O que você faria até de graça?

Bem antes de explodir nas rádios do Brasil, a cantora Iza, na frente de um auditório cheio de adolescentes indecisos fez a seguinte pergunta “o que você faria até de graça?”. Ela tinha acabado de decidir largar a carreira de publicitária para seguir seu sonho de cantar e era uma das convidadas da semana em que a minha antiga escola levava profissionais de diversas áreas para conversar com o Ensino Médio. O auditório lotado ficou em silêncio com aquela pergunta.

Ela contou a história dela e de como resolveu seguir o sonho em vez de ficar presa num trabalho de que não gostava. No meio do meu terceiro ano, eu ainda pensava em cursar jornalismo ou quem sabe me jogar em outro curso qualquer. Mas ali, naquela palestra, eu entendi que precisava seguir meu sonho. Que qualquer outra coisa “eu não faria de graça nem que me pagassem”, como a Iza falou.

É difícil, sim, viver de literatura num país em que mal se valoriza um professor.  Ser escritora quando o mercado cada vez se fecha mais para quem está chegando agora. Mas a sensação de “sim, eu faria isso até de graça” realmente só quem já se encontrou entende.

Não é que eu fazer de graça. Artistas precisam comer e pagar contas, embora as pessoas às vezes se esqueçam disso. Mas o sentimento é esse. O trabalho, mesmo o mais desafiador, o mais sofrido, compensa quando se faz o que se ama.

Às vezes é complicado assumir um sonho. Enfrentar as consequências, os desafios, as frustrações, os julgamentos, as inseguranças e as descrenças. É difícil e, sim, vai dar errado muitas vezes. Você não vai conseguir na primeira e às vezes nem na vigésima tentativa. Mas viver o sonho compensa. Cada pedacinho de reconhecimento compensa, energiza e motiva a continuar. E eu não vou desistir do meu sem ter conseguido.

A Iza conseguiu o dela. Ela batalhou, deu a cara a tapa e conseguiu. A cada vez que eu vejo essa mulher na televisão, cantando em tudo que é lugar, eu me lembro daquela palestra e da determinação que ela tinha no olhar. Três anos passaram e, depois de arrasar no Rock in Rio, ela lança o primeiro álbum no próximo semestre.

Só alcança o que almeja quem trabalha para isso. E quando o objetivo fica claro, quando você encontra o que faria até de graça, fica mais fácil levantar a cabeça e tentar mais uma vez.

Bruna Paiva

 

Gostou do post? Então, comente, compartilhe e não se esqueça de me seguir nas redes sociais!

Siga @ADemaisblog e @BrunaPaivaC no Twitter

Curta a fanpage do Adolescente Demais no Facebook

Siga @ademaisblog e @BrunaPaivaC no Instagram

Anúncios

Eu desisti

wp-1466515320202.jpg

Sim, eu desisti. Do que foi meu maior objetivo durante a vida inteira. Daquilo pelo que dei suor e sangue para conseguir. Sim, desisti quando estava quase chegando aonde tanto sonhei. Desisti porque, às vezes, tudo aquilo que você sempre quis pode não ser o que você quer de agora em diante.

Vergonha? Não há nada de errado em desistir de algo só porque lutei tanto para conseguir. Acredito que é preciso sim coragem. E muita. Para enfrentar o mundo de cabeça erguida e assumir que o que costumava dar sentido à sua vida não tem mais nada a ver com você. Todo mundo julga e condena sem ter direito algum. Era eu quem estava presa a um futuro que escolhi anos atrás. A gente muda, nossas prioridades e sonhos também.

Ainda não sei o que vou fazer a partir de agora. E sei que não será fácil. Afinal, passei anos me preparando para algo em que eu não acredito mais. É o que eu fui programada para saber. O problema é que eu cansei, não conseguia mais projetar minha vida para frente e me enxergar feliz em cinco ou dez anos. Desgastei cada migalha do que um dia já foi meu sonho e hoje só me sobra a estafa.

Só não quero mais viver assim. Presa. Sem perspectiva de futuro e fazendo algo que eu não gosto, só porque vivi até aqui me dedicando para isso.

Bruna Paiva

Gostou do post? Então, comente, compartilhe e não se esqueça de seguir o blog nas redes sociais!

Siga @ADemaisblog e @BrunaPaivaC no Twitter

Curta a fanpage do Adolescente Demais no Facebook

Siga @ademaisblog e @BrunaPaivaC no Instagram

Acompanhe BrunaPaivaC no Snapchatwp-1465389060779.png

CLIQUE AQUI PARA VISITAR O ADOLESCENTE DEMAIS NO YOUTUBE

Minha vida não faz Sentido: o dia em que até minha avó virou fã do Felipe Neto

wp-1465824917329.jpg

Finalmente assisti ao espetáculo Minha Vida Não Faz Sentido, do Youtuber Felipe Neto. Uma peça que mistura emoções. Que faz a plateia morrer de rir, mas também causa um silêncio constrangedor enquanto todo mundo coloca a mão na consciência. Uma apresentação incrível que só aumentou a admiração que tenho pelo cara que falava mal dos meus ídolos.

