vídeos bem legais.

  • Se todo muno fosse cego – Fabio Brazza

Alguém compartilhou esse vídeo e ele apareceu na minha timeline do Facebook. Achei incrível. A poesia de Fabio Brazza faz a gente refletir sobre como o mundo está hoje em dia.

 

  • Dance Academy: The Comeback

wp-1464694944398.jpg

A melhor notícia que tive esse mês foi a de que (finalmente) a minha tão querida série Dance Academy vai virar filme!!!! Agora é oficial e já estão até gravando. Durante todo o mês eu surtei com as fotos e snaps do elenco se reencontrando. Quem me segue no Twitter percebeu que eu até comecei a ver a série toda de novo. Estou muito empolgada para o filme que estreia ano que vem. Só espero que ele venha para os cinemas aqui no Brasil também… E se você está surtando assim como eu com a notícia, dá para acompanhar as gravações de pertinho pelo snap danceacademy.au!

 

Gostou do post? Então, comente, compartilhe e não se esqueça de seguir o blog nas redes sociais!

Siga @ADemaisblog e @BrunaPaivaC no Twitter

Curta a fanpage do Adolescente Demais no Facebook

Siga @ademaisblog e @BrunaPaivaC no Instagram

Acompanhe BrunaPaivaC no Snapchat

CLIQUE AQUI PARA VISITAR O ADOLESCENTE DEMAIS NO YOUTUBE

Favoritos do mês: as coisas mais legais de Abril!

Oi, gente! No post de hoje eu trouxe os meus favoritos do mês. Tudo o que eu li, assisti ou encontrei por aí no mês de Abril e achei que valia a pena compartilhar com vocês. Todos os itens merecem uma chance de vocês.

1-      Vamos Juntas

Vamosjuntas4

Descobri o livro e o movimento Vamos Juntas em Abril e achei tudo incrível. Contei mais detalhes sobre eles na resenha que postei aqui!

 

2-      Marcela Tavares- Não seja burro

Descobri esses vídeos no Facebook e acabei encontrando no Youtube. A Marcela Tavares ensina coisas básicas (que são ditas erradas com frequência) de um jeito peculiar. É muito engraçado e eu tenho certeza que representa muita gente!

 

3-      The Duff

Assisti a esse filme no Netflix sem dar nada por ele. Mas, no fim, amei! É muito bonitinho e fala sobre bullying, amor e amizade no Ensino Médio. O típico filme clichê de colegial americano. Mas quem não gosta de um bom clichê?

 

4-      O Mambembe

omambembe

Se você é do Rio de Janeiro, não pode perder esse musical! O Mambembe é uma montagem universitária do texto de Artur Azevedo pelos alunos da UNIRIO. Gente, eu fui assistir e saí de lá encantada. Está tudo lindo, vale demais. E o melhor: é de graça! Mais informações aqui.

 

5-      Músicas novas do Fiuk

Sim, eu sei que Amor e Desejo Proibido, as músicas novas do Fiuk, foram lançadas em Março. Mas as duas foram a trilha sonora do meu mês de abril. Então, não podiam ficar de fora. As músicas novas do meu ídolo lindo estão maravilhosas. Escutem!

 

6-      About Time

Que filme fofo! About Time está no Netflix e é uma comédia romântica muito leve com toques de drama e fantasia. É muito gostoso de assistir. Principalmente nesse frio maravilhoso que chegou agora.

 

7-      Roleta Russa

livrosuicidas

Contei aqui, também, que assisti à peça Roleta Russa, baseada no livro Suicidas de Raphael Montes. Eu adorei a adaptação e não pude deixar de considera-la nos meus favoritos!

 

8-      Restart reunida

Aí tchomas

A post shared by Thomas M. Alexander (@thominhas) on

Bem no finzinho de abril, três dos 4 meninos da Restart se juntaram e filmaram, para o instagram, uma música antiga da banda. Thomas, Pe Lanza e Koba me fizeram chorar de saudades de uma das melhores épocas da minha adolescência.

 

9-      A Cura

Assisti a esse filme enquanto fazia minhas unhas e me surpreendi. A Cura fala sobre amizade, e que amizade linda!, preconceito e AIDS. Além de abordar a inocência de uma criança em relação a essa doença tão terrível. Chorei muito. É um filme incrível.

Gostou do post? Então, comente, compartilhe e não se esqueça de seguir o blog nas redes sociais!

Siga @ADemaisblog e @BrunaPaivaC no Twitter

Curta a fanpage do Adolescente Demais no Facebook

Siga @ademaisblog e @BrunaPaivaC no Instagram

Acompanhe BrunaPaivaC no Snapchat

CLIQUE AQUI PARA VISITAR O ADOLESCENTE DEMAIS NO YOUTUBE