Tão distraidamente

Tabagismo, Cigarro, Ruim, Ar, Cinzas, Vaporizador

Cigarro na boca, olhar baixo, distante da roda de conversa; mas o ouvido parece atento. Camisa branca de manga comprida que chama atenção para os ombros largos e os braços ao longo do corpo.

Ele joga o cabelo para longe do rosto, sorrindo despreocupado e tomando o cigarro entre os dedos. Um sorriso travesso de quem conta a história fragmentada. Observo as fascinantes mãos alongadas, perdida em pequenos pensamentos depravados.

De repente ele estende o braço e balança a cabeça concordando efusivamente com o colega coadjuvante. Na minha perspectiva, ele protagoniza. O local, o momento, o conjunto da cena.

Passa os dedos nos cabelos sedosos, com um suspiro profundo, enquanto volta o que resta do cigarro para entre os dentes. Depois deixa a mão bater na coxa. Aperta os lábios com o cigarro no meio para logo arrancá-lo com os dedos novamente.

Queria ser aquele cigarro, penso. E me assusto com o pensamento enquanto ele sopra a fumaça e joga a guimba no chão.

Bruna Paiva

Gostou do post? Então, comente, compartilhe e não se esqueça de me seguir nas redes sociais!

Siga @ADemaisblog e @BrunaPaivaC no Twitter

Curta a fanpage do Adolescente Demais no Facebook

Siga @ademaisblog e @BrunaPaivaC no Instagram

Anúncios

Como fazer tudo que você gosta e ainda ter tempo para estudar?

wp-1455746887878.gif

Uma das perguntas que eu mais escuto na vida é “Nossa, mas como você faz tudo isso? Onde você arruma tempo para estudar?”. É simples. Eu organizo o meu tempo. Ok, confesso que não sou a pessoa mais organizada do mundo quando o assunto é meu quarto, minha mochila, etc. Mas quando se trata dos meus horários, eu sou a louca da disciplina.

A verdade é que eu fui meio obrigada a aprender a arrumar tempo para tudo. Sempre gostei de fazer muitas atividades extras e tento encaixar todas as coisas que gosto em algum espacinho da minha agenda. Acontece que, quando você faz muita coisa, qualquer minuto é precioso. Principalmente quando se precisa estudar.

Na época de escola, uma das coisas que mais irritava era ouvir de meus colegas: “não estudei porque não tive tempo”. Não que eu fosse uma aluna exemplar, mas é que nenhum deles nunca fez metade do que eu fazia, e eu sempre arrumei tempo para tudo. A pergunta é: COMO?

Parece loucura, mas não é tão complicado. Eu ocupo todos os meus horários com alguma coisa para fazer, depois monto uma planilha. Lá eu organizo realmente o que pretendo fazer em cada dia da semana, estipulando horários para descanso, leitura, produção de conteúdo para o blog, estudo em casa e lazer. Vou deixar um exemplo de planilha organizadora para vocês terem uma ideia de como esquematizar uma semana.

wp-1455746421742.jpg

É uma agenda apertada, mas eu acabo de te provar que, sim, é possível ter tempo para tudo quando você se dispõe a isso. Até porque, essa é uma planilha que realmente já foi minha, se eu não me engano em 2014. É claro que, às vezes, não dá para seguir à risca os horários determinados. Mas, nesses casos, eu faço uma mini planilha do que eu tenho que fazer naquele dia para não perder tempo e ainda conseguir descansar. Ou uma listinha das coisas que não posso esquecer ou deixar de fazer. O sistema de Bullet Journal também é uma boa. Me ajuda demais. Vou deixar aqui um vídeo explicando o sistema:

Confesso que há vezes em que a preguiça não bate; ela espanca. Nesses dias a tal da força de vontade precisa ser nossa melhor amiga. Afinal, o horário apertado foi escolha nossa para conseguirmos fazer tudo o que deve ser feito. E, claro, aquilo que gostamos também.

Fiz uma listinha de cinco coisas que podem te ajudar nessa rotina louca:

1- Respeite os horários que você estipulou – sei que, às vezes, é complicado seguir tudo exatamente como o planejado. Mas se você respeita a sua escala de horários, o dia flui de uma forma muito mais fácil…

2- Evite a internet fora do horário estipulado – tente ficar bem longe do seu celular enquanto estuda, ou enquanto faz algo importante. As redes sociais acabam nos tirando a atenção daquilo que estamos fazendo. E isso só nos toma mais tempo.

3- Organize-se de véspera – anote, antes de dormir, tudo o que você precisa fazer no dia seguinte. Deixe sua mochila e tudo de que vai precisar já organizados na véspera. Dessa forma você evita que se esqueça de alguma coisa pela manhã.

4- Durma bem – quando a gente não consegue descansar, nada no dia rende. É extremamente necessário dormir bem para renovar as energias para essa rotina corrida.

5- Coma direito – às vezes a gente faz tanta coisa que acaba esquecendo de tirar um tempinho para comer. Organize seus horários com brechinhas para a alimentação. E, principalmente, se alimente de forma correta para conseguir dar conta do dia a dia. Se necessário, procure uma nutricionista para te ajudar.

No fim, por mais que a rotina pesada canse, é incrível olhar para seu dia, semana ou ano e perceber que conseguiu fazer tudo o que planejou! Tomara que consiga cumprir todos os seus objetivos do ano com essas dicas! Me contem aqui como fazem para organizar o tempo e a agenda de vocês!

Um beijo enorme da Bru.

Gostou do post? Então, comente, compartilhe e não se esqueça de seguir o blog nas redes sociais!