Desde que ele anunciou o projeto da peça eu fiquei super animada para assistir, até cheguei a fazer um post sobre isso. Entretanto, todas as apresentações no Rio foram em dias impossíveis para mim. Até que finalmente ele anunciou uma data que batia com a minha agenda. Corri para comprar quase na mesma hora.

Arrastei a família inteira (é sério, até minha avó, que nem conhecia os vídeos dele foi e saiu de lá fã do cara). O mais legal é que a peça foi apresentada no Imperator, no Méier, o bairro onde Felipe estudou durante a adolescência. Na plateia, uma antiga professora estava lá para prestigiá-lo e a própria mãe do Youtuber, a quem ele se dirigiu com orgulho durante vários momentos do espetáculo, se encontrava na primeira fila do teatro.

A peça foi incrível. Achei que seria uma versão encenada do seu livro Não Faz Sentido Por Trás Das Câmeras, mas me enganei completamente. Felipe conta a história do Não Faz Sentido, quadro que o projetou para o sucesso no Youtube, mas não para por aí. Relembra os fracassos de suas primeiras empresas, o sonho de ser ator e como nunca desistiu de perseguir seus objetivos. Aborda assuntos polêmicos e os problemas de nossa sociedade. Sempre se alternando no palco entre o Felipe Neto da vida real e o seu famoso (e revoltado) personagem dos óculos escuros.

Uma das passagens da peça com a qual mais me identifiquei foi quando Felipe contou que, uma vez, um professor da escola em que ele estudava no Meier olhou para ele e disse “você não vai ser nada, não vai chegar a lugar nenhum”. Digo que me identifiquei porque já vivenciei a mesma situação. Só que o meu ex-professor babaca falou isso para a turma inteira.

Depois da peça, Felipe fez questão de falar com todos aqueles que quisessem cumprimentá-lo. Tirou fotos, recebeu presentes e foi atencioso com todo mundo. Eu, claro, depois de 6 anos acompanhando seu sucesso, precisei conhecê-lo pessoalmente. Levei seu livro para ser autografado e ele riu quando eu disse que, antes de começar a assistir aos seus vídeos, eu o detestava por causa do Fiuk. Entreguei-lhe também uma revista especial da Capricho sobre Crepúsculo e meu texto “Como conheci o idiota do Felipe Neto”, postado aqui no blog em 2013. Dois dias depois, em seu Snapchat, ele riu da provocação e comentou que já havia lido o texto na internet.

Em Minha Vida Não Faz Sentido, Felipe fala sobre a importância da leitura e critica o sistema falho de educação no Brasil. Incentiva as pessoas a enfrentarem os medos que as impedem de seguir seus sonhos. E joga na cara da plateia o quão infundados são os preconceitos que estão em nossa sociedade. Um espetáculo incrível que não precisa de mais de um ator e um par de óculos escuros para fazer o público voltar para casa repensando a vida. Sem dúvidas, um programa para toda a família.

Bruna Paiva

Gostou do post? Então, comente, compartilhe e não se esqueça de seguir o blog nas redes sociais!

Siga @ADemaisblog e @BrunaPaivaC no Twitter

Curta a fanpage do Adolescente Demais no Facebook

Siga @ademaisblog e @BrunaPaivaC no Instagram

Acompanhe BrunaPaivaC no Snapchatwp-1465389060779.png

CLIQUE AQUI PARA VISITAR O ADOLESCENTE DEMAIS NO YOUTUBE

Conversando sobre escolha da profissão – VIDEO NOVO NO AR!

Chegou a hora, você precisa escolher, tem que decidir a profissão em que vai querer atuar. Será mesmo que precisamos de tanta pressão assim? E será que a escolha é uma espécie de portal definitivo, que cruzamos sem direito a dúvidas ou arrependimentos? Claro que não! O video desta semana é sobre escolha profissional, inspirado no texto “O que você quer ser quando crescer?“, escrito por mim em janeiro de 2015.

No vídeo comento como foi meu próprio processo decisório até perceber que não precisava abdicar de uma paixão por outra. Foi assim que escolhi levar a dança e a literatura comigo para a vida adulta. Entre outras coisas, também falo sobre o direito que temos de fazer correções de rumo no meio do caminho, sobre a necessidade de experimentar, acreditar e perseguir nossos sonhos. Espero que gostem e que , de alguma maneira, ajude quem está passando por essa fase!

Aproveito para convidar todos para a minha a página do Wattpad (onde cada vídeo é postado com os textos que me servem de inspiração). É  no Wattpad que o ADOLESCENTE DEMAIS está se desenhando como livro. E você pode participar ativamente desse processo, deixando likes, comentários, folheando as páginas já escritas e trocando comentários com outros leitores.

Obrigada pela leitura e audiência cada vez maior!

Beijos da Bru!

CLIQUE AQUI PARA VISITAR O ADOLESCENTE DEMAIS NO YOUTUBE

Gostou do post? Então, comente, compartilhe e não se esqueça de seguir o blog nas redes sociais!

Siga @ADemaisblog e @BrunaPaivaC no Twitter

Curta a fanpage do Adolescente Demais no Facebook

Siga @ademaisblog e @BrunaPaivaC no Instagram

Acompanhe BrunaPaivaC no Snapchat

Meus amigos viraram zumbis

ZombieWallpaper5YoungZombies

Você já sonhou que estava caindo e acordou assustado com a adrenalina bombando no sangue? Ou teve um pesadelo que não te deixou mais dormir? Claro que já. Todo mundo já teve um sonho estranhamente real que nos deixa inquietos pelo resto da semana. Eu vivo sonhando coisas estranhas. Normalmente quando vou dormir muuuito cansada, meu subconsciente me sabota com um sonho bizarro e cansativo.

Já sonhei com ataque terrorista, incêndio na escola e professora psicopata correndo atrás de mim com uma faca em punho… Mas na última vez em que algo estranho invadiu minha mente durante o sono, as vítimas foram três amigos meus. Tive a capacidade de sonhar que os três, juntos e uniformizados, sofriam um terrível acidente de ônibus e viravam zumbis. Sim. Eles viravam zumbis, enquanto a coordenadora do colégio ria da desgraça dos coitados.

Não faz sentido nenhum, eu sei, mas naquele dia eu acordei duas horas antes do que precisava, e só sosseguei bem mais tarde quando  vi os três na escola em bom estado e sem vestígios de qualquer acidente zumbi. Quando contei para eles, foram unânimes em duvidar da minha sanidade mental. Mas não sou maluca.

Eu procurei saber o significado desse tipo de sonho, o que a ciência diz sobre eles. E descobri que há muitas explicações para sonhos assim. Alguns, acreditam que os sonhos podem sim ser presságios ou premonições…Estão vendo meninos, posso ter previsto e salvado vocês de virarem zumbis.

Outros cientistas afirmam que “sonhos são tentativas que nossos sistemas cerebrais nos oferecem para compreensão maior sobre situações de interesse pessoal”. Aí já não entendo direito o que meu interesse pessoal tem a ver com meus amigos virando zumbis… Não me interesso nem um pouco em ter amigos mortos-vivos, juro.

Li também que quando sonhamos algo ruim com alguém, é sinal de que algo bom vai acontecer com essa pessoa. Ou seja, se um dos três ganhar na mega-sena essa semana eu quero minha participação no prêmio…

Brincadeiras à parte, existem diversas teorias para explicar o significado de nossos sonhos estranhos. E é bem difícil de escolher em qual acreditar. Prefiro acreditar que algo muito bom vai acontecer aos meus amigos. Mas acho que se eu não procurar uma explicação para as loucuras da minha mente enquanto durmo, vou começar a acreditar que realmente há algo de errado com minha sanidade mental…

Bruna Paiva

Abismo dos sonhos… Um ano atrás

tumblr_lq9bj5z3TU1qkjrjoOntem eu entrei no Abismo do desafio sabendo bem que o que estava em jogo era um sonho. Sem deixar o  medo me dominar, mergulhei num rio de coragem e fui em frente. Fisicamente eu estava sozinha, mas sabia que tinha apoio e torcida…
Caminhei por uma campina estranha, com cuidado onde pisava pois qualquer passo em falso poderia me fazer cair mais fundo do que eu já estava. Ao fim da caminhada minhas mãos suavam e as pernas tremiam, a coragem deu lugar ao  nervosismo daquele momento em que eu sabia que o sonho se decidiria.
O chão se abriu aos meus pés mas o apoio que estava comigo no início da caminhada me segurou sem deixar que eu caísse. As lágrimas que caíram do céu molhavam meu corpo tentando me desestabilizar… Mas aquele apoio que me segurava se tornou mais forte e me puxou deixando-me a salvo. O apoio me ajudou, secou as lágrimas que me molhavam e me conduziu novamente ao rio de coragem. E foi lá que eu comecei novamente minha caminhada.
E se o chão se abrir de novo? Eu volto ao rio mais uma vez. E quantas vezes forem necessárias… Enquanto eu tiver coragem e vontade de vencer essa barreira, eu vou tentando. Porque se eu desistir, não há apoio que segure tão firme a ponto de aguentar a força da derrota que me puxa pra baixo…

Bruna Paiva