Siga @ADemaisblog e @BrunaPaivaC no Twitter

Curta a fanpage do Adolescente Demais no Facebook

Siga @ademaisblog e @BrunaPaivaC no Instagram

Acompanhe BrunaPaivaC no Snapchat

Se eu tivesse feito diferente…

stress-540820_640

Eu. Logo eu, que sempre gostei de gritar para o mundo que não me arrependo de nada. Sempre gostei de levar episódios ruins como aprendizado para a vida. Pregava que não se deve lamentar o que já passou. Hoje flagrei-me desejando voltar no tempo para consertar alguns erros. Uma pontinha de arrependimento bateu bem lá no fundo do peito. A sensação de que poderia ter sido diferente.

Uns 4 ou 5 anos já estava bom. Só queria saber o que teria acontecido se eu tivesse escutado, se não tivesse confiado. Se tivesse relaxado mais, deixado mais para lá, me entregado mais, beijado mais, sorrido mais, pensado mais, me apaixonado menos…

Eu queria mudar pouco do passado; só para tudo mudar aqui no presente. Evitar erros que hoje me fazem chorar debaixo do chuveiro e agarrada às cobertas. Erros que me fizeram crescer, é evidente, mas hoje me pergunto: valeu a pena? Será que vale a pena tanta dor pela tal da maturidade? Não seria mais fácil continuar imatura a aturar tudo isso aqui? A infância não era tão mais tranquila que a chamada vida adulta?

Se eu pudesse voltar, sim, faria diferente. Me preveniria contra algumas amizades, tentaria focar mais ainda nos meus sonhos e objetivos. Aproveitaria melhor algumas oportunidades. Reviveria alguns romances, tentaria mudar o que deu errado em outros. Talvez tentasse agarrar chances que tive e desperdicei. Pode parecer loucura, mas é só curiosidade. É o que acontece quando só se pensa na solução perfeita para um problema, ou na melhor resposta para uma discussão depois que tudo já passou.

O que teria acontecido se eu tivesse ido àquele aniversário, quatro anos atrás? Se eu tivesse dito tudo o que queria para quem merecia ouvir. Se eu não tivesse derramado lágrimas por quem não valia a pena. Se eu não tivesse levantado daquela mesa. Se eu tivesse aceitado aquela proposta. Se tivesse brigado pelo que era meu.

Se eu não tivesse apertado o enter e respondido aquela mensagem. Se eu não tivesse voltado atrás naquela decisão. Se eu não tivesse empurrado algumas amizades com a barriga até estas deixarem de existir. Se eu tivesse cortado algumas relações antes de o fim ser doloroso… O que teria acontecido se eu tivesse feito diferente? Onde eu estaria agora? Como? Com quem?

Estranho pensar que simples ações, ou a falta delas, poderiam ter feito tudo acontecer de uma maneira diferente. O problema é que ainda não inventaram uma máquina que me faça voltar. A vontade e a curiosidade, sozinhas, infelizmente, não me devolvem o passado. O jeito é tentar acertar no presente para que no futuro o arrependimento não volte a bater.

Bruna Paiva

Siga @ADemaisblog  no Twitter

Curta a fanpage do Adolescente Demais no Facebook

Siga @ademaisblog no Instagram

Quando o tempo para

Tempo

Desculpe-me meu caro Agenor, a música é linda, mas acho que você se equivocou. O tempo para sim. E são justamente os momentos em que o sentimos parar aqueles que devem marcar o calendário da vida.

Eu conto a vida por esses marcos, e minha folhinha é cheia deles. O dia em que perdi os sentidos ao encontrar meu ídolo, o dia em que levei o fora de um amigo porque confundi as coisas, o primeiro beijo no cinema…

O primeiro encontro com um cara especial. O abraço de perdão de um amigo com quem fiquei brigada quase um ano. O dia em que minha turma ganhou o concurso de dança do colégio. O dia em que ficamos em segundo lugar e saímos de lá indignados com o júri.

A perda de alguém muito especial, os aplausos escutados de cima do palco. Um pedido de namoro inusitado, um término inesperado. A discussão com um professor na escola, aquela nota dez que você precisava. A frustração de não passar numa prova para a qual você tanto se dedicou.

A festa surpresa que organizaram para mim quando eu nem queria comemorar aniversário. A notícia da reprovação do meu melhor amigo, filmes inesquecíveis, brigas inesquecíveis, beijos inesquecíveis. Em cada um desses momentos, e em muitos outros, o tempo parou.

Ele pode até ter continuado a passar para Cazuza e pro resto do mundo, mas para mim esteve completamente parado. E quando fecho os olhos ainda posso reviver cada um desses momentos com efeito de câmera lenta.

Meu calendário da vida é repleto dessas lembranças. Experiências que não voltam e das quais eu não me arrependo de ter vivido. Conto a minha existência por elas, e não por datas e dias da semana.

Porque, no fim das contas, o que fica da vida é só esse calendário de memórias. São os momentos em que o tempo parou.

Bruna Paiva

Quanto Tempo?

Quantotempo

 

Quanto tempo faz que o tempo já não para,

Que a gente não se fala

E a vida nem se abala?

 

Quanto tempo faz que a gente não se ama,

Que já tá fria a cama?

Que a gente só se engana,

E o coração reclama?

 

Quanto tempo faz que você não me espera,

Que você nem se importa,

Que a gente não se intera?

 

Quanto tempo faz que isso já dói na alma,

Que isso me tira a calma,

Que já tá tudo errado

E isso me faz chorar?

 

E quanto tempo mais isso vai demorar até se resolver?

De quanto tempo mais você vai precisar,

Até você cansar

De me fazer sofrer?

 

Bruna Paiva